Obituário: Laurentino Sacramento

Foto: Fran Gomes
Foto: Frame de vídeo/ Fran Gomes no Facebook/ Reprodução

Fundador do Lelê de São Simão – povoado de Rosário/MA –, Laurentino Sacramento faleceu por volta de meio dia de ontem (10), aos 81 anos, e foi sepultado na manhã de hoje (11). Sofria de Mal de Parkinson e estava com os órgãos vitais bastante comprometidos, inclusive há muito andava encurvado, em decorrência de problemas na coluna vertebral.

Discípulo do mestre, o violonista Fran Gomes, que ao longo dos últimos 14 anos acompanhou-o nas apresentações da dança, lamentou a perda em uma rede social: “A cultura de Rosário/MA acaba de perder um grande baluarte. [Laurentino] Era uma figura simples, como tinha que ser, amante da cultura popular. Descanse em paz, mestre, cantador, paizão”.

Sua subida é uma perda irreparável para a cultura popular do Maranhão. Mestre de uma dança singular, Louro, como era conhecido entre os mais íntimos, tinha a mesma estatura artística de uma Elza (da dança do Caroço de Tutóia), de uma Teté (do Cacuriá a que deu nome), de um Felipe (do Tambor de Crioula a que deu nome), de um Donato Alves (do bumba meu boi de Axixá), para ficarmos em uns poucos exemplos de mestres saudosos e fundamentais.

*

Em tempo: lamentável a cobertura zero dispensada à perda pelos meios de comunicação maranhense. Fui alcançado pela notícia ruim ontem à noite, no aeroporto de Brasília/DF, via tuiter. Obrigado, Raydenisson Sá e Fran Gomes!

Péla na tela

Cineasta, professor universitário e fotógrafo, Murilo Santos está hoje em Rosário, mais precisamente no povoado São Simão, palco original da dança do lelê, também conhecida como péla-porco. Hoje (7) à noite, durante os festejos de Nossa Senhora da Conceição, ele exibe um documentário que realizou ainda na década de 1970 sobre a citada manifestação cultural.

Às próprias custas s. a., como diria Itamar Assumpção, Murilo Santos tem feito um trabalho importante de devolução de suas obras (filmes e fotografias) às comunidades que lhe serviram de cenário. Exemplo recente é A festa de Santa Tereza, exibido em Itamatatiua, comunidade alcantarense que lhe serve de palco (à festa e ao filme, que teve trechos usados em No fiel da balança, de Francisco Colombo).

Documentário permaneceu inédito por 35 anos

O doc, de 1976, integrou a pesquisa A dança do lelê na cidade de Rosário, no Maranhão, projeto coordenado pelo antropólogo Sérgio Ferretti. Junto dele, também participaram dos trabalhos a pesquisadora Joila Moraes e o poeta Valdelino Cécio, à época do Departamento de Assuntos Culturais da Fundação Cultural do Maranhão.

Em algumas viagens ao povoado rosariense, a pesquisa foi acompanhada pelo folclorista Domingos Vieira Filho, então presidente da Fundação Cultural do Maranhão – em algumas fotos, ele aparece realizando pesquisa de campo. Os resultados do importante trabalho viraram livro em 1977, com fotografias de Murilo Santos – ele era fotógrafo da trupe e aproveitou as ocasiões para filmar, por conta própria. No ano seguinte a Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, da Fundação Nacional de Arte (Funarte) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), realizou uma nova publicação da pesquisa, na série Cadernos de Folclore, nº. 22.

No filme, um curta-metragem de 12 minutos, rodado em película 16mm, Domingos Vieira Filho aparece rapidamente – é sua única imagem filmada.

Nesta sexta-feira (9), às 19h30min, Murilo Santos exibe este documentário e, após, (de)bate papo com os presentes ao Papoético, evento semanal capitaneado pelo poeta e jornalista Paulo Melo Sousa, o Paulão, que já conta um ano de atividades ininterruptas.

O Papoético acontece no Chico Discos (Rua 13 de Maio, 389, esquina com Rua dos Afogados, sobre o Banco Bonsucesso). A entrada é gratuita.