Jazz até no escuro

Foto: Zema Ribeiro

 

​​”O doce é melhor”, respondeu-me Daniel Cavalcante (trompete e flugelhorn) quando eu disse que finalmente havia ido ver “se esse Buriti prestava”. Ambos brincávamos e eu me referia ao quarteto que ele forma ao lado de Ronald Nascimento (bateria), Wesley Sousa (teclado) e Mauro Sérgio (contrabaixo).

Ontem o Quarteto Buriti se apresentou no Buriteco Café (Rua Portugal, 188, Praia Grande) para um bom público, a despeito do rodízio: difícil entender como alguém consegue sair no meio de um show com um nível tão bom (tocaram pouco mais de duas horas).

Começaram com So what (Miles Davis), que abre o clássico Kind of blue (1959), quase sempre apontado por jazzófilos insuspeitos como o maior disco de jazz de todos os tempos. Seguiram-se Naima (John Coltrane) e All the things you are (Jerome Kern e Oscar Hammerstein II), sucesso de Ella Fitzgerald. Durante a execução de Corcovado (Tom Jobim) faltou energia. Com o apagão dos instrumentos elétricos, trompete e bateria duelaram no escuro, até o fim da canção.

Menos de meia hora depois a plateia aplaudiu o retorno da energia elétrica. Novamente tirei onda com Daniel: “difícil agora vai ser superar o aplauso da luz”. Ele riu e anunciou que tocariam Corcovado novamente. Para mim não precisava, dado o fecho incrível ante o inusitado. “Eu adoro!”, revelou-me antes do bis no meio do show, que puxou outra sequência instrumental de bossa nova. Seguiram-se Só danço samba (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), Garota de Ipanema (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e Amazonas (João Donato e Lysias Enio).

Conhecedor dos talentos individuais dos integrantes do Buriti, não me restavam dúvidas sobre a qualidade do quarteto, embora uma constelação de craques nem sempre traga títulos, vide o time que o Flamengo montou quando de seu centenário em 1995. Não bastasse a enorme qualidade do grupo, afiado e despojado, entre execuções precisas, solos inspirados e improvisos idem, a noite ainda nos guardava uma surpresa.

Gabriela Marques subiu ao palco, apresentou os músicos e acabou esquecendo de se apresentar (ou eles a ela). Seu cartão de visitas, no entanto, foram as três canções que interpretou com bastante personalidade: Chega de saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), Desafinado (Tom Jobim e Newton Mendonça) e Autumn leaves (Joseph Kozma, John Mercer, Jacques Prevert e Jacques Enoch), que ganhou versão em português de Chico César, em 2006.

Ela canta tamborilando o microfone com os dedos, como se estivesse diante de um trompete imaginário. Ou um piano, já que ela, antes das canções que interpretou, armava acordes no teclado de Wesley antes de ditar o tom aos escudeiros da noite.

Após sua descida do palco, Mauro Sérgio foi temporariamente substituído por Davi Oliveira, na sequência formada por Wave (Tom Jobim), Isn’t she lovely (Stevie Wonder) e A rã (João Donato), executada em versão instrumental. A música tem letra de Caetano Veloso e me peguei imaginando como teria sido, na ocasião, se cantada por Gabriela Marques, mas já era querer demais. A essa altura havia se somado ao quarteto o guitarrista Júlio César, até então sentado num canto do bar, bebericando discretamente.

Um bom número de alunos da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo ocupava o recinto. Daniel e Mauro (novamente de volta ao palco) são professores da instituição; Ronald e Wesley, alunos – o trompetista Gabriel Oliveira, aluno de Daniel, chegou a dar uma canja.

O bis já havia rolado ao fim do apagão e a noite foi encerrada com Blue train (John Coltrane) e Doralice (Dorival Caymmi). O Quarteto Buriti se apresenta hoje (4), às 21h, no Talkin Blues (Rua Auxiliar II, quadra 9, nº. 16, Cohajap).

Metais em brasa hoje no Sesc Partituras

O Marabrass em Alcântara. Foto: divulgação
O Marabrass em Alcântara. Foto: divulgação

 

O auditório da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem, Rua da Estrela, Praia Grande) recebe hoje (29), às 19h, mais uma edição do Concerto Sesc Partituras – o espetáculo integra a programação de aniversário de 70 anos do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Daniel Cavalcante (trompete) regerá o sexteto Marabrass, formado, além dele, por Hugo Carafunim (trompete), Jairo Moraes (trompa), Daniel Miranda (trombone), George Campos (tuba) e Marcel Pereira (percussão).

“Quando eu recebi o convite, pensei em fazer uma formação diferente, mas ao me debruçar sobre o banco de partituras do Sesc, optei por tocar com o grupo que já existia, o Quinteto Marabrass, Mara de Maranhão e brass de metais, que já tem 13 anos tocando junto. É grande a responsabilidade”, contou Daniel Cavalcante ao Homem de vícios antigos.

Ele prometeu “mesclar o repertório [do acervo do Sesc Partituras] de forma que a gente possa transitar entre o erudito e o popular”, destacando, entre os compositores que estarão no repertório do Marabrass na noite de hoje, nomes como “Henrique Alves de Mesquita, Marcílio Onofre, Maestro Duda e Bonfiglio de Oliveira, dentre outros”.

A biblioteca virtual de partituras do Sesc tem acesso gratuito a qualquer interessado/a. O concerto de hoje à noite também.

Gravado em Belo Horizonte, Cinco Gerações será lançado amanhã (24) em São Luís

Como o disco de estreia de Osmar do Trombone show de lançamento terá participações especiais

Oriundo de Carajri, na Baixada Maranhense, Osmar do Trombone é um talentoso músico, cujo nome pode ser lido em diversas fichas técnicas de discos e shows, além das rodas informais, escola fundamental para qualquer músico que se preze, ainda mais em se tratando de choro.

A genética não explica tudo e é sempre necessário muito trabalho para se desenvolver um talento. Feito pimenta e facebook, Osmar do Trombone vem sendo curtido já faz bastante tempo. Nascido em uma família de músicos, a história é por demais conhecida. Frequentadores do saudoso Clube do Choro Recebe, ouvintes do Chorinhos e Chorões de Ricarte Almeida Santos na Rádio Universidade FM (106,9MHz) e, mais recentemente, leitores da Chorografia do Maranhão nas páginas de O Imparcial, série para a qual o músico foi entrevistado em junho passado, já a leram ou ouviram, talvez mais de uma vez.

Inspirado e cheio de brejeirice, Osmar compôs um choro ao qual deu o nome de Quatro gerações. Eram ele – o próprio Osmar –, seu filho Osmar Jr., saxofonista, seu pai e seu avô. Depois, ao descobrir um bisavô que já tocava, mudou o nome da música: Cinco Gerações.

O belo choro batiza a estreia de Osmar do Trombone em disco solo, gravado ano passado em Belo Horizonte. O nome do solista não aparece na capa. Cinco Gerações é encarado como um trabalho da dupla formada por pai e filho, ou além, da grande roda que se tornou a feitura desta bolachinha recheada de felizes coincidências.

Osmarmanjos filho e pai em detalhe do encarte de Cinco Gerações

Depois de desistir do curso de Administração e resolver dedicar-se integralmente à música, Osmar Jr. prestou vestibular para Música em Minas Gerais – está cursando o bacharelado em saxofone na UFMG. Rapidamente virou figurinha fácil em rodas de choro em bares como Salomão, Pastel de Angu, Bolão e Mosteiro – tive a oportunidade de visitar este último em dezembro passado e já deveria ter escrito algo para compartilhar com os poucos mas fiéis leitores, não é mesmo?

Nestas rodas, Osmarzinho, como também é conhecido, sempre falou do pai – “papai toca trombone” – e sempre procurou mostrar a música instrumental produzida no Maranhão. Um dia Osmar foi visitá-lo, descascou o trombone e mandou ver Na Glória (Ary dos Santos/ Felipe Tedesco/ Raul de Barros): quase toma de seu filho o posto de xodó dos mineiros.

Entre idas e vindas entre Maranhão e Minas, sem pressa, com participações especiais e um repertório entre o autoral e as belas criações de nossos grandes mestres na arte de compor, Osmar do Trombone foi moldando Cinco Gerações, sonho agora realizado, já acalentado há bastante tempo.

Solidariedade e gentileza sabemos o que geram: senhor de seu instrumento, Osmar humildemente permitiu a presença de outros trombonistas em seu disco, o que certamente contribuiu para enriquecê-lo. O resultado evidencia as qualidades de Osmar enquanto instrumentista e compositor, um artista apto a subir em qualquer palco no mundo, sem nunca esquecer as referências de sua Baixada, de seu Maranhão de origem. As influências estão ali nas células rítmicas de suas criações, mesmo quando elas deixam livres – para improvisar e mostrar também suas influências – os músicos de Minas que aparecem na ficha técnica: Abel Borges (pandeiro), Alaécio Martins (trombone), Fábio Martins (percussão), Gilberto Júnior (trompete), Lucas Ladeia (cavaquinho), Lucas Telles (violão sete cordas), Luísa Mitre (sanfona), Marcelo Braga (sax soprano), Marcos Flávio (trombone), Miguel Praça (trombone), Oszenclever (pandeiro), Rafael Francisco (flauta), Raíssa Anastásia (flauta), Rodrigo Picolé (pandeiro), William Alves (trompete), além dos maranhenses João Neto (flauta) e Osmar Jr. (saxofones), este também integrante do Quarteto de Saxofones completado por Cesar Baracho (sax alto), Harrison Santos (sax tenor) e Luís Flávio (sax barítono).

Osmar do Trombone assina cinco composições: Saudades de Tororoma, homenagem a um rio que lhe banhou a infância, Cinco Gerações (que aparece em duas gravações, uma um bis em execução do Quarteto de Saxofones integrado por Osmar Jr. na UFMG), Momentos, Pulo do Gato, com acento jazzístico, e De ladeira abaixo. Intercaladas à porção autoral, as demais faixas funcionam como uma antologia do choro maranhense: O samba é bom (Antonio Vieira), Das cinzas à paixão e Rayban (ambas de Cesar Teixeira), Saiba, rapaz (Joãozinho Ribeiro) e Terra de Noel (Josias Sobrinho) demonstram também a coragem de Osmar do Trombone. Não é fácil nem simples regravar em leitura instrumental, choros com letras, ainda mais da lavra destes compositores. Não é que o músico dispense a lírica dos bardos, isso não explicaria: o que Osmar e companhia fazem é tornar – nunca reduzi-las a – instrumentais as criações alheias.

Cesar Teixeira, Joãozinho Ribeiro e Josias Sobrinho são alguns dos convidados do show de lançamento de Cinco Gerações, que acontecerá nesta sexta-feira (24), às 21h, no Barulhinho Bom (R$ 10,00, ingressos à venda no local). Além do filho Osmar Jr. (saxofones), Osmar do Trombone será acompanhado por Daniel Cavalcante (trompete), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), João Soeiro (violão), Luciano Lima (percussão), Rafael Guterres (cavaquinho), Rui Mário (sanfona) e Wanderson Santos (percussão). Mas como em qualquer roda de choro que se preze, no Maranhão, em Minas Gerais ou em qualquer lugar, outros nomes com certeza aparecerão. São Cinco Gerações festejando: você não vai deixar a sua fora dessa, vai?