Alvíssaras! Ricarte Almeida Santos inaugura novo projeto musical

Rico Choro Com Vida terá primeira edição dia 1º. de agosto, no Barulhinho Bom

Arte: Nuna Neto
Arte: Nuna Neto

 

Talvez o Clube do Choro Recebe tenha sido o mais longevo projeto musical já realizado em São Luís/MA, em seus moldes. Os encontros musicais semanais realizados no Bar e Restaurante Chico Canhoto, na Cohama, com rápidas passagens pela Pousada Portas da Amazônia/ La Pizzeria (Praia Grande) e Associação do Pessoal da Caixa (APCEF, Calhau), eram feitos com baixo orçamento, e muito do que aconteceu em aproximadamente três anos, entre 2007 e 2010, tempo de duração do citado projeto, foi fruto das doações de alguns.

E não se fala aqui só em dinheiro. Fatores como tempo, energia, amor e carinho também se somaram para seu êxito – coisas que não têm preço, nem figuram em comerciais de cartões de crédito. Equipamento de som, cachês de músicos, produção e assessoria, embora pequenos, eram garantidos por pequenos patrocínios, além do apurado com a bilheteria da casa, sempre praticando preços populares.

Tive a honra, o prazer e o privilégio de, à época, ser assessor de comunicação do exitoso projeto – até hoje, vez por outra, ouço a indagação: “quando é que o Clube do Choro vai voltar?”. A abreviatura do nome do projeto na pergunta se justifica pela estreita relação, à época, do produtor Ricarte Almeida Santos com o Clube do Choro do Maranhão, apesar de o Clube do Choro Recebe ser bastante identificado como algo do apresentador do Chorinhos e Chorões na Rádio Universidade FM (106,9MHz) – e não agiam errados os que cometiam esta personificação.

Idealizador do projeto a partir de uma visita do músico mineiro Paulinho Pedra Azul à Ilha, em 2007, era Ricarte Almeida Santos o responsável por articular grupos e artistas convidados para os saraus semanais que viraram sinônimo de música de qualidade em São Luís, já que o formato pensado, proposto e realizado, embora privilegiasse o choro, não se fechou ao gênero, abrindo diálogos bastante interessantes e importantes, sobretudo com os ritmos da – e com os artistas que a fazem – cultura popular do Maranhão. Também era ele que corria em busca de patrocínios, que “perturbava” os músicos para garantir os ensaios que se traduziam em intimidade musical entre grupos e convidados no palco, além de ser o mestre de cerimônias que, sábado após sábado, apresentava grupos e artistas e outras informações pertinentes, já que – e isso também merece destaque – o Clube do Choro Recebe cumpriu uma função pedagógica. E se houvesse outras tarefas, certamente seriam desempenhadas com o mesmo capricho e zelo.

Não é raro também encontrar entre os que tenham passado pelo projeto, em seu palco ou plateia, os que elogiem a atenção do público presente à música, principal atração das noites daqueles sábados. “As pessoas iam ali para ouvir música”, costumam afirmar, em oposição a lugares em que a música é apenas um detalhe, quando o que importa para as pessoas é tocar sua própria percussão, batendo talheres em pratos ou estalando selfies (praga menos avassaladora naqueles idos).

O fato é que, passados três anos, com a inexistência de apoio dos poderes públicos e os escassos patrocínios da iniciativa privada, o projeto teve que ter um fim decretado, deixando muitos órfãos, incluindo o produtor e este que vos perturba.

Três anos depois, em março de 2013, iniciamos, os irmãos Almeida Santos, Ricarte e Rivanio, este responsável pelas fotografias, e este que lhes toma o tempo com estas mal traçadas, a série Chorografia do Maranhão, publicada quinzenalmente aos domingos (com raras falhas na periodicidade) no jornal O Imparcial, que gratuitamente nos cedeu duas páginas de seu caderno Impar e recebeu, também gratuitamente, por mais de dois anos, até aqui, 52 entrevistas com instrumentistas de choro nascidos ou radicados no Maranhão.

A Chorografia do Maranhão contempla um panorama único e inédito, constituindo-se na maior série de entrevistas já publicada por um jornal no Maranhão – apesar da pausa, seu trio de realizadores não deu ainda o trabalho por encerrado, por entender que algumas figuras fundamentais para a história e o desenvolvimento do choro no estado ainda estão de fora.

Por outro lado, somado o entusiasmo do escritor e editor Bruno Azevêdo e de sua Pitomba! Livros e Discos, já está sendo trabalhado o lançamento do material em livro – oxalá que na próxima Feira do Livro de São Luís (Felis) – para o que estamos correndo atrás de patrocínio.

Mas as coisas não param por aí. Ainda bem!

Durante um show do compositor Cesar Teixeira – com participações especiais de Flávia Bittencourt e Célia Maria – no Bar do Léo, no último sábado (4), e em seu programa, ontem (5), Ricarte Almeida Santos anunciou: dia 1º. de agosto, ele inaugura o projeto Rico Choro Com Vida, que acontecerá aos sábados, uma vez por mês, no Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande), sempre das 18h às 21h.

O projeto manterá o formato do Clube do Choro Recebe: um grupo apresenta repertório instrumental por uma hora, recebendo depois um convidado. Na sequência, palco livre para as tão charmosas canjas. Para a primeira edição, o embaixador do choro no Maranhão anunciou o nome do cantor Cláudio Lima, que será acompanhado por Luiz Cláudio (percussão), Luiz Jr. (violões de seis e sete cordas, guitarra e viola), Robertinho Chinês (cavaquinho e bandolim) e Rui Mário (sanfona), o mesmo quarteto que acompanhou Cesar Teixeira no show de sábado. A formação é quase o Quartetaço (que tinha o flautista João Neto em vez de Robertinho Chinês), que batizado por Aço, de Bruno Batista, foi formado justamente para acompanhá-lo quando de uma apresentação no Clube do Choro Recebe, e engendrava o Choro Pungado, quinteto que acabou reunindo todos eles ao redor da fogueira do fazer choro, mesclando o gênero a tudo o que se possa imaginar em termos de ritmos da cultura popular do Maranhão, certamente uma das maiores invenções daquele projeto – infelizmente, de existência ainda mais meteórica que o próprio.

Os ingressos custarão R$ 20,00 e poderão ser adquiridos no local. Ao novo ciclo que se inicia, desejamos vida longa: Rico Choro Com Vida, Rico Choro Com Vida longa!

Maranhão na Tela e CineraMA fomentam realização cinematográfica no estado

[Essa saiu no Vias de Fato de fevereiro, já nas bancas. O Maranhão na Tela já acabou e as inscrições para o CineraMA, idem; segue até amanhã, na Sala Impar, dO Imparcial, a mostra Anim!arte]

Vias de Fato conversou com Mavi Simão, idealizadora e produtora das duas iniciativas

Divulgação

Idealizado e realizado desde 2007 pela cineasta Mavi Simão (foto), através de sua produtora, a Mil Ciclos, o festival Maranhão na Tela acontece entre os próximos dias 22 e 31 de janeiro. Além de sessões de exibição e mostras temáticas, a programação inclui oficinas e cursos e pode ser conferida no site do festival.

Incansável, Mavi se vê às voltas também com a realização do projeto CineraMA, que está com um concurso de argumentos aberto até o próximo dia 30 de janeiro – 10 argumentos serão selecionados, os cinco melhores recebem premiação em dinheiro e todos serão trabalhados para virar roteiro e, posteriormente, ainda em 2015, filmes curtas-metragens.

Mavi Simão formou-se em Cinema após abandonar os cursos de Educação Artística e Jornalismo, embora tenha atuado no último, bem como em publicidade e televisão. Em mais de 20 anos de carreira foi apresentadora, roteirista, produtora, editora, locutora e o que mais pintasse. Seu único emprego formal foi como Coordenadora de Núcleo no Canal Futura (RJ), onde era responsável pela gestão criativa e executiva de programas de TV em diversos formatos. Desde 2006 trabalha exclusivamente com cinema.

Idealizadora e produtora das duas empreitadas, ela conversou com o Vias de Fato sobre o Maranhão na Tela e o projeto CineraMA, iniciativas, que movimentam o cenário cinematográfico do Maranhão.

Vias de Fato – Em sua sétima edição, como você avalia, hoje, a importância do Maranhão na Tela?

Mavi Simão – O Maranhão na Tela tem foco no fomento a produção e é isso que diferencia o festival, que tem se consolidado mais a cada edição. Como não temos uma faculdade de cinema em São Luís, ou escolas que ofereçam cursos de extensão, a maratona de capacitação que realizamos é sempre muito aguardada e acredito que seja nessa atividade de capacitação que resida a importância do festival.

Que destaques você aponta nesta edição do Festival? Esse ano reestruturamos a curadoria, antes quase toda composta por filmes convidados. Com a criação de uma mostra competitiva exclusiva para filmes maranhenses, a produção local passar a ser nosso grande destaque. Esse ano também passamos a convidar somente longas-metragens inéditos e com excelente carreira nos festivais de 2014. Completando o “museu de grandes novidades”, estamos trazendo o Festival Anim!arte (Festival Internacional de Animação Estudantil) na íntegra. São 330 animações do mundo inteiro!

O Maranhão na Tela sempre se preocupou, para além das sessões de exibição, em mostras competitivas ou não, com a questão da formação. Que avanços podem ser percebidos ao longo dos anos? Ou ainda estamos engatinhando? Na capacitação em cinema ainda somos muito carentes, daí a grande procura quando são oferecidos cursos na área, não só no Maranhão na Tela, como nos demais festivais realizados em São Luís.

Outro projeto desenvolvido por você atualmente é o CineraMA, cujas inscrições estão abertas até o fim de janeiro. O que é o projeto e quais os seus objetivos? O CineraMA é um projeto de realização de curtas-metragens que visa fomentar o surgimentos de novos roteiristas.

O CineraMA, além de um concurso de argumentos, a transformação dos argumentos selecionados em roteiros e a realização de 10 curtas-metragens ao longo de 2015, também trará diversas festas temáticas ao longo do processo, a primeira realizada em dezembro passado, no Chico Discos. Comente um pouco mais a ideia. As festas são uma forma de envolver as pessoas no projeto, mesmo que não diretamente. Como todo processo de realização dos filmes levará quase um ano, a ideia é poder socializar o que está acontecendo ao final de cada grande etapa.

De que modo CineraMA e Maranhão na tela dialogam entre si, além de ter a mesma produção/idealização? Os dois projetos dialogam na questão do fomento, mesmo que cada um tenha um foco, os dois visam contribuir para o desenvolvimento do cinema maranhense.

Você acredita que ter cursado Cinema fora do Maranhão te dá algum diferencial? Se sim, quais? Sim acredito. Pra mim fez toda diferença, me deu uma visão do todo, me permitiu ver como a prática e a teoria cinematográfica se relacionam. Isso sem falar do contato com os professores e profissionais que me deram aula. Já trouxe vários deles pra cá e sei que são bons professores. Eu tenho a possibilidade de pensar meus projetos com muito mais consistência, graças e essa formação em Cinema.

Quais as maiores dificuldades, hoje, a quem quer realizar cinema no Maranhão? E em que medida projetos como estes, idealizados e desenvolvidos por você, têm ajudado a superar estas dificuldades? A grande dificuldade, não só daqui, é viabilizar os projetos. E aqui ainda existe a dificuldade de formatar o projeto e enquadrar em leis de incentivo. É muito difícil fazer cinema sem ser através das políticas públicas de incentivo. Nesse sentido, colaboramos através dos cursos que oferecemos nessa área.

Teatro da Cidade será palco de curso sobre produção de shows

Divulgação

No próximo dia 23 de maio, o Teatro da Cidade de São Luís (antigo Cine Roxy) recebe o curso Como organizar um show, ministrado pelo professor Alexandre Barreto, com larga experiência em produção de eventos, incluindo festivais e espetáculos nacionais e internacionais, além da assessoria de artistas.

Ótima oportunidade para quem quer se arriscar ou se aprimorar no assunto. Como jornalista, atuando na cobertura cultural ou como assessor de comunicação de artistas e/ou eventos, ao longo dos anos, tenho percebido certa deficiência em produções locais. Exceções há, não se pode negar, mas não é raro ouvir artistas se queixando de problemas estruturais os mais diversos, da falta de profissionalismo de alguns produtores e prestadores de serviço. Sem falar na falta de sensibilidade da iniciativa privada e dos poderes públicos do Maranhão. Como organizar um show pode ser um passo importante na superação de alguns dos desafios impostos pela nossa realidade. Certamente não resolverá todos os nossos problemas, mas ajudará, é um passo.

O curso custa R$ 100,00 (este blogue não leva nada pelo serviço), incluindo cafés e material didático, além de um exemplar do livro homônimo ao curso, de autoria do ministrante.

Maiores informações no Valberlúcio.

Com respeito, reconhecimento e admiração

Gosto de Gilberto Mineiro. E gosto de algumas produções de Gilberto Mineiro. O apresentador do Companhia da Música, às quintas-feiras, 20h, na Rádio Universidade FM, foi o responsável por vindas à Ilha de Ceumar, Tiê e, agora, no próximo dia 14 de agosto, de Tulipa Ruiz, que lançará no palco do Arthur Azevedo seu segundo disco, Tudo tanto.

Numa capital em que ou as coisas nunca chegam ou chegam com bastante atraso é digno de elogios o trabalho de Gilberto Mineiro, ao incluir a capital quatrocentona (há controvérsias) no roteiro de lançamentos de uma artista independente, isto é, com penetração não patrocinada no mundo jabaculezado das rádios brasileiras. O radialista certamente é um dos que não pedem mais que discos em troca de executar bons nomes, daqui e de fora, em seu programa.

“IMPERDÌVEL! Mais uma vez os produtores de música ruim, a exemplo do show da Tiê, comentam que não existe público na ilha para música inteligente. Galera, vamos lotar o T.A.A. e mostrar para esse [sic] bucéfalos que existe vida além do curral deles. IMPERDÌVEL!”

Juro que não entendi o despropositado entre aspas acima, que catei no perfil do elogiado produtor no Facebook. Algumas perguntas que me ocorrem imediatamente: Tiê faz música ruim? O show dela é/foi ruim? (não assisti: liso, na ocasião, não fui, como nunca sou, agraciado com cortesias pela Musikália. Ou é Musicália?) É o próprio Gilberto Mineiro quem comenta que “não existe público na ilha para música inteligente”?

A postagem do produtor é confusa e o deita em contradição, ele que vez ou outra tira a carapuça de “blindador de cabeças” tão alardeada em seu programa de rádio para produzir shows de qualidade duvidosa à guisa de levantar uns trocados.

“Raiva é energia”, como aprendi com o rock’n roll e com meu amigo irmão Reuben da Cunha Rocha. Mas como aprendi com o dito popular, “tudo o que é demais é sobra”. É claro que uma porrada de coisa ruim me incomoda na música produzida no Brasil hoje em dia (a trilha sonora da novela Avenida Brasil, da Rede Globo, é um exemplo; os babacas com seus porta-malas abertos em cada bar, em cada praia, em cada esquina, outros); prefiro, em vez de perder tempo falando mal de Michel Teló e quetais, elogiar (e tentar conquistar fãs e ouvintes para) Tulipa, Tiê, Ceumar, Renato Braz, Curumin, Criolo, Rômulo Fróes, Rodrigo Campos e tantos outros que merecem ser ouvidos por cada vez muito mais gente.

Espero, sinceramente, ver o teatro lotado para prestigiar a produção de Gilberto Mineiro e o talento de Tulipa, que vem provando que Efêmera era mesmo apenas o título de seu disco de estreia. Espero não ter problemas de agenda (tenho viajado um bocado a trabalho) e de grana e poder estar lá, cantando junto, reafirmando postulados poéticos, “a ordem das árvores não altera o passarinho”.