O homem que virou pedra de responsa

As recentes entrevistas concedidas por Luís Inácio Lula da Silva, da sede da Polícia Federal, em Curitiba, revelam sua enormidade e sua qualidade de preso político. As peças de um jogo nefasto aos poucos vão se encaixando. Nada de novo para observadores mais atentos, mas aos poucos começa a ruir a farsa alicerçada em motivo indeterminado.

Ano passado cerca de 90 escritores, poetas, quadrinhistas e intelectuais reuniram-se em Lula Livre Lula Livro, manifesto contra a prisão de Lula. A obra reúne poemas, charges, textos em prosa, requerimentos e cartas sobre a questão.

Um dos poemas do livro, do maranhense Celso Borges, é Now, que foi musicado por Alê Muniz e Luiz Lima e virou um reggae, gravação que Homem de vícios antigos revela em primeira mão. O poeta promete um clipe para breve.

Participaram da gravação os reggae stars Dicy Rocha, Santacruz, Célia Sampaio, Alê Muniz e Preto Nando (vozes), João Simas (guitarras) e Gerson da Conceição (contrabaixo). É provavelmente a última gravação em estúdio do músico recém-falecido. Alê Muniz assina arranjo, efeitos e direção musical.

Leia o poema e ouça a música:

NOW

nem uma frase reza
nem a flor da indelicadeza
mas raduan em lavoura de cólera
frida pintando nos murais de rivera:
LULA LIVRE

porque se vomitam
a brutalidade nos tribunais
pound se ergue nos cantos da jaula
munch grita paralém da ponte:
LULA LIVRE

contra as ruas em falsa festa
piva delira paranoia
lennon risca riffs na guitarra
os berros de camille
nos sanatórios explodem explodem:
LULA LIVRE

cavalos tropeçam na loucura
imaginações maquinadas
umas
sobre as outras
numa torre que se levanta e desaparece

tempos de águias com dentes afiados
e crocodilos voando sobre o fígado dos pássaros

uma pomba se espatifa nos muros da história

mas
a incontrolável poesia se alastra como peste
vixe cabra da peste
umas
sobre as outras

molhando a dinamite do silêncio:
LULA LIVRE

Dicy Rocha no Palco MPB

A cantora Dicy Rocha estreia hoje, no Bombô Thematic Club, o projeto Palco MPB, que levará ao palco daquela casa recém-inaugurada na Praia Grande, shows de música popular brasileira, como lhe entrega o batismo, com artistas locais e de outros cantos do país.

Ainda não conheço o Bombô, mas conheço as pessoas envolvidas na empreitada, e torço por sua longevidade e dos projetos que por ali já estão sendo realizados e por aqueles que ainda serão inventados. Por uma revitalização cultural na Praia Grande, meio abandonada de uns tempos pra cá.

O show de hoje promete ser nada menos que um luxo. A começar pela cantora, que volta aos palcos após o nascimento do filho Sião – uma exceção foi a participação no show comemorativo de 35 anos do LP Bandeira de Aço, em maio passado. A continuar pela banda que lhe acompanha: Fofo (bateria), Hugo Lima (violão e guitarra), João Paulo (contrabaixo), Josemar Reis (percussão) e Rui Mário (teclado e sanfona). E como se já não sobrasse luxo e talento, as participações especiais de Criolina, Preto Nando, Lena Garcia e Lena Machado.

Atenção especial para os dois últimos nomes, o par de Lenas: com a Garcia imperatrizense e Helyne Carvalho, Dicy venceu a terceira edição do Festival João do Vale de Música Popular, organizado pelo cantor Wilson Zara, no Circo da Cidade – este blogueiro integrava o júri. A Machado, hoje ludovicense adotiva, aniversariou na última quinta-feira (15) e promete um presente aos presentes. Pelas presenças – perdoem a redundância – no palco, não só ela.

De shows, festival e cinema

SHOW DA CANELAS PRETA ADIADO

O show de Beto Ehongue e Canelas Preta, anunciado por este blogue, foi adiado, por motivo de força maior, para o próximo dia 25 de maio. Ficam válidas, portanto, todas as outras informações contidas no cartaz: local, horário, valor dos ingressos e participações especiais.

Enquanto o show não acontece é possível ouvir o som da banda no soundcloud e/ou no myspace.

PRETO NANDO ELETROACÚSTICO EM JUNHO NO ODEON

Dia 6 de junho, véspera de feriado, quem sobe ao palco do Odeon é Preto Nando (ao centro, na foto), homem de frente da ClãNorDestino. O apresentador do programa Movimento 94, alusão à frequência da rádio que o abriga, terá convidados surpresa para fazerem ao vivo, o som que ele toca em suas duas horas semanais de Difusora FM: rap, hip-hop, soul e outras vertentes da black music.

SOBRE DÚVIDAS ACERCA DA LISTA DE CLASSIFICADOS DO PAPOÉTICO

Paulo Melo Sousa, organizador do Papoético e de seu I Festival de Poesia, viajou: está no Rio de Janeiro, onde integra o júri de outro festival do gênero. Tenho relatado a ele os diversos contatos, dúvidas, carinho e o que mais me chega por aqui, via caixa de comentários.

Tairo Lisboa, fiel escudeiro de Paulão, em nome da Comissão Organizadora do Festival, pede só mais um pouco de paciência: até a próxima terça-feira (15), todos/as aqueles/as que têm dúvidas, terão respostas em seus e-mails. Para tanto, basta deixar recado nas caixas de comentários deste blogue ou escrever e-mail direto para Paulão e/ou Tairo.

Ao blogue só resta agradecer a paciência e a compreensão de todos/as.

O BATEDOR DE CARTEIRAS NO CHICO DISCOS

Não levem o título da nota tão ao pé da letra, nem se assustem: O batedor de carteiras [Pickpocket, drama, França, 1959, 75min., classificação indicativa: 14 anos] é apenas o título do filme que será exibido amanhã (12), na programação semanal do Encontro com Cinema, organizado pelo cineasta Beto Matuck.

Dirigido e escrito por Robert Bresson, baseado em romance de Fiódor Dostoiévski, conta a história de Marcel, “um homem amargurado e depressivo que tenta sua sorte nas ruas de Paris, roubando bolsas e carteiras. Filmada de uma forma inteiramente impessoal e controlada, como um teatro de marionetes, toda a tensão do filme não está no que ocorre durante as cenas, mas no que não ocorre”, de acordo com a sinopse que o blogue recebeu por e-mail.

A sessão, gratuita, tem início às 19h, no Chico Discos (Rua de São João, 389-A, esquina com Afogados, sobre o Banco Bonsucesso, Centro).