Errata

Anunciei aqui o show que Leo Capiba, o elegante e sorridente sambista cuja foto abre este post, fará nesta quinta-feira, 27 de setembro, no Barulhinho Bom, Lagoa. A produção alertou-me de alguns erros na imagem que colei para ilustrar o citado anúncio, passados despercebidos pela pressa (de um eu mesmo havia alertado a produção, que o corrigiu imediatamente).

Samba de bamba é o nome do show, cuja data correta é a acima (e não 27 de outubro, como mostrava a arte). No mais não retiro uma vírgula sobre o talento e o carisma de Leo Capiba.

O serviço: Samba de bamba, show de Leo Capiba > Bar Barulhinho Bom (Rua do Maçarico, Lagoa da Jansen) > Quinta-feira (27 de setembro), a partir das 21h. > Entrada: R$ 15,00 > Realização: Satchmo Produções > Maiores informações: (98) 9618-6643 e/ou 8716-3850.

Ótima pedida!

Faz tempo que não vejouço Leo Capiba, cearense do Crato há tempos radicado no Maranhão, cujo sobrenome artístico pegou emprestado do mestre do frevo. Como bem lembrou e lamentou a leitoramigatenta Natália Macedo, no Facebook, onde antes compartilhei a imagem abaixo, saudades do Chico Canhoto (o bar e seu proprietário), saudades do Clube do Choro Recebe, onde vez por outra era possível verouvir Capiba em ação.

Quem ou/viu lembra: são nada menos que antológicas suas interpretações para Espelho (Paulo César Pinheiro/ João Nogueira), Orora analfabeta (Gordurinha/ Nascimento Gomes) e Chiclete com banana (Almira Castilho/ Gordurinha), para citar apenas três das sempre pedidas pelo público, a última com direito a pegada samba-rock e uma gingadança ímpar.

Leo Capiba é ainda exímio pandeirista. Se o seu pandeiro não se faz presente em todas as músicas, o sorriso sim: largo e sincero, a traduzir a alegria de estar no palco. Pra quem tem saudades ou quer conhecer a dica é Bamba de samba, show que ele apresenta esta quinta no Barulhinho Bom (Lagoa da Jansen, detalhes na imagem abaixo). Não faltarão pandeiro, dança, voz, sorriso e boa música.

O “príncipe do samba” subiu

“Descendo o morro” (1958)…

Em 1958 quando o Brasil inventava a Bossa Nova, Roberto Silva estava Descendo o morro, disco de capa e conteúdo bonitos, que mereceria um segundo volume, idem, no ano seguinte.

… e seu volume dois, do ano seguinte.

Nestes dois discos estão gravações antológicas de sucessos obrigatórios em qualquer roda de samba ou discografia de música brasileira: no primeiro Juracy (Antônio Almeida/ Ciro de Sousa), Pisei num despacho (Elpídio Viana/ Geraldo Pereira), Ai, que saudade da Amélia (Ataulfo Alves/ Mário Lago), Falsa baiana (Geraldo Pereira) e A voz do morro (Zé Ketti), entre outras; no segundo Se acaso você chegasse (Felisberto Martins/ Lupicínio Rodrigues), Você está sumindo (Geraldo Pereira/ Jorge de Castro), Escurinho (Geraldo Pereira), Rugas (Ary Monteiro/ Augusto Garcez/ Nelson Cavaquinho) e, entre outras, Maria Tereza (Altamiro Carrilho). Verdadeiras antologias do samba popular brasileiro.

Este par de discos e uma vida inteira dedicada ao gênero valeram-lhe o epíteto de “príncipe do samba”. Assim foi reconhecido e por estas e outras merece todas as homenagens: Roberto Silva faleceu aos 92 anos, na madrugada de ontem. O cantor lutava há seis meses contra um câncer na próstata e quarta-feira passada foi vitimado por um AVC. Lúcido, pediu para voltar para casa, onde morreu na companhia de familiares.

Faleceu na ativa, tendo ido reencontrar-se com esta turma boa que gravou. Um dia desceu o morro, ontem subiu ao céu: o panteão dos que carregam a bandeira do samba, ilustres ou anônimos, com ou sem títulos de nobreza.

Subiu o sambista Valdinar

Faleceu nesta madrugada, aos 48 anos, em decorrência de complicações pulmonares, o sambista Valdinar (foto), do Sindicato de Valdinar.

“São Luís, o Maranhão, enfim, o samba perdeu um grande bamba, sambista este que foi muito importante e que contribuiu de uma maneira incansável para que o movimento do samba chegasse a este patamar, a um nível de valorização que antes não havia, pois Valdinar era do tempo do samba sem grana e sem glória, um dos que resistiu e lutou até seus últimos dias pela bandeira do samba”, declarou o grupo Sindicato do Samba em seu perfil no Facebook, por onde nos alcançou a notícia do falecimento, via Joel Jacinto.

Também na rede social, Leandro Rodrigues afirmou que Valdinar será “eternamente querido pelo público sambista da Ilha”.

O corpo de Valdinar está sendo velado na rua Dagmar Desterro, 453, Bairro de Fátima. O sepultamento acontece amanhã, às 10h, no cemitério J. Câmara, na Estrada de Ribamar.

Mais três grandes discos de 2011 para você baixar em 2012

Mas não espere tanto e baixe agora!, os três disponíveis nos sites de seus autores; ao longo do post há outros, não (só) do ano passado

Passo TortoRômulo Fróes é um pensador da música contemporânea. Cantor e compositor de indiscutível talento, com excelentes discos no currículo – Calado (2004), Cão (2006), o duplo No chão sem o chão (2009) e Um labirinto em cada pé (2011) –, é, além de tudo, das poucas figuras que se dispõem a pensar a música contemporânea. Digo, entre os que estão produzindo música contemporânea.

Mas Passo Torto não é um disco de Rômulo Fróes, que tem o talento somado aos de Kiko Dinucci, Rodrigo Campos (do ótimo São Mateus não é um lugar assim tão longe, de 2009) e Marcelo Cabral. O último é contrabaixista e produtor, os outros três, compositores. O grande lance da experiência é que aqui eles compõem juntos. É uma tradução de experiências anteriores, em que uns tocam no disco do outro, outros participam do show de um etc. Referência comum aos trabalhos-solo dos moços: o samba. Mas dizer que se trata de um disco de samba seria diminuí-lo. É samba, do bom, mas é bem mais que isso.

Serafim – Conheci o mineiro Sérgio Pererê, cantor, compositor e multiinstrumentista, através de sua conterrânea Ceumar, sua Onde qué, gravada em Sempreviva! (2003). Depois ele participaria de Meu nome (2009), disco dela, todo autoral, gravado ao vivo, antes de mudar-se para a Holanda: Pererê canta em Gira de meninos, parceria dos dois, já gravada por Rubi (Paisagem humana, 2008).

De seu disco novo, a primeira música que ouvi foi o samba Brilho perfeito: “Creio em seu amor e é por isso/ que conheço as curvas da estrada/ nunca me atirei num precipício/ e nem me perdi na encruzilhada”, entre as 16 a minha predileta.

Em seu site, o ouvinte pode escolher quanto quer – se quer – pagar pelo disco e ainda como quer – se quer – o encarte, se colorido ou p&b.

SetembroJunio Barreto demorou sete anos entre o bom disco de estreia e este ainda melhor. Nesse meio tempo, o “Caymmi de Caruaru”, como é chamado, foi gravado por nomes como Gal Costa, Lenine, Maria Rita, Roberta Sá e Rubi, entre outros, embora seja ainda um quase completo desconhecido, para muitos.

Muitos que certamente lembram de versos como “vim, vim, vim/ eu vim, oi/ atendi teu pedido e vim”, de O pedido (Junio Barreto e Jam Silva), que abre o belo Que belo estranho dia pra se ter alegria (2009), de Roberta Sá. Ou de Santana, gravada por Junio Barreto em sua estreia (2004) e regravada por Gal Costa (Ao vivo, 2006), Lenine (Acústico MTV, 2007), Rubi (Paisagem humana, 2008) e Maria Rita (Elo, 2011): “A santa de Santana chorou sangue/ chorou sangue/ chorou sangue e era tinta vermelha/ a nossa santa padroeira chorou sangue”.

Ao contrário da personagem de sua música mais gravada, você, como o blogueiro, certamente vai rir de alegria ao ouvir Setembro. Mas não espere o mês-título chegar: como os outros recomendados neste post, é disco pra se ouvir o ano inteiro, começando por agora.

“O micróbio do samba” e a pulga tirada de detrás da orelha do blogueiro

[Este texto (resenha? Crítica?) é dedicado a Alberto Jr., André Sales e Reuben da Cunha Rocha, que me instigaram a ouvir mais e melhor o disco novo de Adriana Calcanhotto, em provocações via tuiter, blogue e messenger. E a Silvério Pessoa, que em 2002 lançou O micróbio do frevo, por sua vez dedicado ao genial Jackson do Pandeiro, cuja obra foi ali regravada.]

O micróbio do samba [Minha Música/Sony Music, 2011, R$ 24,90 em média], novo trabalho de Adriana Calcanhotto, como o título entrega completamente dedicado ao gênero de Noel Rosa e Cartola, para citar apenas dois de uma constelação de craques, é um dos mais instigantes discos recentemente lançados nesse Brasilzão de meu Deus.

Não é um disco fácil, daqueles pelos quais você se apaixona à primeira audição. A primeira sensação, surgida antes mesmo de ouvi-lo, é de ansiedade: a gaúcha demora a lançar discos, quiçá maturando-os, e qualquer anúncio de disco da autora de Esquadros causa rebuliço, seja voltado ao público infantil, seja inteiramente dedicado ao samba.

Você ouve falar ou lê um texto sobre e fica naquela, enorme vontade de ouvir logo o tal disco, no rádio, baixando na internet, pegando emprestado ou comprando – este escriba baixou, teve sua relação de amor e ódio, não necessariamente nessa ordem, depois comprou o original. Como um remédio controlado – embora O micróbio do samba não careça de receita –, várias doses diárias.

Adriana Calcanhotto é artista completa: compõe bem, canta idem, toca violão ibidem. Admirador de seu trabalho desde Enguiço, a estreia de 1990 – quando o blogueiro era então apenas um menino –, disco que trazia uma regravação de Disseram que voltei americanizada (Luiz Peixoto e Vicente Paiva) e Naquela estação (parceria inusitada de Caetano Veloso, Ronaldo Bastos e João Donato), e lhe garantiu comparações à Elis Regina, e apreciador de samba desde sempre, a receita só podia ser infalível.

Se “se faz samba com pandeiro/ com cavaco e cuíca/ com retinta, tamborim e violão/ entra o surdo, reco-reco/ o afoxé e o apito/ os sambistas, as cabrochas e animação”, como receitava o sábio e saudoso Mestre Antonio Vieira (1920-2009) em Ingredientes do samba, Calcanhotto bota pra quebrar – literalmente – e causa-me a primeira estranheza: um disco de samba quase sem instrumentos/ingredientes de samba.

Aparecem aqui e acolá um cavaquinho (Davi Moraes em Tão chic, a faixa “mais samba” do disco – não por acaso uma de minhas prediletas), um violão (a própria Adriana ao longo do disco, novamente Davi Moraes em Deixa, gueixa), uma cuíca (a própria Adriana em Vai saber?), um prato e faca (Moreno Veloso em Você disse não lembrar); mas predominam o contrabaixo de Alberto Continentino e bateria e percussão de Domenico Lancellotti – Calcanhotto ainda empunha, além de voz, violão, e da já citada cuíca, piano, guitarra, caixa de fósforos e bandeja de chá. Outros convidados são Rodrigo Amarante (guitarra em Já reparô?) e Nando Duarte (violão em Deixa, gueixa).

Dedicada a Marisa Monte, Beijo sem, já havia sido gravada por Teresa Cristina em Melhor assim (2010); a que recebe a homenagem, em Universo ao meu redor (2006), havia gravado Vai saber?, em O micróbio do samba dedicada a Mart’nália. Ouvi-las com pressa nos induz a crer que as gravações das intérpretes de Calcanhotto são melhores; (re-)ouvi-las com atenção nos faz percebê-las apenas diferentes. Se as gravações da autora soam mais “secas”, aplaudamos o “charme da compositora” – talvez aquilo que nos faz adorar gravações de músicas de, por exemplo, Nelson Cavaquinho e Lupicínio Rodrigues em suas próprias vozes.

Adriana Calcanhotto assina todas as faixas do disco, Vem ver em parceria com o lendário Dadi (baixista d’A Cor do Som). Outro grande trunfo deste belo disco é tirar as mulheres dos papeis subservientes a que desde sempre estiveram relegadas no universo em geral machista do samba, Ai, que saudade da Amélia (Mário Lago e Ataulfo Alves) e Amor de malandro (Francisco Alves e Ismael Silva) talvez os exemplos mais emblemáticos. As letras de O micróbio do samba dão voz e vez às mulheres, talvez até demais. Alguns marmanjos certamente não gostariam de ouvir versos como “te deixo a geladeira cheia e sem promessa/ que findo o carnaval eu tô de volta/ não chora, neguinho, não chora/ o meu coração é verde e rosa/ (…)/ tá na minha hora” (Tá na minha hora) nas bocas das suas meninas.