O lirismo de Paulo Mendes Campos revisitado

O amor acaba. Capa. Reprodução

O título O amor acaba [Companhia das Letras, 280 p., 2013] pode soar pessimista, mas ao leitor menos avisado, que não conhece o autor, ou dele não lembra, será quase certeza do contrário: amor à primeira leitura, o amor começa.

Um dos “quatro cavaleiros de um íntimo apocalipse”, como classificou o amigo Otto Lara Resende – um deles – sobre grupo completado por Hélio Pelegrino e Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos é desde sempre um dos maiores cronistas do Brasil.

Talvez dizer isso hoje soe fácil, a crônica, este brasileiríssimo gênero, caindo em desuso; mas não o era quando o mineiro ocupou redações cariocas, tempos de Antonio Maria, Rubem Braga, de Drummond e dos próprios colegas citados, para ficarmos em poucos – e grandes – exemplos.

As “crônicas líricas e existenciais” – o subtítulo – do volume (leia três textos, incluindo a crônica-título) revisitam um Paulo Mendes Campos entre o amor, o cotidiano, a boemia, o futebol, a poesia. Poesia, aqui, deixemos claro, tanto o escrever em verso responsável pela estreia literária do autor, quanto seu texto em prosa – as crônicas deste volume carregadas de… poesia!

Selecionadas por Flávio Pinheiro – que assina a apresentação do volume. Ivan Marques assina o posfácio –, as crônicas deste O amor acaba foram publicadas originalmente em jornais e revistas entre 1951 e 1990, a maioria em Manchete, mas também no Correio Paulistano, Diário Carioca e Jornal do Brasil, além dos livros Homenzinho na ventania (1962), Os bares morrem numa quarta-feira (1980) e Diário da Tarde (1981) – recentemente relançado pelo Instituto Moreira Sales, no formato pensado pelo autor, assunto para outra resenha. Como também merece outra resenha O mais estranho dos países – Crônicas e perfis (2013), também publicado pela Companhia das Letras.

Com sua leveza e lirismo, Paulo Mendes Campos permanece atual e sua leitura tem muito a nos ensinar, de estudantes do ensino fundamental – onde o conheci em livros de gramática e paradidáticos – a jornalistas, mas não só. A quem se interessa pela vida e pelo que de mais prosaico esta tem. Ou a quem precisa, vez por outra, dar um tempo no corre corre para observar o que realmente importa: o canto de um passarinho, o sorriso de uma criança, um boteco com os amigos, um beijo em quem se ama, uma crônica de Paulo Mendes Campos.

Rádio Batuta homenageia Vinicius de Moraes por seu centenário

Eu mesmo já me peguei chamando-o assim, mas um dos apelidos mais injustos de nossa música popular reside em chamar Vinicius de Moraes de Poetinha. Não digo isso para polemizar: se por um lado a alcunha é carinhosa, por outro diminui a dimensão de sua obra e talento. Poetaço, isso sim, era Vinicius de Moraes.

Autor de um sem número de clássicos do cancioneiro brasileiro (você certamente já assobiou algo dele, muitas vezes sem sequer saber que isto ou aquilo é de sua autoria), poeta (naquele sentido: o de quem lança livros de poesia), boêmio (também dono e protagonista de muitas histórias com “o cachorro engarrafado”) e amante (casou-se nove vezes e bem podia figurar no livro dos recordes por isso), Vinicius de Moraes faria 100 anos 19 de outubro que vem.

A Rádio Batuta, do Instituto Moreira Salles, começou hoje (18) a reprisar os 32 episódios de Vinicius – Poesia, Música e Paixão, mais profundo documento sonoro conhecido sobre a vida e obra do artista. O documentário foi ao ar pela primeira vez em 1993, pela rádio Cultura AM.

Um dos maiores especialistas em música brasileira e biógrafo de Noel Rosa, João Máximo concebeu, realizou e narrou Vinicius – Poesia, Música e Paixão, que conta com entrevistas, feitas exclusivamente para o mesmo, de nomes como  Baden Powell, Carlos Lyra, Chico Buarque, Edu Lobo, Francis Hime, Tom Jobim e Toquinho, todos parceiros do homenageado, todos nomes importantes da chamada MPB.

Premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), o documentário  terá seus episódios veiculados na webrádio do IMS sempre às segundas-feiras, às 10h; aos domingos, no mesmo horário, a transmissão acontecerá na Rádio Cultura. Se você, como este blogue, perdeu o de estreia, ele está disponível no site da Rádio Batuta para audição; a cada segunda-feira um novo episódio será disponibilizado, até outubro, mês do centenário de Vinicius de Moraes.

Hora e meia de Nazareth

Show de lançamento do site Ernesto Nazareth 150 anos, do Instituto Moreira Salles. Dica do amigo Wagner Cabral, mais sobre o show e o projeto aqui.

Projeto celebra o músico Ernesto Nazareth

O IMS lança hoje site que resgata composições, partituras e documentos do pianista, que faria 150 anos em 2013

Artista, que foi um dos arquitetos da identidade musical brasileira, deixou 211 peças para piano

JOÃO BATISTA NATALI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O IMS (Instituto Moreira Salles) coloca hoje no ar um site com músicas, partituras e documentos que marcarão a contagem regressiva para a comemoração, no ano que vem, dos 150 anos de nascimento de Ernesto Nazareth (1863-1934), compositor e pianista que, por meio do choro, foi um dos arquitetos da identidade da música brasileira.

Nazareth deixou 211 composições para piano, como “Apanhei-te, Cavaquinho”, “Odeon”, “Brejeiro” ou “Dengoso”. O pianista brasiliense Alexandre Dias, 28, que abastecerá o site em “uploads”, diz existirem cerca de 2.400 gravações do compositor, das quais 2.100 poderão ser ouvidas em até dois meses, quando os arquivos virtuais estiverem inteiramente disponíveis.

Bia Paes Leme, coordenadora do acervo de música do IMS, diz que “Nazareth nunca chegou a submergir no esquecimento, mesmo se, nos anos da bossa nova, seu repertório parecesse um pouco ‘démodé'”. Mas o compositor recuperou seu antigo fôlego nos anos 1980, quando músicos buscavam se firmar por critérios nacionalistas próprios ao choro.

Boa parte das partituras originais e documentos do compositor estão no IMS, cedidas por Luiz Antonio de Almeida, biógrafo do compositor que recebeu o acervo como herança. Mas há também documentos na Biblioteca Nacional, no Rio, e muita coisa de colecionadores.

O culto à memória de Nazareth, por meio da restauração de partituras e da coleta de gravações, é um trabalho antigo, feito por mãos de reconhecida erudição, como a da musicóloga Sara Cohen ou da cravista Rosana Lanzelotte, que há três anos incluiu Nazareth entre compositores brasileiros com partituras para “download” no Instituto Música Brasilis.

“O que pretendemos é que nosso site possa ser a referência maior de Nazareth”, diz Bia Paes Leme.

Ao lado de Chiquinha Gonzaga (1847-1935), Nazareth concebia o piano como o local de encontro entre o erudito e o popular. Segundo Alexandre Dias, é mais que óbvio que os grandes intérpretes de Nazareth sejam músicos de formação clássica, como Maria Teresa Madeira, Aloysio de Alencar Pinto, ou, sobretudo, Arthur Moreira Lima -um “cult” discográfico no Brasil, em 1975 e 1977, e nos Estados Unidos em 1982, por gravações em que Nazareth foi o autor exclusivo.

Alheio aos excessos e escândalos da boêmia, Ernesto Nazareth foi um pacato professor de piano num país em que se civilizava com música própria, dono de ritmos e harmonias de raízes populares urbanas. Foi um solitário, numa versão tropical e tardia de Chopin ou Lizst. Sustentou o pai e quatro filhos como músico de salão.

Direitos autorais eram coisa rara. “Se dependesse de minhas composições, morreria de fome”, disse certa vez.

Nota do blogue – Domingo (25), no Chorinhos & Chorões (Rádio Universidade FM, 106,9MHz), participo, no programa de Ricarte Almeida Santos, de uma homenagem a Ernesto Nazareth. Sintonizem!