São Luís, ilha do jazz

Divulgação
Divulgação

 

Apreciadores do bom e velho jazz ganham mais um espaço para fruição do gênero norte-americano na capital maranhense. “A Casa da Mãe Joana apresenta Jazz & Fusion” é o que anuncia o bonito cartaz que recebi, através de uma rede social, do baterista Isaías Alves, nome de destaque em seu instrumento, vencedor de concursos e capa de revistas especializadas por aí afora.

A seus tambores e sintetizadores se somam guitarra, violão e bandolim de Ronaldo Rodrigues e o contrabaixo de Lionel Almeida. A noite terá ainda discotecagem de Selecta Groove e o repertório deve abarcar música instrumental para além do jazz, passando inclusive por choro. Está prometida uma “anarquia sonora”, foi o que afirmou ao blogue Ronaldo Rodrigues, cuja passagem pela cidade natal é aproveitada com esta jam – “não sei bem o que vamos tocar, um ensaio hoje definirá isso”, contou o músico, radicado no Rio de Janeiro.

No entanto, engana-se quem pensa que, na terra do bumba meu boi e tambor de crioula, o gênero de Miles Davis e John Coltrane seja restrito a um gueto. Há fiéis seguidores, que justificam a teimosia de músicos em tocar jazz – com milhares de pessoas ou alguns poucos “gatos” pingados na plateia. “Cats”, convém lembrar, é uma gíria que designa os aficionados por jazz.

Além de ouvidos e mentes interessados, São Luís tem programa de rádio – o Sexta Jazz, na Universidade FM (106,9MHz), às 21h, apresentado por Augusto Pellegrini –, livros publicados sobre o tema – Jazz: das raízes ao pós-bop, de Pellegrini, e Confesso que ouvi, de Érico Cordeiro – e Barreirinhas sedia anualmente o Lençóis Jazz e Blues Festival, produção do músico Tutuca, cuja programação sempre inclui um fim de semana na capital.

Jazz & Fusion acontece amanhã (25), às 21h, na Casa da Mãe Joana (Rua Godofredo Viana, 16, Centro). Os ingressos custam R$ 10,00.

Um show de responsa: vai chover pedra!

Luciana Simões volta às origens regueiras em show dedicado ao roots; apresentação acontece nesta quinta, no Amsterdam

Divulgação
Divulgação

 

O início da carreira de Luciana Simões remete ao ritmo internacionalmente popularizado por Bob Marley. Ainda menina ela estourou como vocalista da banda maranhense Mystical Roots, que alcançou relativo sucesso fora do estado. O reconhecimento chegou a alçá-la ao posto de vocalista da Natiruts.

Em 2007, com o marido Alê Muniz, lançou o primeiro disco do duo Criolina, formado pelo casal. Dois anos depois foi a vez de Cine Tropical, sucesso de público e crítica, um disco dançante, cujas faixas emulam gêneros cinematográficos.

Enquanto a dupla grava o terceiro disco, Luciana resolveu dar um passeio fora do estúdio e prestar reverência a mestres do gênero a que se dedicou no início da carreira. O nome do show já dá pistas do que será a noite: Bota teu capacete, regueiro. Acompanhada de Isaías Alves (bateria), João Paulo (contrabaixo), João Simas (guitarra), Beavis (teclado), Daniel (trombone) e Hugo Carafunim (trompete), ela desfilará um repertório de clássicos do roots reggae.

O show acontece nesta quinta-feira (9), às 22h, no Amsterdam Music Pub (Lagoa). Os ingressos individuais custam R$ 15,00 (pista) e a mesa para quatro pessoas R$ 80,00. A abertura fica por conta do DJ Misk Brown.

Através de uma rede social, ela conversou com o blogue.

A quantas anda o terceiro disco do duo Criolina? Está em fase de gravação. Em menos de um mês será lançado um EP intitulado Latino americano, com quatro faixas, juntamente com o clipe, captado através do Catarse [site de financiamento coletivo, que arrecadou o dinheiro que viabilizou a realização do clipe], da faixa-título.

Uma das máximas do DJ Neto Miler diz que “reggae é espiritual”. Você concorda com ele? Acredito na espiritualidade que o reggae traz, sim. A música é um veículo condutor das energias. O próprio ritmo já nos convida a mergulhar no íntimo e a expressar nosso contentamento através da dança ou da meditação. A história do reggae na ilha é antiga e cheia de teorias, mas acredito haver uma herança africana que nos atrai para o reggae. Rodei o Brasil cantando reggae e posso dizer que nunca vi essa relação das pessoas com o reggae como vejo aqui em São Luís.

Voltar às origens e ao reggae roots é recarregar as baterias? O que mais você faz para manter as baterias sempre carregadas? Para manter as baterias carregadas tenho que me alimentar do que me desperta interesse. Acho que o olhar curioso me faz ver a beleza das coisas. A música é uma fonte de descobertas que nunca seca. As histórias por trás das músicas também me encantam. O que significa um movimento musical ou uma música [risos].

O que o público pode esperar desta tua apresentação solo, em termos de repertório e energia? O público pode esperar uma entrega porque a saudade de cantar reggae é grande. O reggae que gosto de ouvir e de cantar vem do rhythm’n blues. É old school. Das antigas. Nem na Jamaica se toca mais. Só aqui mesmo que ouvimos essas pérolas. Artistas como [os cantores jamaicanos] Gregory Isaacs, que nos trouxe o lovers rockers, Hugh Mundell com o dub, Dennis Brown, Alton Ellis, Ken Boothe e tantos outros. Vai ser uma noite de entusiasmo, de recordação, de reencontro. Lancei um post e estou colhendo as músicas que as pessoas querem ouvir [em uma rede social, a cantora recebeu sugestões de fãs para compor o repertório].

Santa Inês Recebe Cesar Teixeira hoje

Foto: Aniceto Neto

 

 

O compositor Cesar Teixeira chega hoje à Santa Inês, onde se apresenta no projeto Santa Inês Recebe. O show acontece na Praça da Saudade, uma coincidência que certamente fará o artista lembrar-se da infância, vivida na Madre Deus em que nasceu, onde há uma praça homônima, em frente ao Cemitério do Gavião.

O repertório é completamente autoral, entre músicas bastante conhecidas do público e inéditas. Cesar Teixeira estará acompanhado de Carlos Raqueth (contrabaixo), Isaías Alves (bateria e percussão) e Rui Mário (sanfona e teclados). No set list, músicas como Das cinzas à paixão (por Serrinha & Cia), Oração latina (por Cláudio Pinheiro e Gabriel Melônio), Boi da lua (por Papete), além das inéditas Baiãozinho e Adeus, garota!

Ray ban (gravada por Claudio Lima), Parangolé (por Rita Benneditto, então Rita Ribeiro), Bandeira de aço (por Papete) e Namorada do cangaço (por Dércio Marques), que o compositor gravou em seu, até aqui, único disco lançado, Shopping Brazil (de 2004), também comparecem ao repertório da noite de hoje.

O público santa-inesense poderá conferir ainda a interpretação do compositor para Quem roubou minha aquarela?, que, interpretada pela cantora Lena Machado, participou ano passado da Exposamba, um concurso nacional voltado ao gênero de nomes consagrados como Cartola, Paulinho da Viola e Nelson Cavaquinho, para citarmos artistas admirados por Cesar Teixeira.

O espetáculo tem patrocínio da Cemar, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, e acontece às 20h, gratuitamente.

Não fosse o próprio Cesar – Pelo que o blogue conhece do projeto um artista local deve se apresentar antes de Cesar Teixeira e banda. As informações de banda e repertório foram passadas ao blogue por e-mail pelo próprio artista convidado. A Secretaria de Cultura de Santa Inês não tem site e a última atualização de seu perfil no facebook é de 24 de fevereiro, anunciando justamente a realização de uma edição anterior do projeto Santa Inês Recebe.

Confiram Cesar Teixeira em Shopping Brazil:

Jazz com tambor no Barocko

Divulgação

Um dos grandes nomes da bateria do Brasil, apesar da pouca idade, Isaías Alves apresenta-se neste sábado (24), às 21h, no Barocko (Bar do Jair, Beco da Pacotilha, 119, Praia Grande), num show que marca seu retorno aos palcos maranhenses, após ter morado um período em Salvador/BA – no começo do mês ele participou das três noites de lançamento de Milhões de uns, disco de estreia do compositor Joãozinho Ribeiro.

Isaías Alves sobe ao palco acompanhado de João Paulo (contrabaixo) e de Hank Mason (piano), este, natural de Nova Jersey/EUA. O trio contará ainda com as participações especiais de Totó Sampaio (crivador) e de Edson Mondego (meião). A abertura fica por conta da discotecagem Som do Vinil de Paulo do Vale. O repertório passeará por jazz, reggae, ritmos da cultura popular do Maranhão e outras improvisações e fusões.

Os ingressos, limitados, à venda somente no local, custam R$ 15,00.

35 anos do antológico Bandeira de Aço são celebrados com grande festa no Arthur Azevedo

Público lotou o teatro na primeira edição do BR-135 em 2013. Repertório do disco foi tocado na íntegra

Um encontro para a história da música brasileira

O Teatro Arthur Azevedo ficou absolutamente lotado para a celebração aos 35 anos do disco Bandeira de Aço, de Papete, divisor de águas da música brasileira produzida no Maranhão.

O projeto BR-135, capitaneado pelo casal Criolina, Alê Muniz e Luciana Simões, propôs uma revisita ao repertório do antológico LP lançado pela Discos Marcus Pereira e revelou o que todos já sabíamos: todo mundo que faz música aqui bebe na fonte do disco que reuniu a obra dos “compositores do Maranhão”, como assinalava a capa da obra que muitos ouvem hoje como se fosse uma antologia, dada a qualidade do repertório. Não à toa Bandeira de Aço encabeçou a lista dos 12 discos mais lembrados da música do Maranhão, recentemente realizada pelo jornal Vias de Fato.

Um balanço do projeto ao longo do ano passado mostrou números impressionantes no telão, principalmente de artistas que passaram pelos palcos do BR-135 – iniciado no ainda desativado Circo da Cidade, que precisa ser urgentemente reativado pela atual gestão municipal –, e de público presente aos eventos, cujo principal objetivo é a formação de plateia – o que se viu ontem no TAA é o bom resultado da iniciativa.

A projeção de um documentário, dirigido e narrado pelo poeta e jornalista Celso Borges, revelou histórias que jogam luz às polêmicas que sempre envolveram o Bandeira de Aço, sempre envolto por uma aura mística, justo também por isso. Entre os entrevistados, os quatro compositores das nove faixas, Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Ronaldo Mota (o único que não mora no Maranhão e que não participou do show de ontem) e Sérgio Habibe, além do intérprete Papete, Chico Saldanha (que jogou a fita com a obra dos quatro nas mãos do percussionista maranhense e este apresentou-a a Marcus Pereira e o resto é história) e de diversos artistas para os quais o álbum é referência.

Ao longo do show o filme continuou dialogando com a plateia, entre uma música e outra, apresentando o contexto da época, as insatisfações de cada compositor com a interpretação de Papete para suas obras, o clima em que foi gestado e a repercussão do disco para suas carreiras artísticas e para a música do Maranhão e do Brasil em geral.

A homenagem do BR-135, a exemplo das edições anteriores do projeto, propôs também um diálogo entre a velha guarda e a nova geração de instrumentistas, cantores e compositores, percebido desde a formação da ótima banda que acompanhou a todos os artistas que pisaram no palco para a celebração: Erivaldo Gomes (percussão), Isaías Alves (bateria), João Paulo (contrabaixo), João Simas (guitarra) e Rui Mário (teclado, sanfona e laptop). Alê Muniz assinou os arranjos do que foi ouvido na noite histórica.

O repertório seguiu a ordem do disco, sob o cerimonial do ator César Boaes, ou de sua personagem na comédia Pão com ovo, sucesso de bilheteria que volta ao palco do TAA nas comemorações dos 196 anos da casa de espetáculo: o mestre de cerimônias carregou no humor, os risos da plateia em peso garantidos também pelas deliciosas histórias que os protagonistas relatavam.

Boi da lua, de Cesar Teixeira, abriu o show com interpretação do autor, num arranjo próximo ao original. De Cajari pra capital (Josias Sobrinho) foi interpretada por Bruno Batista, entre a lentidão e uma “porrada de pista”. Flávia Bittencourt interpretou Flor do mal (Cesar Teixeira), música registrada por ela em Sentido (2005), seu disco de estreia. Boi de Catirina (Ronaldo Mota) teve o vigor interpretativo de Madian, com vocais das Afrôs. Fechando o lado a, Josias Sobrinho cantou e dançou sua Engenho de flores.

O lado b seguiu com Josias Sobrinho sendo interpretado pelas Afrôs: Dente de ouro, com direito a mina incidental. Eulália, interpretada por seu autor Sérgio Habibe ficou entre o bumba meu boi e a cantiga de ninar, reforçada pelo teclado de Rui Mário – muita gente foi ninada pelas letras das músicas do disco. Catirina, de Josias Sobrinho, ganhou arranjo reggae na interpretação competente de Dicy Rocha. Com introdução tango, o casal Criolina subiu ao palco para interpretar a faixa título, que fecha o disco. Entre o tango e o bumba meu boi, convidaram Papete ao palco, e depois todos os outros que por lá já haviam passado. A plateia tornou-se um imenso arraial, com muitos dos presentes batucando pequenas matracas distribuídas pela produção, e já que todo mundo havia engrossado o coro do batalhão, o assíduo Zé da Chave também estava no palco, dividindo a percussão com Erivaldo Gomes.

Há tempos eu não via o Arthur Azevedo tão cheio para um espetáculo de artistas genuinamente maranhenses. Que a semente do BR-135 floresça, a começar por um bis desta homenagem a Bandeira de Aço e, quem sabe, ainda este ano, uma homenagem ao também antológico Lances de Agora, de Chico Maranhão, outro disco trinta-e-cincão de nossa música. Fecho com o que declarou o dj Joaquim Zion (esposo de Dicy) em sua conta no facebook: “uma noite pra ficar na história da Música Popular Brasileira”.

Rubens Salles lança disco em show em São Luís hoje (4)

O pianista baiano Rubens Salles, radicado nos Estados Unidos, faz hoje (4) em São Luís sua única apresentação no Brasil, lançando seu segundo disco, Liquid Gravity. O show é também o primeiro realizado no Teatro da Cidade de São Luís (antigo Cine Roxy), recém-inaugurado.

Em Gravidade Líquida, o show, o pianista será acompanhado por Daniel Santos (clarinete e saxofone), Isaías Alves (bateria), Jayr Torres (guitarra), Luiz Cláudio (percussão) e Mauro Sérgio (contrabaixo), além de contar com as participações especiais de Anna Cláudia e Cláudio Lima (com quem dividiu o disco Cada mesa é um palco).

O espetáculo acontece às 21h e os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro, ao preço de R$ 30,00. A produção é da Crioulas Comunicação & Produção, patrocínio de São Luís 400 Anos, City Luz, Maxtec, Sebrae e Result Consultoria, e apoio de Clara Comunicação, Business Solutions, Cabana do Sol e Caves du Van.

Profissão: cantora

ALBERTO JR.*
ESPECIAL PARA ESTE BLOGUE

Dicy Rocha: "ser cantora é um exercício profissional e uma missão espiritual a ser cumprida"

Numa repartição pública como outra qualquer de São Luís, em meio a papéis e burocracias institucionais, o funcionário fez-lhe a pergunta de praxe: “Profissão?”. A resposta soou como novidade e espanto para ele que estava acostumado em carimbar documentos de profissionais dos mais diversos. Nunca tinha lhe aparecido uma cantora. E a cantora, no caso, era Dicy Rocha.

No imaginário daquele funcionário as cantoras são como sereias midiáticas que só se manifestam no palco, no rádio ou na televisão. Quem diria que uma jovem negra, de olhos graúdos e voz doce chegasse num dia de semana qualquer requerendo o reconhecimento de sua atividade profissional, como se fosse uma operária ou artesã no ofício de cantar.

Para ela, ser cantora é um exercício profissional e uma missão espiritual a ser cumprida. Não há grandes sonhos ou fantasias almejadas. O que existe de fato é uma força muito grande e a responsabilidade de que seu canto e sua música promovam encontros e afetos. Sua arte não está a serviço do mercado, passa por ele e o transcende.

Projeto Sexta do Vinil – Para a apresentação de amanhã (6), no Porto da Gabi, Dicy Rocha preparou um repertório pelo Dia de Santos Reis. Além das canções já conhecidas do público, algumas novidades e encontros musicais darão o tom especial da noite. Acompanhando a cantora estarão os músicos João Simas (violão), Davi Oliveira (baixo), Isaías Alves (bateria) e João Neto (flauta e cavaquinho).

Além deles, duas participações especiais: o percussionista moçambicano Jorge Paco, que está de passagem por São Luís, e que apresentará no palco os timbres e ritmos africanos, e também o mestre Josemar Ribeiro, percussionista maranhense dos mais renomados e um dos pioneiros da Companhia Barrica, que volta aos palcos após um hiato de alguns anos sem tocar. Ele é marido da Gabi proprietária da casa.

O show faz parte do projeto Sexta do Vinil, que acontece todas as sextas no Bar Porto da Gabi, localizado no Aterro do Bacanga, sempre com discotecagem da equipe de som da Rádio Zion e Radiola Reggae, na presença dos djs Joaquim Zion, Marcus Vinícius e Neto Myller, e com participação de artistas convidados.

Carreira – No ano que findou, o nome de Dicy provocou muita curiosidade nos ouvidos mais atentos e sensíveis da cidade. Alguns ainda teimam em confundir sua pronúncia inserindo um ‘erre’ ou alterando o som da sílaba tônica. Outros falam no nome como se fosse verbo, sinônimo de quem tem o que dizer (cantar).

Do aparecimento de sua voz para o público, junto com o grupo vocal Flor de Cactos, em festivais de música organizados pelo cantor Wilson Zara, até o seu mais recente projeto, Negra Melodia, nas noites do bar Odeon Sabor e Arte, a cantora vem experimentando um repertório de canções brasileiras que ressaltam a identidade negra e a música do campo, buscando o diálogo entre gerações diferentes de músicos e compositores.

Recentemente, a cantora recebeu o troféu de “talento da noite” pelo Prêmio Universidade FM. Um reconhecimento dado por um público que já é cativo e renovado a cada apresentação. Ela agradeceu dizendo: “Chegou um momento da minha vida que eu tive que fazer duas opções: cantar ou cantar”, reforçando a canção de Caetano que diz: “o certo é ser gente linda e cantar. O certo é fazendo música”.

Dicy está em processo de gravação do seu primeiro álbum, com produção do músico espanhol Javier Sirera León. Contemplada com os editais de 2011 da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (SECMA) e do Banco do Nordeste (BNB), a previsão para que o disco seja finalizado e lançado é até julho deste ano.

Quem tiver ouvidos que ouça o som de Dicy Rocha, amanhã à noite, no Bar Porto da Gabi.

*Alberto Jr. é radialista

SERVIÇO

Projeto Sexta do Vinil | Show de Dicy Rocha e Banda | Discotecagem da Rádio Zion e Radiola Reggae | Dia 6 de janeiro (sexta), 22h | Bar Porto da Gabi, Aterro do Bacanga | Entrada: R$ 10,00 | Maiores informações: (98) 8849-9016.