RicoChoro ComVida se consolida no calendário cultural de São Luís

Próxima edição do projeto acontecerá 3 de outubro, no Barulhinho Bom

O passeio de Célia Maria acompanhada pelo Trítono Trio, então um quinteto. Foto: Rivanio Almeida Santos
O passeio de Célia Maria acompanhada pelo Trítono Trio, então um quinteto. Foto: Rivanio Almeida Santos

 

O DJ Pedro Sobrinho registrou a emoção com o convite. Jornalista de formação, escreveu em seu blogue, dois dias após a segunda edição de RicoChoro ComVida (sábado, 5 de setembro): “um momento de realização pessoal e profissional”, declarou, agradecendo ao produtor Ricarte Almeida Santos a oportunidade de participar do projeto, num texto que acaba por se transformar em um manifesto contra os preconceitos que puristas têm por DJs.

Célia Maria e os integrantes do Trítono Trio também registraram deferências ao produtor, no palco do Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande), que abriga a temporada – mais cinco apresentações estão previstas até dezembro de 2015, a próxima tendo como atrações o grupo Urubu Malandro, a cantora Alexandra Nicolas (interpretando repertório consagrado por Carmen Miranda) e o DJ Joaquim Zion, mas isto é assunto para outro texto, específico sobre a noite de 3 de outubro próximo.

Rui Mário (sanfona) destacou a importância do projeto para a valorização da música e dos músicos do Maranhão, não só do choro. O Trítono Trio, completado por Robertinho Chinês (bandolim) e Israel Dantas (violão), na ocasião substituído por Luiz Jr. (violão sete cordas), recebeu os reforços de Ronald Nascimento (bateria) e Mauro Sérgio (contrabaixo). O resultado foi um repertório refinado em execuções idem. Nada de conformismo ou mesmice. Tico-tico no fubá (Zequinha de Abreu), por exemplo, ganhou ares de tango, sem perder a essência da música ligeira que exige habilidade e técnica apuradas de quem encara o desafio de tocá-la.

Célia Maria agradou o público ao mesclar em seu repertório, clássicos do cancioneiro nacional, músicas de seu disco de estreia e do próximo disco, ainda sem data de lançamento. Entre outras, A banca do distinto (Billy Blanco), um libelo contra o racismo, Ingredientes do samba (Antonio Vieira), Milhões de uns (Joãozinho Ribeiro), ambas de seu disco de estreia, Saiba, rapaz (Joãozinho Ribeiro), música que cantou no disco de estreia do compositor, Adeus, Billie (Cesar Teixeira), inédita que está em seu disco novo, que cita a diva jazz Holiday, e Balança pema (Jorge Benjor).

As canjas, inspiradas, contaram com as presenças de Paulo Trabulsi (cavaquinho), Luiz Cláudio (percussão) e Alberto Trabulsi (voz e violão). A exemplo da primeira edição, certamente as canjas dão ideia das edições futuras – nenhuma é igual a outra. Esta contou inclusive com a canja surpresa do mineiro Paulinho Pedra Azul, que havia feito show no Teatro Arthur Azevedo na quinta-feira anterior, celebrando os 30 anos de namoro com a capital aniversariante. Entre choros seus e de Godofredo Guedes, pai de Beto Guedes, além do clássico Jardim da fantasia, o artista não poupou elogios ao projeto e à militância chorona de seu idealizador, produtor e apresentador, além dos músicos que o acompanharam, de improviso, dizendo-se feliz em estar ali. A plateia foi ao delírio.

Com patrocínio da Fundação Municipal de Cultura (Func), Gabinete do Deputado Bira do Pindaré, TVN e Galeteria Ilha Super, apoio do Restaurante Barulhinho Bom, Calado e Corrêa Advogados Associados, Sonora Studio, Clube do Choro do Maranhão, Gráfica Dunas, Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e Musika S.A. Produções Artísticas e produção de RicoMar Produções Artísticas, RicoChoro ComVida já está consolidado no calendário cultural de São Luís: o projeto manteve um bom público, mesmo com a programação gratuita alusiva ao aniversário da capital que já acontecia na cidade.

Segunda edição de RicoChoro ComVida gera grandes expectativas

[release]

Célia Maria, considerada a “voz de ouro” do Maranhão, será acompanhada pelo Trítono Trio. Noite terá ainda discotecagem de Pedro Sobrinho

Robertinho Chinês (cavaquinho e bandolim), Rui Mário (sanfona) e Israel Dantas (violão), o Trítono Trio. Foto: divulgação
Robertinho Chinês (cavaquinho e bandolim), Rui Mário (sanfona) e Israel Dantas (violão), o Trítono Trio. Foto: divulgação

 

É grande a expectativa para a segunda edição de RicoChoro ComVida. Com edições mensais até o fim do ano no Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande) e produção de Ricarte Almeida Santos, o projeto pretende repetir o sucesso da edição inaugural, quando o restaurante ficou completamente lotado.

Desta vez os convidados são o Trítono Trio, a cantora Célia Maria e o DJ Pedro Sobrinho. O primeiro é formado pelos virtuoses Israel Dantas (violão), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Rui Mário (sanfona). A eles somam-se o talento de Mauro Sérgio (contrabaixo) e Ronald Nascimento (bateria). Sim, o trio vira um quinteto nesta ocasião.

“Na verdade, eles são nossos convidados. Junto deles podemos explorar mais sonoridades para nossa música, pelo fato de compartilharem de ideias iguais às nossas”, explica Robertinho Chinês. “Somos três solistas, precisaríamos de outros instrumentos que dessem uma cor diferente para nosso trabalho. Assim decidimos que teríamos a opção de eventualmente esse trio se tornar um quinteto, dando até uma dinâmica nas nossas apresentações. Então os convidamos, dois grandes e maravilhosos músicos”, completa Rui Mário.

O repertório promete: composições próprias e releituras de clássicos do choro e da música brasileira. Dominguinhos, Hermeto Pascoal, Ivan Lins, João do Vale, Zequinha de Abreu, Egberto Gismonti, Tom Jobim e Sivuca estão no cardápio do grupo.

O "dejota" Pedro Sobrinho. Foto: divulgação
O “dejota” Pedro Sobrinho. Foto: Fafá Lago

Discotecagem – Antes, o DJ Pedro Sobrinho aquece o público. Antenado, “plugado”, como se chama o programa de rádio que apresenta, ele é um dos mais requisitados “dejotas” – como ele mesmo brinca de aportuguesar a sigla de disc jockey – da ilha. Na ocasião, em sua seleção sempre calcada em pesquisa, samba rock dos anos 1960 e 70, remixes de bossa nova, samba e choro, sem fugir da essência do RicoChoro ComVida.

“Pela grandeza, é um evento de que tenho o maior prazer de participar. Agradeço o convite do seu idealizador Ricarte Almeida Santos. Espero que a plateia ouça e se divirta com esse repertório, criado especialmente para aquecer esse projeto mensal que valoriza o músico maranhense e o choro, esse patrimônio genuinamente brasileiro”, declarou Pedro Sobrinho.

Voz de ouro – Formada na escola dos programas de auditório de rádios do Maranhão, Célia Maria ganhou o nome artístico justamente ao se apresentar em um pela primeira vez: com medo de ser reconhecida, Cecília Bruce dos Reis usou o nome artístico que a acompanha até hoje. Chegou a cantar nas rádios Nacional e Mayrink Veiga, nos programas de César de Alencar e Abelardo Barbosa, o Chacrinha.

A diva Célia Maria. Foto: Ton Bezerra
A diva Célia Maria. Foto: Ton Bezerra

No mítico Zicartola conheceu e cantou ao lado de figuras como Zé Kéti, João do Vale, Paulinho da Viola e Jackson do Pandeiro, entre outros. Conhecida como “a voz de ouro” do Maranhão, Célia Maria tem um disco gravado, o homônimo Célia Maria (2001). Naquele ano, deu ao compositor Joãozinho Ribeiro o prêmio Universidade FM de melhor composição, pelo choro Milhões de uns, com arranjo de Ubiratan Sousa.

Atualmente prepara seu segundo disco, inteiramente dedicado a sambistas da Madre Deus. O trabalho tem produção e direção musical do violonista Luiz Jr. Participou das coletâneas Memória – Música do Maranhão (1997) e Antoniologia Vieira (2001), este último lembrado entre os 12 discos mais importantes da música do Maranhão, em enquete do jornal Vias de Fato junto a produtores, radialistas, jornalistas, djs, escritores e pesquisadores. Em Milhões de uns – vol. 1, estreia fonográfica de Joãozinho Ribeiro, interpreta o choro Saiba, rapaz.

Os músicos do Trítono Trio derretem-se em elogios à diva. “Já tive a honra de acompanhá-la algumas vezes e gravar no seu cd que está em fase de elaboração. Dona Célia é uma grande dama da música, é sempre uma satisfação e um aprendizado acompanhá-la”, revelou Robertinho Chinês. “Ficamos muito felizes em saber que iríamos acompanhar essa grande cantora, grande intérprete, de uma sensibilidade rítmica e melódica incrível. A responsabilidade é imensa, mas também, vai ser um encontro maravilhoso, onde vamos fazer de tudo para que o show seja um grande espetáculo”, prometeu Rui Mário.

RicoChoro ComVida tem patrocínio da Fundação Municipal de Cultura (Func), Gabinete do Deputado Bira do Pindaré e TVN, apoio do Restaurante Barulhinho Bom, Calado e Corrêa Advogados Associados, Sonora Studio, Clube do Choro do Maranhão, Gráfica Dunas, Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e Musika S.A. Produções Artísticas e produção de RicoMar Produções Artísticas.

Serviço

O quê: RicoChoro ComVida
Quem: Trítono Trio, Célia Maria e DJ Pedro Sobrinho
Quando: 5 de setembro (sábado), às 18h
Quanto: R$ 20,00 (metade para estudantes com carteira e demais casos previstos em lei). R$ 120,00 (mesa para quatro lugares. Venda antecipada pelo telefone (98) 988265617)
Onde: Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande)
Patrocínio: Fundação Municipal de Cultura (Func), Gabinete do Deputado Bira do Pindaré e TVN
Apoio: Restaurante Barulhinho Bom, Calado e Corrêa Advogados Associados, Sonora Studio, Clube do Choro do Maranhão, Gráfica Dunas, Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e Musika S.A. Produções Artísticas
Produção: RicoMar Produções Artísticas
Maiores informações: (98) 988265617, 981920111 e/ou 991668162

Tradição, modernidade, alegria e diversão no Bailinho Abre Alas 2015

[release]

Divulgação

Confete e serpentina. Cerveja gelada ou outra bebida de sua preferência. Fantasia e muita animação. Está faltando algo para seu Carnaval? Como boa música é um ingrediente indispensável, a pedida de abertura da festa de momo é o Bailinho Abre Alas 2015.

Uma verdadeira “noite do prazer”, com muito “balancê”, um pé na tradição de sambas, frevos e marchas do menu carnavalesco, outro na contemporaneidade da moderna música popular brasileira. Uma festa para agradar a gregos e troianos, baianos e piauienses, mas sobretudo a você, sua família e seus amigos presentes.

O Bailinho Abre Alas 2015 terá como atrações os cantores Marconi Rezende e Katiana Duarte e o DJ Pedro Sobrinho e acontecerá dia 13 (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h, no Bar Bendita Hora (Rua dos Maçaricos, nº. 2, Lagoa da Jansen). Os ingressos, à venda no local, custam apenas R$ 25,00.

“Eu gosto desse carnaval das misturas. O importante é a pessoa chegar no salão fantasiado e cair na folia independente da música que está tocando”, afirma o dejota, para usarmos a expressão que ele prefere. Pedro Sobrinho é um dos mais renomados djs do Maranhão e seu nome está sempre aliado a um profundo trabalho de pesquisa. Em seu set list convivem samba, rock, reggae, salsa, ska, blues, jazz, world music e o que mais pintar. Não será diferente no Bailinho. “O bacana é que vou compartilhar essa mistura armando o terreno para a música orgânica de Marconi Rezende e Katiana Duarte. Estou preparando um repertório para garantir a diversão do folião ludovicense”, promete.

Marconi Rezende, embora mais conhecido pelo refinamento com que trata o repertório de Chico Buarque, seu maior ídolo, passeia com desenvoltura pela obra de grandes nomes da música brasileira. É o que ele apresentará no Bailinho, com foco na tradição do carnaval. Ele passeará por um repertório de marchas, sambas e frevos de nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso e Moraes Moreira, entre muitos outros. “Será uma boa mistura de recordação e entusiasmo contemporâneo, um ensejo para extrairmos todo o prazer dessas canções que nos encheram de alegria, cada uma em seu momento, e que continuam com uma grande força neste período”, antecipa Marconi.

“Adorei o convite para participar do Bailinho Abre Alas junto com Marconi Rezende e Pedro Sobrinho. O que me encanta na proposta é a diversificação de estilo musical, passeando do moderno ao tradicional e vice-versa. Será uma experiência inesquecível, estou ansiosa”, revela a cantora Katiana Duarte, que, com quase 20 anos de carreira na noite de São Luís, apresentou-se recentemente no Bar Café Brasil, em Oslo, Noruega. Seu repertório será baseado em nomes mais recentes da música brasileira, como Nando Reis, Vanessa da Mata e Zeca Baleiro.

Os produtores acreditam que o grande trunfo do Bailinho Abre Alas seja justamente essa diversidade de repertório, a qualidade dos artistas e, sem dúvida, a alegria, diversão e disposição do público. A quem porventura pensar tratar-se de evento infantil, pelo nome, eles avisam: é uma festa para um público seleto, daí o nome; a alegria e satisfação dos presentes serão enormes, prometem.

Serviço

O quê: Bailinho Abre Alas – 2015
Quem: Marconi Rezende, Pedro Sobrinho e Katiana Duarte
Quando: 13 de fevereiro (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h
Onde: Bar Bendita Hora (Rua dos Maçaricos, nº. 2, Lagoa da Jansen)
Quanto: R$ 25,00
Informações: (98) 983033995 (Tim) e 98822-6206 (Oi)

Dia dos bruxos

31 de agosto não é dia das bruxas: é dos bruxos.

Uma vez fui a uma festa em que as atrações eram o mesmo trio titular de DJs anunciados na filipeta que abre/ilustra este post: Franklin, Pedro Sobrinho e Zod, em ordem alfabética. A eles, nesta, se soma o convidado Jards Zue.

Desta vez o palco é o Odeon, bar que foge à regra quase geral do mau gosto que toma conta da Praia Grande.

O mote da festa é celebrar antecipadamente os controversos 400 anos de São Luís, 400 anos de lendas, doidices e mistérios. É tanta doidice que o Odeon anuncia este grande encontro para 32 de agosto. Doidice? Eles sabem que o negócio vai amanhecer e muita gente nem vai querer saber de “quando entrar setembro”…

Sarau de Bailados, hoje, no Laborarte

Com destaque para os ritmos populares do Maranhão, o Sarau de Bailados reúne diversas expressões, como mostra o cartaz acima. Confira a programação de hoje, que acontece na sede do Laborarte (Rua Jansen Müller, 42, Centro): 19h: Roda de Capoeira com os mestres Patinho e Nelsinho, na Sala Cecílio Sá > 20h: Exposição de fotos e cartazes, vídeos sobre a Ilha de São Luís e estórias e casos sobre a cidade > 21h: Performance Inversões (de Gonçalves Dias a Nauro Machado), com Keyla Santana; Roda de Cacuriá com Cecé Ferreira; grupo de BBoys Cidade Operária Crew > 22h: DJ Pedro Sobrinho; grupo Bambaê de Saias e show Bailados com Rosa Reis e a Quadrilha do Vai Quem Quer.

A produção não informou o valor dos ingressos.