Partitura e sentimento

O Trítono Trio executará peças de Carlos Gomes e Julio Reis. Foto: divulgação

 

Mesmo que odeie A voz do Brasil, qualquer brasileiro certamente já ouviu sua vinheta de abertura, da ópera O Guarani, de Carlos Gomes [1836-1896], o mais destacado nome brasileiro do gênero. Por outro lado, o pianista Julio Reis [1863-1933] segue praticamente desconhecido.

Os dois compositores estão no programa do concerto que o Trítono Trio apresenta hoje (18), às 19h, de graça, no Teatro Alcione Nazareth (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho), na programação do projeto Sesc Partituras.

Carlos Gomes e Julio Reis já faziam parte das referências de Israel Dantas (violão), Robertinho Chinês (bandolim) e Rui Mário (sanfona). “Já conhecíamos esses compositores. Na verdade, tínhamos que escolher um repertório que combinasse com o trio e que tivesse uma formação parecida. Foi muito difícil encontrar uma música com a nossa formação, mas conseguimos encontrar uma forma para que o trio pudesse se encaixar, tocar de acordo com cada partitura que escolhemos. Vai haver uma dinâmica bem diferente, tipo violão e sanfona, bandolim solo e violão solo”, comentou o sanfoneiro ao blogue.

Em 2013 15 peças até então inéditas de Julio Reis foram registradas pelo pianista João Bittencourt no disco João Bittencourt apresenta Julio Reis, disponível para download gratuito no site que celebrou o sesquicentenário do compositor, com encarte fartamente “ilustrado” com a história de cada peça. Idyllio – Valsa, por exemplo, é dedicada ao escritor Coelho Neto [1864-1934], com quem era costumeiro frequentador de cafés como a Confeitaria Colombo. O maranhense “muito auxiliou Julio Reis em suas primeiras publicações de artigos em revistas do Rio de Janeiro”, como informa Roberto Bürgel, no encarte do disco, em texto sobre a citada faixa.

A atividade de crítico de Julio Reis talvez ajude a explicar, ao menos em parte, o esquecimento a que foi relegado. Era mordaz, e “em uma de suas crônicas, ao comentar a famosa sala de espera do Cinema Odeon [onde Nazareth tocava e à qual dedicou uma de suas mais conhecidas composições], Julio Reis elogiou a pequena orquestra do maestro Eduardo Andreozzi (1982-1979) e disse que sonhava com o dia em que os tangos e maxixes seriam banidos dos salões”, comenta Roberto Bürgel em texto sobre Cafageste [sic], que abre o disco. E continua: “no entanto, assim como Ernesto Nazareth [1863-1934] escrupulosamente evitava o termo “maxixe” em suas obras, mas cedia às suas tentações rítmicas, também Julio Reis acabou se rendendo ao tango brasileiro e compôs à la Nazareth”.

Rui Mário revela que o grupo ficou sabendo do Sesc Partituras através de amigos. “Fizemos uma pesquisa no site do Sesc, apresentamos uma proposta e nos colocamos à disposição. Depois de um tempo recebemos a notícia de que nossa proposta tinha passado e que iríamos participar. Ficamos muito felizes”, afirmou.

Sobre o repertório do concerto, com duração aproximada de uma hora, ele elogia a versatilidade dos compositores. “As músicas são bem interessantes, com um grau de complexidade altíssimo, uma linguagem com um amplo leque de possibilidades. As melodias nos trazem um pouco daquilo que os compositores estavam sentindo”, garante.

*

Confiram João Bittencourt em Passo miúdo [1913], Idyllio – Valsa [1895], Meu sonho [1900] e Cafageste [1918], todas de Julio Reis:

Cantos da jornada

O Ilumiara em apresentação no Sesc/DF. Foto: Rafael Carmona/ Sistema Fecomércio/DF
O Ilumiara em apresentação no Sesc/DF. Da esquerda para a direita: Leandro Cesar, Marcela Bertelli, Alexandre Gloor, Letícia Bertelli e Carlinhos Ferreira. Foto: Rafael Carmona/ Sistema Fecomércio/DF

 

Com mais ou menos um ano e meio de existência e um recém-lançado disco de estreia, o grupo Ilumiara abre a temporada maranhense do circuito Sesc Sonora Brasil 2015 em São Luís, hoje (12), às 19h, no Teatro Alcione Nazareth (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande), com entrada gratuita. O grupo se apresenta ainda em Caxias, dia 16 (quarta-feira), no mesmo horário, na Sala de Cultura Martinha Cruz (Sesc), também com entrada gratuita (veja programação completa ao final).

O grupo é formado por Alexandre Gloor (rabecas), Carlinhos Ferreira (percussão), Leandro Cesar (violão e marimba), Letícia Bertelli (voz) e Marcela Bertelli (voz), que conversou com o blogue.

“O Ilumiara surgiu como um grupo de pesquisa em música. Somos músicos, mas temos uma paixão muito grande pelas culturas populares, pela pesquisa. Já tínhamos, inclusive individualmente, um acervo grande de composições pesquisadas e a gente partiu desse trabalho, dessa pesquisa previamente realizada por cada um de nós”, revelou Marcela, sobre o processo de feitura de Ilumiara, o disco de estreia, e a participação no Sonora Brasil, cujo tema este ano é “Sonoros ofícios – cantos de trabalho”.

Ilumiara tem 12 faixas, que podem ser ouvidas no soundcloud do grupo. Entre os temas o Auto do fim de capina, Lavadeira, Toadas de remeiros, Canto do tropeiro, Machadeiros, Fiandeiras e Vissungo, com participação especial de Sérgio Pererê.

Além das pesquisas in loco dos próprios membros do grupo, seus integrantes levaram em conta o trabalho de importantes “desbravadores”, como Mário de Andrade [poeta, romancista, crítico literário e musicólogo], Oswaldo de Souza [compositor de obra fortemente influenciada por temas folclóricos] e Aires da Mata Machado Filho [filólogo pioneiro no registro de um dialeto crioulo falado por descendentes de escravos em Minas Gerais e vissungos – canto de trabalho exclusivamente utilizado por escravos mineradores de Diamantina].

Marcela também revelou a felicidade em integrar o projeto. “Participar do Sonora Brasil tem sido, desde o início, desde o convite, quando ele chegou, e até agora, mesmo circulando, de uma gratidão muito grande, de uma alegria imensa. Imagina, para um músico, poder circular o Brasil todo, 130 cidades, todo o território nacional, todos os estados do país. Isso para qualquer músico, apaixonado pelo Brasil, ligado à questão das culturas tradicionais do Brasil é de uma alegria gigante, uma alegria imensa”.

Com 18 anos, o Sonora Brasil é o maior projeto de circulação musical do país, tendo sido ampliado ao longo dos anos – quando o maranhense João Pedro Borges participou, ao lado do violonista gaúcho Daniel Wolff, em 2009, por exemplo, eram “apenas” 80 cidades. Aos poucos a ideia foi sendo abraçada pelas regionais do Sesc no Brasil. A cantora elogia a preocupação do Sesc com os temas eleitos a cada edição: “o Sonora não está preocupado com a divulgação do trabalho dos artistas. É uma proposta de divulgação de um repertório, de certo tipo de música, de certo repertório para formação de público, de ouvintes. O que eu acho mais interessante é que não é uma formação localizada, é uma formação cultural, mais ampla. Por isso que o Sonora sempre busca essa relação com os temas, a música informada. Isso, para nós, tem um valor imenso. Não estamos circulando com o objetivo de divulgar o Ilumiara, mas de contribuir com essa formação de plateia, essa formação de ouvintes. Por isso é um concerto muito conversado, a gente conversa com a plateia, o repertório não partiu de uma necessidade de divulgar especificamente os nossos instrumentos, a nossa voz, mas foi todo pensado com esse objetivo também de contribuir para a formação do público”, disse.

O nome do grupo é uma palavra forjada, lapidada por Ariano Suassuna, saudoso autor de O auto da compadecida, entre outros. “Já tem um tempo que ele fala essa palavra, “ilumiara”, a gente tomou emprestada dele, pedimos autorização dele para usar essa palavra como trabalho. Iara é altar, é lugar sagrado, ligado também à questão das águas, dos rios, Iara como altar de beira de rio”, revelou Marcela.

“A proposta do Ilumiara é muito lançar luz, ilumiar, iluminar uma expressão da música brasileira, uma expressão da cultura brasileira na música especificamente. A gente percebe que tem uma função de lançar luz sobre um universo que a gente entende como sagrado, que está num espaço que expressa uma condição humana, que tem uma amplitude maior que a música em si. Os cantos de trabalho expressam uma vasta cultura do homem. Ele canta para dar sentido a algo muito maior, a uma necessidade, a um desejo muito mais amplo do que simplesmente projetar a voz em canto. A função dos cantos é determinada por outros fatores muito mais amplos. Então ilumiar, essa expressão, revelar aquilo de sagrado que ela contem, por isso Ilumiara”, continua.

O Ilumiara se distingue dos outros três grupos que percorrem o país nesta edição do Sonora Brasil, “por sermos músicos, artistas que fazem uma interpretação a partir de arranjos mais elaborados, uma instrumentação específica”, explicou Marcela. O grupo também trabalha a construção dos instrumentos, com as marimbas de Leandro César, além de uma ronda, instrumento inventado por ele, e quase todos os instrumentos de percussão feitos por Carlinhos Ferreira.

Ela não poupou elogios às formações que completam o circuito com o Ilumiara. “É importante destacar o Sonora Brasil como mostra de um repertório. A gente está abrindo a mostra aqui em São Luís, mas logo depois de nós vêm os outros três grupos de tradição: As Quebradeiras de Coco Babaçu, aqui do Maranhão mesmo, inclusive, que fazem parte de um grupo muito mais amplo, mobilizado nos estados do Pará, do Piauí e do Tocantins, as trabalhadoras da cultura extrativista; também as Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, com o Mestre Nelson Rosa [mestre de coco de roda, patrimônio vivo do estado de Alagoas], um grupo maravilhoso, muito, muito bonito, muito criador do próprio canto; e As Cantadeiras do Sisal e mais dois aboiadores de Valente, na Bahia [Ailton Aboiador e Ailton Jr., pai e filho]. Eles carregam uma força, acho que muito maior que nós, pelo fato de serem grupos de tradição, serem grupos que realizam no cotidiano, a tarefa, o ato de cantar ligado àqueles ofícios que são expressos no canto deles”, revelou.

Sesc Sonora Brasil no Maranhão – Programação (sempre às 19h, entrada franca)

São Luís/MA, Teatro Alcione Nazareth (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande)

Grupo Ilumiara/MG, 12 de setembro
Destaladeiras de Fumo de Arapiraca/AL, 15
Cantadeiras de Sisal e Aboiadores de Valente/BA, 17
Quebradeiras de Coco Babaçu/MA, 19

Caxias/MA, Sala de Cultura Martinha Cruz (Sesc)

Cantadeiras de Sisal e Aboiadores de Valente/BA, 15 de setembro
Grupo Ilumiara/MG, 16
Quebradeiras de Coco Babaçu/MA, 17
Destaladeiras de Fumo de Arapiraca/AL, 19

Agenda Ilumiara

Setembro

14 Teresina/PI
18 São Lourenço da Mata/PE
19 Goiana/PE
21 Jaboatão do Guararapes/PE
22 Limoeiro/PE
23 Surubim/PE
25 Caruaru/PE
26 Belo Jardim/PE
27 Arco Verde/PE
28 Buíque/PE
29 Serra Talhada/PE

Outubro

1º Triunfo/PE
2 Araripina/PE
3 Carnaíba/PE
4 Bodocó/PE
5 Petrolina/PE
7 Fortaleza/CE
8 Sobral/CE
10 Iguatu/CE
11 Crato/CE
13 Juazeiro do Norte/CE
30 Gurupi/TO
31 Palmas/TO

Novembro

2 Barreiras/BA
4 Vitória da Conquista/BA
5 Jequié/BA
6 Santo Antônio de Jesus/BA
7 Feira de Santana/BA
9 Paulo Afonso/BA
11 Rio Branco/AC
13 Castanhal/PA
14 Belém/PA

Camille Claudel em São Luís

Espetáculo baseado na biografia da escultora francesa será encenado sexta e sábado no Teatro Alcione Nazareth

Ceronha Pontes incorpora Camille Claudel. Foto: Camila Sergio

 

A atriz Ceronha Pontes não apenas incorpora a personagem: por Camille Claudel [1864-1943] tem verdadeira devoção. Tanto que, ao se atrasar ao devolver as respostas à entrevista que lhe enviei através do bate-papo de uma rede social, ela desculpou-se: alegou “estar em falta com você e com Camille, que precisa e agradece o seu trabalho”, escreveu.

O pequeno atraso era perfeitamente compreensível: ela estava às vésperas de embarcar para a capital maranhense, onde já havia estado em 2010, com o Coletivo Angu de Teatro, ocasião em que encenaram Angu de Sangue [Ateliê Editorial, 2000], peça baseada no livro homônimo do conterrâneo Marcelino Freire.

Camille Claudel, a peça, tem duração de uma hora, “entre o asilo e o ateliê de Camille”, revelou-me. Em cena, 250 quilos de barro, além do público, com quem interage durante o espetáculo e após (no primeiro dia), quando debaterá os temas evocados no texto – arte e loucura –, com a participação de artistas, arte-terapeutas e psicanalistas.

A artista francesa que inspirou a dramaturga recifense deixou a família por amor à escultura. O pai incentivava a pequena Camille ao perceber o talento precoce da garota para a arte; a mãe se incomodava com o que julgava ser um gasto excessivo com a educação da filha. Irmã mais velha do diplomata, dramaturgo e poeta Paul Claudel, Camille foi aluna de Auguste Rodin – de quem se tornaria também amante –, com cujas esculturas as suas guardam semelhanças.

A conturbada relação com Rodin deixaria profundas marcas em Camille. De seus 79 anos, passou mais de 30 internada, sofrendo com um estranho amor-ódio que nutria pelo ex-amante, com quem chegou a romper em definitivo.

A vida da escultora foi levada duas vezes ao cinema: em Camille Claudel, 1915 [biografia, França, 2013, direção: Bruno Dumont, 95min.] foi interpretada por Juliette Binoche; antes, em 1988, foi interpretada por Isabelle Adjani em Camille Claudel, dirigido por Bruno Nuytten. O filme, baseado no livro de Reine-Marie Paris, tem Gérard Depardieu como Rodin.

Ceronha Pontes escreveu Camille Claudel e interpreta a fascinante personagem. A peça venceu o prêmio Miryam Muniz de Circulação da Funarte, em 2014, e será encenada em São Luís dias 28 e 29 de agosto (sexta e sábado), às 20h, no Teatro Alcione Nazareth (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande) – veja ficha técnica ao final do post. Os ingressos custam R$ 20,00 (R$ 10,00 para estudantes com carteira).

O blogue conversou com exclusividade com a dramaturga.

Zema Ribeiro – Quais as suas expectativas para a apresentação de Camille Claudel em São Luís?
Ceronha Pontes – Trabalho sempre pensando no melhor, desejando que os encontros sejam felizes, mas procuro não ficar ansiosa. Estive em São Luís em 2010, com o Coletivo Angu de Teatro. A peça era Angu de Sangue, do Marcelino Freire. Foi um contentamento aquela semana no Maranhão. Guardo com todo carinho uma apresentação na comunidade Anjo da Guarda, em que tivemos que abdicar de cenário, projeções e ainda fazer numa pequena arena uma peça concebida para um palco italiano. Entretanto, tivemos com aquele público um encontro tão verdadeiro e forte, que ficou em mim para sempre. São Luís é esta lembrança feliz. Espero que também minha Camille esteja plena e que a troca seja profunda e transformadora para todos que vamos estar na sala de espetáculo.

O que há de mais emblemático na personagem escolhida para dar nome e rumo ao espetáculo que traz você à capital maranhense?
Uma grande artista despojada de seu gênio. Fala-se muito da paixão entre ela e Rodin. É fato que foi uma relação intensa em sentidos vários e que certamente a afetou demais, mas não se trata apenas de uma mulher abandonada pelo seu amante. Isso não é pouco, eu sei, mas estamos falando de uma mulher que foi banida da sociedade porque era genial. Isso é gravíssimo. É sobretudo por isso que não pude me calar.

Você integra o coletivo Angu de Teatro, que já encenou Angu de Sangue, baseada no livro de Marcelino Freire, seu conterrâneo. Sua graduação em arte dramática, em 1991, no Ceará, se deu com Viúva, porém honesta, de Nelson Rodrigues. Agora Camille Claudel. É uma gama grande e diversa de autores e personagens. O que te instiga a buscar este ou aquele autor e personagem?
Você foi buscar aquela Viúva da formatura… Nossa! Uma farsa inesquecível esta do Nelson na minha vida. Foi um momento bem divertido. Tanta água rolou depois disso. Até que o Marcelino e o Coletivo Angu, que você pontua, rasgaram meu peito, desataram vários nós da minha garganta. Sem essa de bom mocismo, fique bem claro, a gente vai para cena com os textos do Marcelino é como cães mesmo. Cães em fúria e com ganas fazer arder as feridas todas de uma sociedade tão escrota. Isso com alegria e beleza, é claro. Ao menos é o que desejamos. Camille nasce da minha indignação. Calaram uma artista extraordinária. Acusaram-na de louca e a abandonaram num asilo até a morte. A mulher que esculpiu Sakuntala, As faladeiras, Sonho ao canto da lareira, A implorante [obras de Camille Claudel]… Ela foi silenciada. Como mulher e como artista não pude me conter. Acho importante falarmos sobre isso. Meu percurso não foi premeditado, claro. Simplesmente foi acontecendo até que eu me desse conta de que a indignação me move. A indignação e a devoção ao belo. Aí os encontros se dão. Com autores e outros tantos companheiros de ofício.

Parece que de Rodin e Camille para cá as coisas pouco mudaram, com o machismo ainda predominando em nossa sociedade, mulheres ganhando ainda menos que os homens para realizar o mesmo trabalho, e homens não aceitando ser superados por mulheres em determinados campos. Há esperança?
A esperança somos nós. Eu, você e mais um monte de gente espalhada pelo mundo. Gente que peleja com os talentos que tem por dias mais felizes para todos. Muitas mulheres são violentadas todos os dias, em todos os lugares e de muitas formas. Isso é muito grave. Minha próxima peça vai tratar disso. Esse ano passei uma temporada em Montevidéu investigando a vida e a obra de uma poetisa uruguaia chamada Delmira Agustini [1886-1914]. Ela escrevia poesia erótica no começo do século passado. Foi publicada, lida e aclamada, mas não escapou de ser assassina pelo marido aos 28 anos de idade em 1914. Quero muito, através da história de Delmira e de sua poesia, falar de outras tantas mulheres, propor outros caminhos. Também não me interessa essa disputa com os homens. Não entendo essa dificuldade com as diferenças. Intolerância adoece e mata. Quero outra coisa. Que fique claro que, apesar de me atraírem os temas espinhosos, faço minha arte com absoluta alegria e compromisso com o belo.

Na peça você entrega cartas, com textos copiados das cartas reais da personagem. A interação de palco e plateia, no teatro, em geral se dá mais em espetáculos de veia cômica. É possível medir o grau de envolvimento e emoção do público por onde Camille Claudel, a peça, tem passado?
Não, isso não tem medida. Só sei dizer que já vivi momentos bem emocionantes nessa interação com o público. Muito emocionantes. Mas o teatro tem esse lance maravilhoso de acontecer na hora da vida, né? E a vida costuma surpreender. De modo que nunca espero repetir uma emoção. Concentro-me em fazer o que tenho que fazer, me mantendo aberta e humilde diante do inusitado.

Serviço

O quê: Camille Claudel
Quem: Ceronha Pontes (Recife-PE)
Quando: 28 e 29 de agosto, às 20h
Onde: Teatro Alcione Nazareth (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande)
Quanto: R$ 20,00 (meia-entrada: R$ 10,00).

Ficha técnica

Gênero: drama (classificação indicativa: 16 anos) | Dramaturgia, direção e atuação: Ceronha Pontes | Concepção de cenário: Yuri Yamamoto | Confecção de cenário: Yuri Yamamoto, Ceronha Pontes, Gustavo Araújo e Sr. Isaque. | Concepção de iluminação: Walter Façanha | Operação de luz: Sávio Uchôa | Sonoplastia: Ceronha Pontes | Operação de som: Tadeu Gondim | Figurino: Ceronha Pontes | Orientação: Marcondes Lima | Confecção de figurino: Maria Lima e Antônia Castro | Coordenação de produção: Tadeu Gondim e Ceronha Pontes. | Produção local – São Luís: Carol Aragão | Assistência de produção e assessoria de imprensa – São Luís: Ana Lúcia Lopes | Realização: MC Apoio | Incentivo: Funarte e Governo Federal, através do Prêmio Miryam Muniz de Circulação 2014 | Apoio: Teatro Alcione Nazareth, Pousada Portas da Amazônia, Pizza Club e Máximo Locação e Turismo

Jards no Maranhão na Tela

Jards, documentário musical de Eryk Rocha, sim, o filho do homem, será exibido amanhã (28), às 22h, no Cine Praia Grande, e quinta (30), às 18h, no Teatro Alcione Nazareth, ambos no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Ambas as sessões são gratuitas, devendo os interessados retirar os ingressos nas bilheterias com uma hora de antecedência das exibições.