Choro e Praia Grande: patrimônios nossos

Foto: Rose Panet

 

O Instrumental Pixinguinha se apresenta hoje (22), às 19h, no Restaurante Flor de Vinagreira, na Rua da Estrela, Praia Grande – o local é o antigo Antigamente e piadas internas em grupos de whatsapp acendem debates sobre o nome do bairro, tal qual citado, e o nome Reviver, pelo qual também ficou conhecido, desde um inacabado projeto de revitalização que já conta mais de três décadas.

Formado por professores da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem), vizinha de rua do restaurante, a ideia do Instrumental Pixinguinha é iniciar uma temporada, sentando praça no novo point todas as segundas-feiras – o Expoentes da Música, às quintas-feiras, no mesmo horário, com a dj Vanessa Serra, me parece já estar firmado.

O Pixinguinha é formado por Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco, Nonatinho (pandeiro) e Raimundo Luiz (bandolim). O grupo toma emprestado o nome de Alfredo da Rocha Viana Filho, cuja data de nascimento (em 1897) foi transformada em Dia Nacional do Choro – pela lei federal nº. 10.000, de 4 de setembro de 2000, sancionada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso. No Maranhão, a lei 10.996, de 7 de dezembro de 2018, sancionada pelo governador Flávio Dino, institui o Dia Estadual do Choro, a ser celebrado na mesma data.

É, portanto, simbólica a data escolhida pelo Instrumental Pixinguinha para esta apresentação – que esperamos marcar o início de uma longeva temporada: poderá ser considerada a abertura de uma semana de comemorações do Dia Nacional e Estadual do Choro, que amanhã (23), às 19h, como já é tradição, terá grande festa, na Galeria Valdelino Cécio (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande), sendo o grupo o anfitrião, mas com diversos convidados se apresentando ao longo da noite e a homenagem ao cavaquinhista Paulo Trabulsi – único remanescente da primeira formação do Regional Tira-Teima, mais antigo grupamento de choro em atividade no Maranhão.

A semana deve brindar chorões iniciados e neófitos com outras iniciativas, com palcos, grupos e instrumentistas distintos, atestando a relevância de São Luís como praça brasileira de choro, ao lado de cidades como Brasília/DF, Fortaleza/CE Recife/PE, Rio de Janeiro/RJ e Santos/SP, entre outras.

Que a estas iniciativas se somem outras, num esforço de preservação e ocupação do centro histórico ludovicense. Afinal de contas é sempre mais fácil e cômodo apenas reclamar, enquanto empresários optam por abrir negócios do outro lado da ponte e grupos por tocarem em locais mais chiques ou “blindados”. Choro e Praia Grande são patrimônios nossos e patrimônios não se fazem apenas com pedras, mas sobretudo com gente.

Choro em dose dupla para celebrar aniversário de Pixinguinha

Celebração do Dia Nacional do Choro acontece na véspera, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Divulgação
Celebração do Dia Nacional do Choro acontece na véspera, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Divulgação
"Jornada Chorística do Maranhão" acontece em dois tempos no São Luís Shopping. Divulgação
“Jornada Chorística do Maranhão” acontece em dois tempos no São Luís Shopping. Divulgação

Como já é tradição nos calendários musical e cultural de São Luís, será comemorado o Dia Nacional do Choro, homenagem ao nascimento de Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha (23/4/1897-17/2/1973), um dos mais importantes nomes do gênero e da música brasileira.

A data é celebrada a cada 23 de abril. A novidade em 2016 é que haverá duas festas: uma, a oficial, promovida pela Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem), cujos corredores, tendo professores e alunos em várias formações, foram berço de diversos grupamentos. A segunda festa acontecerá na nova praça de alimentação do São Luís Shopping. Nesta, os músicos abriram mão de seus cachês, em favor do livro Chorografia do Maranhão, a ser lançado em breve. Ambos os acontecimentos são gratuitos e abertos ao público.

“Parte dos recursos para fazer o livro estão garantidos por edital da Fapema [a Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão], outra parte foi arrecadada através de campanha de financiamento coletivo na internet, mais um pedaço está vindo da solidariedade dos músicos que se apresentarão no São Luís Shopping e há, ainda, promessas de empresas privadas. Ficamos muito felizes com a iniciativa do shopping e o gesto dos músicos. De pedacinho em pedacinho, a gente vai conseguindo contar estes importantes capítulos da história do choro e da música do Maranhão”, comenta Ricarte Almeida Santos, autor do livro, com este que vos perturba e o fotógrafo Rivanio Almeida Santos.

A programação da Emem acontece dia 22 (sexta-feira), às 18h, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Como em anos anteriores, a iniciativa homenageará um chorão local. Este ano será o bandolinista e cavaquinhista Roquinho, que curiosamente não está entre os 52 entrevistados pela Chorografia do Maranhão: o músico simplesmente negou-se a atender todos os insistentes pedidos de entrevista dos chororrepórteres – o que não lhe diminui o brilho, o talento e a importância para a cena choro local. O convite anuncia a “participação de instrumentistas, grupos de choro da cidade e artistas convidados”, destacando os grupos Instrumental Pixinguinha, Regional Tira-Teima, Chorando Callado e Os Cinco Companheiros.

No São Luís Shopping a comemoração acontece sábado (23), em dois turnos. A “Jornada Chorística do Maranhão”, como foi batizado o evento, terá o primeiro tempo ao meio dia, com Trio Feitiço da Ilha e Chico Nô, Suellen Almeida (flauta), Regional Deu Branco, Urubu Malandro e Instrumental Pixinguinha. O segundo tempo, que começa às 18h, contará com Os Cinco Companheiros, Quinteto Bom Tom e Anna Cláudia, Regional Camisa de Bolso, Trítono Trio, Danuzio Lima (flauta) e Regional Tira-Teima.

Do quintal ao municipal, como no título do livro de Henrique Cazes, e agora à praça de alimentação, o choro se renova e conquista novos espaços e público. Vida longa, com as bênçãos de São Pixinguinha.

Confira o encontro do Instrumental Pixinguinha com o Regional Tira-Teima em Cochichando [Pixinguinha/ João de Barro/ Alberto Ribeiro], durante a 8ª. Aldeia Sesc Guajajara de Artes em 2013.

‘Chorões’ comemoram a vitalidade do gênero genuinamente brasileiro

Pixinguinha e o Choro brasileiro confundem-se no imaginário popular. Não é à toa que o dia escolhido para homenagear esse gênero musical (23 de abril) é também o aniversário de Alfredo da Rocha Vianna Filho, que ficou conhecido como Pixinguinha, um dos maiores compositores, arranjadores e instrumentistas da Música Popular Brasileira.

Genuinamente brasileiro, o Choro é tocado – e apreciado – no país todo. Zema Ribeiro, jornalista e produtor do projeto Chorografia do Maranhão, costuma dizer que há sotaques diferentes no Choro tocado em cada lugar, fruto das influências das culturas locais.

“A formação instrumental pode variar, mas não é por conta da geografia. Nos primórdios do choro, fins do século 19, início do século 20, a formação dos Regionais (nome dado aos grupos que tocam choro) era quase invariável, ficando entre flauta, cavaquinho, pandeiro e violão. Depois, outros instrumentos se somaram, como o violão sete cordas, o bandolim, a sanfona, o clarinete, o piano e tantos outros. O piano, inclusive, está nas origens do Choro, mas sem integrar grupamentos”.

O produtor também conta que, hoje, com o interesse das novas gerações, o Chorinho, como é também chamado, renova-se, ganha sobrevida, tem o advento de instrumentistas mais novos no tocar e apreciadores mais jovens no ouvir. “Por isso que dizemos que o Choro é, além de gênero musical, uma maneira de tocar”, afirma.O SaraivaConteúdo conversou com músicos e especialistas de várias partes do país. Eles deram dicas bacanas para quem quer ouvir e saber mais sobre o Choro.

&

Trecho inicial da matéria que a jornalista Maria Fernanda Moraes escreveu para o SaraivaConteúdo sobre o Dia Nacional do Choro, para a qual dei um depoimento. Texto completo aqui.

Em São Luís, o aniversário de Pixinguinha será lembrado na AABB: organizado pela Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo, um show gratuito, a partir das 19h, reunirá diversos nomes da cena choro ludovicense, entre os quais o Instrumental Pixinguinha e o Regional Tira-Teima. Além do aniversariante do dia também será homenageado o flautista Serra de Almeida (que, na foto que ilustra este post, aparece sendo entrevistado para a série Chorografia do Maranhão por Ricarte Almeida Santos e este que vos tecla).

De clássicos (para o dia começar e terminar bem)

O clássico de ontem terminou bem. Pra começar idem a segunda-feira, alguns outros:

Choro nº. 1, de Heitor Villa Lobos, por Turíbio Santos.


Um medley com Pedacinhos do céu, Delicado e Brasileirinho, todas de Waldir Azevedo, por Danilo Brito, bandolinista que aqui aparece tocando cavaquinho, instrumento de origem do autor.

Brejeiro, de Ernesto Nazareth, com o Conjunto Época de Ouro.


Santa Morena, de Jacob do Bandolim, com o Trio Madeira Brasil.


E pra fechar o clima animadíssimo da Banda Mantiqueira, com Segura ele, do aniversariante do dia, Pixinguinha, propósito da data de hoje ser o Dia Nacional do Choro.

E a segunda-feira certamente vai terminar bem e bonita: