Museu Russo apresenta hoje (25) leitura bilíngue de Maiakovski

Divulgação do recital circulada em redes sociais. Arte: Aleksandr Ródtchenko
Divulgação do recital circulada em redes sociais. Arte: Aleksandr Ródtchenko

 

Carinhosamente apelidado de Museu Russo, o ECI Museum, na rua 14 de Julho (Praia Grande, ao lado da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo), será palco de uma leitura inédita do russo Vladimir Maiakovski (1893-1930), considerado “o poeta da revolução” – não à toa o epíteto serve de subtítulo a uma conhecia biografia sua, de Aleksandr Mikhailov [Record, 2008].

Intitulado Gente é pra brilhar a tertúlia acontece hoje (25), às 19h, com entrada franca. Tomam parte os poetas maranhenses Celso Borges, Fernando Abreu, Josoaldo Lima Rego e Luís Inácio, além do escritor Adriano Sousa, que recentemente lançou em São Luís o livro Poética de Júlio Bressane: Cinema(s) da Transcriação [Educ/Fapesp, 2015], fruto de sua tese de doutorado. O recital contará ainda com a participação especial de Anastassia Bytsenko, doutora em literatura russa pela Universidade de São Paulo (USP), e Eugenio Itskovich, do ECI Museum.

Gente é pra brilhar será bilíngue; os dois últimos lerão poemas de Maiakovski em sua língua mãe. O arsenal vai muito além de “melhor morrer de vodca que de tédio” e o “sou todo coração”, que de tão conhecidos e repetidos podem, por vezes, ser atribuídos a outros, na selva das redes sociais.

O poeta Celso Borges não nega Maiakovski entre os de sua preferência. Ele antecipa a dinâmica do evento. “Cada um de nós falará quatro poemas do escritor russo, com prioridade para as traduções dos Irmãos Augusto e Haroldo de Campos e de Boris Schnaiderman. Será muito interessante também podermos ouvi-lo na sonoridade da língua russa”, declarou.

Leia um poema de Maiakovski:

Reprodução
Reprodução

Maranhense lança livro sobre cinema(s) de Júlio Bressane

[release]

Fruto de sua tese de doutorado na PUC/SP, livro de Adriano Sousa será lançado em duas noites de autógrafos em São Luís

Poética de Júlio Bressane: Cinema(s) da Transcriação. Capa. Reprodução
Poética de Júlio Bressane: Cinema(s) da Transcriação. Capa. Reprodução

Em Poética de Júlio Bressane: Cinema(s) da Transcriação [Educ/Fapesp, 2015, 234 p.], sua tese de doutorado, Adriano Sousa aprofunda o mergulho na obra do cineasta, já abordada em sua dissertação de mestrado, Devir-deserto no São Jerônimo de Júlio Bressane: poética tradutória e cartografias da cultura (2005), ambos os trabalhos defendidos na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

O autor perpassa a filmografia de Bressane observando-lhe aspectos sem isolá-los, fugindo do que tem sido mais óbvio à crítica e à própria academia, lançando novos olhares sobre o conjunto bressaniano. Observa, na obra do cineasta, o intercambiar incessante entre linguagens distintas, sobretudo a literatura a música e a pintura.

Não à toa sobressaem-se títulos como Brás Cubas (1985), O mandarim (1995), Miramar (1997), Dias de Nietzsche em Turim (2001) e Filme de amor (2003), entre outros.

Adriano Sousa está escoltado por nomes importantes da comunicação e semiótica no Brasil, como Jerusa Pires Ferreira, diretora do Centro de Estudos da Oralidade da PUC/SP, que avaliza na quarta capa: “Tendo em Haroldo de Campos um intercessor, penetrou no âmago de muitas questões”. E continua: “Cercado de competências, da presença tutelar e mágica do cineasta, do diálogo com seus pares, para quem a arte em si se impõe e confirma, Adriano Sousa conquista um lugar apropriado para falar de tudo isso. Tenho, portanto, muitas razões para celebrar a presença do livro […], mais do que uma tese de doutorado”.

“Vivenciamos os filmes de Bressane e a escrita de Adriano como um corte que irrompe no automatismo do cotidiano, provocando estranhamento em meio a encantos mil”, anota a documentarista e psicanalista Miriam Chnaiderman no texto que apresenta a obra. Antes ela indaga: “Como escrever sobre Júlio Bressane e ser fiel à ruptura que o cineasta propõe?”. “Propor um trabalho que seja a poética da poética bressaniana, mas que continue bressaniana. É o desafio que surge. Que a escrita seja também transcriação, como o cinema de Júlio Bressane”, continua.

Segundo Adriano, o próprio “termo transcriação no lugar de tradução intersemiótica […] remete diretamente à complexidade de “traduzir o intraduzível””. Respondendo à pergunta inaugural de Chnaiderman, o que o autor faz é justamente deslocar as rupturas cinematográficas de Bressane para a literatura – para além da academia.

Adriano Sousa lança Poética de Júlio Bressane: Cinema(s) da Transcriação em duas noites de autógrafos em São Luís. Hoje (19), às 19h, no Chico Discos (Rua Treze de Maio, 289-A, Altos, esquina com Afogados, Centro); e dia 22 (segunda-feira), às 17h, no Auditório A do Centro de Ciências Humanas (CCH) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Na ocasião haverá um bate-papo do autor com as presenças dos professores Luís Inácio (Filosofia), Junerlei Dias (Comunicação) e Flávio Reis (Sociologia e Antropologia). Ambos os eventos têm entrada gratuita.

Pitomba cinco, Pitomba quinta

Quinta edição da revista Pitomba! terá relançamento na UFMA, nesta quinta-feira. Além do que anuncia a imagem abaixo, haverá fotoprojeção de Kenny Mendes e discotecagem de Danilo Santos. A promoção é do Centro Acadêmico de Filosofia.

Divulgação