Autógrafos de professores. Em caneta azul, por favor!

O convite é feião (como parece “ter” que ser qualquer coisa que tenha alguma oficialidade) e traz erros nos títulos das obras publicadas pelo Centro de Ciências Sociais (CCSo) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), o que, a meu ver, pega muito mal. Desejo aos livros melhor sorte, em ambos os aspectos (revisão & projeto gráfico).

Há títulos interessantes e certamente os conteúdos o são e eu destaco os dos queridos professores amigos: Rádios comunitárias no Maranhão: histórias, avanços e contradições na luta pela democratização da comunicação, de Ed Wilson Ferreira Araújo, Diluindo fronteiras: hibridizações entre o real e o ficcional na narrativa da telenovela, este sim o título correto do livro de Larissa Leda Fonseca Rocha (destes dois já fui aluno), Pobreza, resistência e enfrentamento no Estado do Maranhão, este sim o título correto do livro de Lília Penha Viana Silva, presidente licenciada do Conselho Regional de Serviço Social – 2ª. Região/Maranhão (CRESS/MA), para quem “compus” o jingle-brinquedo de (nunca usado na) campanha: “para o CRESS ser feliz, qual é a senha?/ Lília Penha!/ Lília Penha!”, tremenda molecagem, voltemos aos livros, Jovens, imaginários de paz e televisão, de Vera Lúcia Rolim Salles, com quem tive a honra de trabalhar durante o Laboratório Internacional de Mídias Livres em São Luís (2009), que, infelizmente, ficou em edição única, e Discurso jornalístico, política e liderança no Brasil (1985-1990), de Joanita Mota de Ataíde, responsável por minha mais recente ida à UFMA (já faz um tempinho, é verdade) para parlar com estudantes sobre jornalismo cultural.

Mais infos na imagem que abre o post, cliquem para ampliar, tudo que tenho sobre a noite coletiva de autógrafos.