A diversidade de Moska

Beleza e medo. Capa. Reprodução

 

Liminha foi um dos artífices da sonoridade do que se convencionou chamar de brock ou rock brazuca: produziu discos importantes daquela cena nos anos 1980, além de trabalhos de Caetano Veloso e Gilberto Gil, não à toa os primeiros ídolos de Moska.

Não à toa, Moska também foi personagem importante daquela cena roqueira no Brasil: em meados da década de 1980 fez sucesso no rádio e tevê à frente da banda Inimigos do Rei, com seus hits Adelaide (You be illin) (I.Simmons/ R.White/ I.Mizell) e Uma barata chamada Kafka (Luiz Guilherme/ Marcelo Marques/ Paulinho Moska).

Sucessor de Loucura total, que Moska dividiu com o argentino Fito Paez, em 2015, Beleza e medo [Deck, 2018] marca o encontro de Moska e Liminha, em disco que diz muito sobre a dupla, e cujo título e os tons de cinza e vermelho dizem muito sobre o Brasil de hoje – a capa traz Moska mergulhado em local incerto, usando uma espécie de véu cor de sangue. Ele mesmo assina o projeto gráfico do disco.

A sonoridade do disco transita entre o pop do começo da carreira de Moska, a MPB que abraçou – e por quem foi abraçado –, um flerte com o reggae, escancarado em Medo do medo, parceria dele com Zélia Duncan, pontuado pelo contrabaixo do produtor Liminha (que ao longo do disco toca ainda violão 12 cordas, percussão e guitarras), em time que se completa com o próprio Moska (voz, violões e direção artística), Rodrigo Nogueira (guitarras e violão), Rodrigo Tavares (teclados), Adriano Trindade (bateria) e Adal Fonseca (bateria).

A propósito cabe destacar o leque de parceiros de Moska, ao longo das 10 faixas de Beleza e medo: além de Duncan, Carlos Rennó (com quem assina Em você eu vi, Nenhum direito a menos e Megahit) e Zeca Baleiro (Pela milésima vez).

O “que beleza” entoado na abertura de Que beleza, a beleza (Moska) evoca a “imunização racional” de Tim Maia, em faixa que versa sobre o belo, passando por indagações como “a tinta vibra quanto pinta a tela?/ o que Picasso achava de Dali?” e especulações como “ouvi dizer que Darwin passou mal/ sentindo um pouco de irritação/ olhando a cauda de um pavão real/ mudar sua ideia de evolução”.

Megahit é encontro de especialistas no assunto: Moska e Rennó são dois dos maiores hitmakers que o Brasil já conheceu. “Você não sai da minha cabeça/ como canção que toca à beça/ toca em excesso, é um puta sucesso/ um megahit”, começa a letra, que tem tudo para se tornar um.

Outra parceria da dupla, Nenhum direito a menos é incisiva e direta, marca particular da produção mais recente do letrista Rennó. Toca em feridas escancaradas pela invasão de Michel Temer ao Palácio do Planalto, após o golpe perpetrado por seus comparsas que depôs Dilma Rousseff. “Nesse momento de gritante retrocesso/ de um temerário e incompetente mau congresso/ em que poderes ainda mais podres que antes/ põem em liquidação direitos importantes/ eu quero diante desses homens tão obscenos/ poder gritar de coração e peito plenos:/ não quero mais nenhum direito a menos”, mandam direto, com direito a trocadilho cristalino, logo na primeira estrofe.

Minha lágrima salta (Moska), que fecha o disco, é sobre um fim de relacionamento. Tomara que em pouco tempo não se configurem politicamente proféticos os versos “porque um vazio foi se construindo em nós/ ficou distante pra escutar alguma voz/ e fomos desaparecendo sem ninguém desconfiar”.

*

Ouça Beleza e medo:

Palco, o Chão de Lenine

Sobre Chão, show que Lenine apresentou ontem (6) no Teatro Arthur Azevedo

Para os mais puristas, acostumados à acústica de seu violão percussivo, Chão, o show que Lenine apresentou ontem (6) no Teatro Arthur Azevedo, talvez tenha exagerado na eletrônica. Eram ele, revezando-se entre violões, e os com ele produtores do disco que batiza o espetáculo, a turnê, JR Tostoi e Bruno Giorgi, músicos jogando nas mais de onze entre contrabaixos, guitarras, bandolins, computadores e uma pá de instrumentos, equipamentos e toda uma parafernália eletrônica.

Tudo para recriar ao vivo a atmosfera do disco, permeado de efeitos e interferências sonoras não musicais para alguns, barulhos cotidianos: a batida do coração do neto do compositor (ambos estampam a capa de Chão), passos, uma chaleira, motosserra, um canário, cigarras, máquinas de lavar e escrever. No palco, Lenine se sentiu em casa, em espetáculo que está percorrendo o Brasil apenas em teatros, justo pela necessidade de fazer o público sentir-se dentro do som, no caso, (n)a casa do pernambucano.

Chão, show e disco, mostram que, mesmo Lenine sendo hoje um artista extremamente popular graças a várias de suas músicas terem comparecido a trilhas sonoras de novela e programas de tevê outros, seu público não é de se contentar com o fácil, com o óbvio. Daí ele poder se permitir guinadas como a presenciada pelo público ludovicense, que ontem lotou completamente o Arthur Azevedo.

Lenine cantou o repertório inteiro do disco novo e trouxe ao público diversos sucessos da carreira, como Rua da Passagem (Trânsito, parceria com Arnaldo Antunes), A rede (com Lula Queiroga), Leão do Norte, Candeeiro encantado (com Paulo César Pinheiro), Tubi Tupy (com Carlos Rennó) e Jack Soul Brasileiro, entre outras. A ponte (com Lula Queiroga) pareceu feita sob medida para a ilha de São Luís.

Ponte Pernambuco-Maranhão no camarim

Entoando a clássica Não deixe o samba morrer (Edson/ Aloísio), chamou ao palco Alcione, convidada da noite, com quem trocou elogios e interpretou O silêncio das estrelas (parceria de Lenine com Dudu Falcão) e Relampiano (com Paulinho Moska).

No bis, deixou o público cantar Paciência (parceria com Dudu Falcão) – um de seus maiores êxitos – e repetiu Se não for amor eu cegue (parceria com Lula Queiroga), do disco novo.

Aos quase 30 anos de carreira, Lenine segue em plena forma. O amante de orquídeas, a quem já dedicou o título de um disco – Labiata (2008) –, estreou em 1983, com Baque solto, que dividiu com Lula Queiroga. Somente 10 anos depois viria o hoje raro Olho de peixe (1993), um de seus melhores discos, dividido com o percussionista Marcos Suzano. Mas foi O dia em que faremos contato (1996) que o tornou um compositor realmente popular. O álbum, cujo projeto gráfico remete a obras de ficção científica – a faixa-título é assinada por Lenine e Bráulio Tavares, este um autor de –, trouxe músicas como Hoje eu quero sair só (parceria com Mu Chebabi e Caxa Aragão) e Dois olhos negros (de Lula Queiroga) – ambas ficaram de fora do repertório do show em São Luís.