Vereda afetiva

Caipira. Capa. Reprodução

Em um vídeo de divulgação de seu novo disco, Mônica Salmaso afirma não se tratar de uma dissertação de mestrado sobre a música caipira ou coisa que o valha. “Sou tabaréu, sou capiau, sou caipira”, anuncia o verso inicial da faixa-título (Breno Ruiz/ Paulo César Pinheiro), que abre Caipira [Biscoito Fino, 2017, R$ 33,90] – com citação de A lenda do caboclo (Heitor Villa-Lobos), mas engana-se quem pensa que o tema é tratado ali como o é em geral: como sinônimo de atrasado ou subdesenvolvido.

Graças à tecnologia as barreiras entre urbano e rural estão cada vez mais diluídas. É claro que o chapéu de palha que a cantora usa na capa do disco, o jarro com flores em uma bancada na capa do encarte e bordados em suas páginas evocam um Brasil interiorano, remetendo a certo bucolismo, ou, como ela canta em Minha vida (Vieira/ Carreirinho): “eu trago na lembrança quando era criança/ morava na roça e gostava da troça/ do munjolo d’água, da casa de tábua” – a música é cerzida apenas pela sanfona de Toninho Ferragutti e pela viola caipira de Neymar Dias, craque do instrumento, com ele capaz de mais lances geniais que seu xará em campo.

O repertório de Caipira é afetivo. Estão lá grandes mestres da música caipira, a exemplo de Marco Antonio Vilalba, o Passoca (de quem ela regrava Sonora garoa, que encerra o disco, acompanhada apenas pelo piano de André Mehmari) e Zezinho da Viola (A velha), mas seu trunfo está em justamente não se prender a rótulos. É sublime, por exemplo, sua regravação para Bom dia, rara parceria de Nana Caymmi e Gilberto Gil. Ou para Água da minha sede (Dudu Nobre/ Roque Ferreira), em que Mônica Salmaso (voz, tambor, caxixi, palmas) é escoltada por Teco Cardoso (flautas e palmas), Nailor Proveta (clarinete), Neymar Dias (viola caipira) e Robertinho Silva (djembe, caxixi, ganzá, pandeiro e palmas).

A arregimentação é de uma sofisticação ímpar. Em Saíra (Sérgio Santos), a voz de Mônica Salmaso é emoldurada apenas pelo violão do compositor, em participação especial, e pelo piano de André Mehmari. Outra grata surpresa do disco é a regravação da trágica toada Feriado na roça, do sambista Cartola. Açude verde (Sérgio Santos/ Paulo César Pinheiro) é outro ponto alto do disco, inspirada declaração de amor: “O meu peito era o nordeste/ era de seca e peste/ era do coisa ruim/ mas o céu mudou de brilho/ chuva em pé de milho/ foi teu olho em mim/ engordurou o capim/ deu broto de alecrim”, começa a letra.

O sucessor do ótimo Corpo de baile (2014), com repertório inteiramente dedicado à parceria de Guinga e Paulo César Pinheiro, reaproxima Mônica Salmaso do Maranhão. Se a capa e encarte de Noites de gala, samba na rua (2007), seu disco dedicado ao cancioneiro de Chico Buarque, eram enfeitados por fotos da capital São Luís, neste novo disco aparece Alvoradinha, música da tradição oral das caixeiras do Divino do Maranhão.

Caipira é também o título de um álbum antológico de Rolando Boldrin, lançado em 1981, com diversos clássicos da música caipira. Apresentador de tevê e exímio contador de causos, ele é saudado no encarte como “convidado especialíssimo” em Saracura três potes (Candido Canela/ Téo Azevedo), que canta com Mônica Salmaso. Papa no assunto, abençoa seu enveredar pelo terreno. A música fala de uma ave comum em áreas alagadas do Brasil, mas se bem pensarmos, poderia mesmo estar falando da cantora: “seu canto tem a mistura/ de alegria e tristeza/ é flauta que Deus lhe deu/ pelas mãos da natureza/ à tardinha nos comove/ qual canto da Ave-maria/ muitas vezes nos encanta/ quando vem rompendo o dia”, diz trecho da letra.

*

Veja a cantora em Água da minha sede (Dudu Nobre/ Roque Ferreira):

Daqui pra todo ouvido

Daqui. Capa. Reprodução
Daqui. Capa. Reprodução

 

O mundo se encantou com a música brasileira com a explosão da bossa nova, em fins da década de 1950. Uma das mais sofisticadas do planeta, desde então a música popular brasileira, aquela que passa longe de modismos, conquista cada vez mais espaços, sem se importar com barreiras geográficas e linguísticas.

Setas apontam para todos os lados na capa do novo disco do grupo Pau Brasil, uma das mais longevas e destacadas formações instrumentais da música brasileira. Depois da audição de suas 10 faixas, o título pode soar óbvio – o que seria a única obviedade do trabalho: todos os compositores gravados são brasileiros, daí o Daqui [2015] do título.

Metade das faixas é de autoria de integrantes do quinteto. A outra metade reverencia nomes fundamentais para a música brasileira, revelando influências e um fio condutor.

O maestro pernambucano Moacir Santos (Agora eu sei) foi professor do violonista Baden Powell (Pai, em parceria com Paulo César Pinheiro, que abre o disco). Tom Jobim (Saudades do Brasil) é, digamos, herdeiro de Heitor Villa-Lobos (Bachianas brasileiras nº. 1 [Prelúdio/ Modinha] – a cujo repertório já haviam dedicado o disco Villa-Lobos Superstar (2012), com participação especial do quarteto de cordas Ensemble SP e do cantor Renato Braz. E aparecem ainda Ary Barroso e Lamartine Babo, autores de No rancho fundo, de longe a mais popular das citadas.

Junto às demais faixas, autorais – Pingue pongue (Paulo Bellinati), Sarapuindo (Teco Cardoso), Lá vem a tribo (Rodolfo Stroeter/ Paulo Bellinati), Agreste e Caixote (ambas de Nelson Ayres) –, sobressai o espírito de conjunto, com momentos de reafirmação de seus talentos individuais, os nomes dos integrantes do quinteto sempre espalhados em fichas técnicas de discos e shows de uma grande gama de artistas.

O Pau Brasil em foto de Gal Oppido
O Pau Brasil em foto de Gal Oppido

Ricardo Mosca (bateria), Teco Cardoso (saxofones e flautas), Paulo Bellinati (violão), Nelson Ayres (piano) e Rodolfo Stroeter (contrabaixo) – da esquerda para a direita no retrato; o último o único presente desde a formação original – são a atual formação (desde 2005) do Pau Brasil, fundado em 1982, tendo estreado em disco em 1983 num álbum intitulado simplesmente com o nome do grupo.

O nome Pau Brasil remete ao Manifesto da Poesia Pau Brasil, escrito por Oswald de Andrade, farol do movimento modernista – não à toa seu disco anterior, com a voz de Monica Salmaso (eram sua banda em Noites de gala, samba na rua, de 2007, inteiramente dedicado ao repertório de Chico Buarque) e a regência de John Neschling, chama-se Concerto antropofágico (2012).

Em Daqui sobram demonstrações de talento, versatilidade e capacidade de improvisação, num álbum que é, com pitadas jazzísticas, uma espécie de síntese da música (instrumental) brasileira. Como no poema de Olavo Bilac reproduzido no encarte: “E em nostalgias e paixões consistes,/ lasciva dor, beijo de três saudades,/ flor amorosa de três raças tristes”.

Veja/ouça o Pau Brasil em Caixote (Nelson Ayres):

Um show impecável

Iluminados. Fotosca: Zema Ribeiro
Iluminados. Fotosca: Zema Ribeiro

 

Há quem não entenda o fato de eu gostar de assistir a shows “repetidos”. Como se todo show fosse igual. Todo show é diferente, cada show é um show. Mesmo discos, há aqueles tão bons que não se consegue ouvir duas vezes, com novas nuances percebidas a cada audição. Mas deixemos de abobrinhas.

Antes de adentrar o Teatro Arthur Azevedo na última quarta-feira (10) eu já sabia que encontraria um Pau Brasil diferente do que eu havia visto e ouvido há mais ou menos sete anos. Por diversas razões, entre as quais destaco duas: o repertório diferente e o próprio amadurecimento musical de seus integrantes.

Se naquela ocasião eles acompanhavam Monica Salmaso nas músicas de Noites de gala, samba na rua, disco dedicado à obra de Chico Buarque, agora, sem o ornamento da voz da cantora, dedicavam-se a um repertório instrumental rico e variado. Tocaram temas autorais (Pingue-pongue, de Paulo Bellinati, Caixote de Nelson Ayres, entre outros), Heitor Villa-Lobos (Bachianas Brasileiras nº. 4 – Ária e Cantiga, com que abriram o espetáculo), Moacir Santos (Agora eu sei e Coisa nº. 10), Tom Jobim (Saudade do Brasil) e Baden Powell (Pai, com que encerraram o espetáculo, sem direito a bis).

O concerto do Pau Brasil encerrava um ciclo: a comemoração de seus 30 anos de carreira, cuja turnê percorreu cidades em Minas Gerais, Mato Grosso, Pará e Maranhão. Bem humorados, disseram da felicidade de voltar ao palco “dessa maravilha que vocês têm aqui”, o Arthur Azevedo, e anunciaram a viagem que farão em sequência, para a Noruega, onde gravarão disco novo.

O bom público presente ao teatro pode ouvir em primeira mão algumas músicas que estarão neste novo trabalho, entre elas Caixote, xote de Nelson Ayres cujo título confunde-se com o Caixote que reúne sua obra completa – sobre o que brincou o baixista –, exceto o mais recente Villa-Lobos Superstar, ótimo disco dedicado à obra de Heitor Villa-Lobos com as participações especiais do quarteto Ensemble SP e do sempre inspirado cantor Renato Braz.

Nelson Ayres (piano), Teco Cardoso (flauta e saxofones), Rodolfo Stroeter (contrabaixo), Ricardo Mosca (bateria) e Paulo Bellinati (violão) – da esquerda para direita na foto que ilustra este post – tanto na escolha quanto na execução das peças, mostraram ao público ludovicense por que são um dos grupos instrumentais mais interessantes do país que lhes empresta meio batismo.

Música Popular Pau Brasil

A música popular brasileira tornou-se uma sigla importante após os grandes festivais, tidos como sua era de ouro, nas décadas de 1960 e 1970. Nenhum país tem uma música popular tão interessante quanto o Brasil, justo pela sofisticação que carrega.

O que parece contraditório é o trunfo do longevo Pau Brasil, grupo que chega aos 30 anos neste 2014, cuja turnê comemorativa passa por São Luís nesta quarta (10), às 20h30, no Teatro Arthur Azevedo.

O quinteto formado por Nelson Ayres (piano), Paulo Bellinati (violão), Ricardo Mosca (bateria), Rodolfo Stroeter (contrabaixo) e Teco Cardoso (flauta e saxofones) é a perfeita tradução da ponte entre erudito e popular sem linhas de segregação que acabam por fazer da música o que temos de melhor.

Não é à toa que este grupo se chama Pau Brasil. A sequência é lógica e pode soar óbvia: desta árvore nativa extraiu-se o nome do país, da madeira vem a maioria dos instrumentos, deles a música, obtida a partir do virtuosismo destes gênios, de relevantes serviços prestados, em grupo ou sozinhos, aos ouvidos mais exigentes, ao longo destes agora devidamente celebrados 30 anos de carreira.

Noites de gala, samba na rua, de Monica Salmaso, é um destes casos, um bom exemplo: no disco da cantora, cujo repertório é inteiramente de Chico Buarque, o grupo fez a cama para que a cantora reinventasse o compositor, trazendo novidade e rara beleza ao que já parecia definitivo, as gravações já conhecidas de músicas que ela regravou. Particularmente lembro-me do show, no mesmo Arthur Azevedo, em que, num determinado momento, a cantora beijava Teco Cardoso, seu marido, celebrando o amor pela música, contaminando a plateia apaixonada – impossível manter-se impassível.

Quem não conhece o Pau Brasil certamente há de se apaixonar. O repertório longe do óbvio, além de composições dos membros do grupo, passeia por nomes como Ary Barroso, Baden Powell e, entre outros, Heitor Villa-Lobos, a cujo repertório é dedicado Villa-Lobos Superstar, seu mais recente disco, que lhe garantiu os troféus de melhor disco e melhor grupo instrumental no 24º. Prêmio da Música Brasileira. O disco conta com as participações especiais do quarteto Ensemble SP e do cantor Renato Braz. O show traz um breve panorama da história da música e dos ritmos brasileiros.

Também amanhã, às 18h, o Pau Brasil dialogará com o público interessado sobre a concepção musical e de arranjos, em interação com os presentes – músicos, professores e estudantes de música e público em geral. Tanto para a oficina quanto para o espetáculo as entradas são gratuitas, devendo ser retiradas na bilheteria do teatro a partir das 14h.