Choro em dose dupla

Abaixo, as duas participações mais recentes que, mui honrosamente, fiz no Chorinhos & Chorões, com Ricarte Almeida Santos, na Rádio Universidade FM (106,9MHz). Na primeira, de 18 de março passado, conversamos com Biné do Banjo, que na ocasião apresentou seu disco Visitação, produzido e arranjado por Ubiratan Sousa; na segunda, de 25 de março, com João Pedro Borges, o Sinhô, sobre Ernesto Nazareth, por ocasião de seus 149 anos de nascimento. Ouçam!

Mais Ernesto Nazareth

Esta semana o blogue tem lembrado de Ernesto Nazareth, por ocasião dos 149 anos de seu nascimento e pelo lançamento do site do IMS que o homenageia. Abaixo, algumas pérolas deste compositor, executadas por nomes do primeiro time de nossa música instrumental:

Lembrando que domingo (25), às 9h, na Rádio Universidade FM tem Chorinhos & Chorões, com Ricarte Almeida Santos e as participações deste que vos perturba e João Pedro Borges. Não percam!

Projeto celebra o músico Ernesto Nazareth

O IMS lança hoje site que resgata composições, partituras e documentos do pianista, que faria 150 anos em 2013

Artista, que foi um dos arquitetos da identidade musical brasileira, deixou 211 peças para piano

JOÃO BATISTA NATALI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O IMS (Instituto Moreira Salles) coloca hoje no ar um site com músicas, partituras e documentos que marcarão a contagem regressiva para a comemoração, no ano que vem, dos 150 anos de nascimento de Ernesto Nazareth (1863-1934), compositor e pianista que, por meio do choro, foi um dos arquitetos da identidade da música brasileira.

Nazareth deixou 211 composições para piano, como “Apanhei-te, Cavaquinho”, “Odeon”, “Brejeiro” ou “Dengoso”. O pianista brasiliense Alexandre Dias, 28, que abastecerá o site em “uploads”, diz existirem cerca de 2.400 gravações do compositor, das quais 2.100 poderão ser ouvidas em até dois meses, quando os arquivos virtuais estiverem inteiramente disponíveis.

Bia Paes Leme, coordenadora do acervo de música do IMS, diz que “Nazareth nunca chegou a submergir no esquecimento, mesmo se, nos anos da bossa nova, seu repertório parecesse um pouco ‘démodé'”. Mas o compositor recuperou seu antigo fôlego nos anos 1980, quando músicos buscavam se firmar por critérios nacionalistas próprios ao choro.

Boa parte das partituras originais e documentos do compositor estão no IMS, cedidas por Luiz Antonio de Almeida, biógrafo do compositor que recebeu o acervo como herança. Mas há também documentos na Biblioteca Nacional, no Rio, e muita coisa de colecionadores.

O culto à memória de Nazareth, por meio da restauração de partituras e da coleta de gravações, é um trabalho antigo, feito por mãos de reconhecida erudição, como a da musicóloga Sara Cohen ou da cravista Rosana Lanzelotte, que há três anos incluiu Nazareth entre compositores brasileiros com partituras para “download” no Instituto Música Brasilis.

“O que pretendemos é que nosso site possa ser a referência maior de Nazareth”, diz Bia Paes Leme.

Ao lado de Chiquinha Gonzaga (1847-1935), Nazareth concebia o piano como o local de encontro entre o erudito e o popular. Segundo Alexandre Dias, é mais que óbvio que os grandes intérpretes de Nazareth sejam músicos de formação clássica, como Maria Teresa Madeira, Aloysio de Alencar Pinto, ou, sobretudo, Arthur Moreira Lima -um “cult” discográfico no Brasil, em 1975 e 1977, e nos Estados Unidos em 1982, por gravações em que Nazareth foi o autor exclusivo.

Alheio aos excessos e escândalos da boêmia, Ernesto Nazareth foi um pacato professor de piano num país em que se civilizava com música própria, dono de ritmos e harmonias de raízes populares urbanas. Foi um solitário, numa versão tropical e tardia de Chopin ou Lizst. Sustentou o pai e quatro filhos como músico de salão.

Direitos autorais eram coisa rara. “Se dependesse de minhas composições, morreria de fome”, disse certa vez.

Nota do blogue – Domingo (25), no Chorinhos & Chorões (Rádio Universidade FM, 106,9MHz), participo, no programa de Ricarte Almeida Santos, de uma homenagem a Ernesto Nazareth. Sintonizem!

Choros revelados

Dois cliques de Val Monteiro, manhã de hoje, Chorinhos & Chorões, ocasião em que participei, sempre uma honra e um prazer, do programa de Ricarte Almeida Santos, lançando o ótimo Visitação, disco de choro com parte da obra de Biné do Banjo, em cujas composições visita ritmos da cultura popular do Maranhão, vários sotaques de bumba meu boi, tribo de índio, a sambatucada dos Fuzileiros da Fuzarca e o tambor de crioula, entre outros. Tudo em arranjos caprichadíssimos do mestre Ubiratan Sousa e mais não digo por que o disco merecerá um post exclusivo.

Na segunda foto o titular do programa e o blogueiro escolhendo algo de Visitação para tocar; na primeira, além dos já citados, o produtor Tote da Madre Deus (de boné), Biné do Banjo e o assistente Douglas da Liberdade.

LançamentoVisitação terá show de lançamento nesta quinta-feira (22), às 20h, no Teatro Arthur Azevedo. O ingresso custa R$ 20,00, com um cd de brinde.

Nazareth – Domingo que vem (25), este que vos perturba volta ao programa: prestaremos homenagem a Ernesto Nazareth, cujos 149 anos de nascimento serão celebrados nesta terça-feira (20), data em que o Instituto Moreira Sales, guardião do acervo do autor de Brejeiro, Floureaux e Odeon, entre muitas outras, lança o site Ernesto Nazareth 150 anos, em contagem regressiva para as grandes e merecidas homenagens que certamente tomarão os palcos do país ano que vem (o IMS sai na frente, com show já agendado para esta terça-feira em sua sede, no Rio de Janeiro). Mas isso é assunto para domingo, no Chorinhos & Chorões, se liguem.

Sócrates, brasileiro

Ontem fui ao Chorinhos & Chorões, como entrega a foto acima, em que apareço com o titular do programa Ricarte Almeida Santos e os compositores Joãozinho Ribeiro, Josias Sobrinho e Chico Saldanha. A tríade foi entrevistada pelo primeiro, divulgando o show Rosa Secular II, que apresentam sábado que vem (10), às 21h, no Bar Daquele Jeito (Vinhais).

O show é mais ou menos uma reprise de Noel, Rosa Secular, que apresentaram ano passado e, a pedidos, no comecinho deste ano – e que está concorrendo na categoria “melhor show” no Prêmio Universidade FM, a maior premiação da música produzida no Maranhão.

Digo mais ou menos por que, desta feita, além de Noel Rosa também serão homenageados outros bambas centenários, Assis Valente, Ataulfo Alves, Cartola, Mário Lago e Nelson Cavaquinho, além dos saudosos e eternos maranhenses Antonio Vieira, Cristóvão Alô Brasil, Dilu Mello, João Carlos Nazaré e Lopes Bogéa. O show contará com as participações especiais de Célia Maria, Lena Machado, Lenita Pinheiro e Léo Spirro, como eu já disse aqui.

Mas não é disso que quero falar: ao adentrar o estúdio da Rádio Universidade FM ontem, a primeira notícia que recebi foi bastante triste: a subida (ontem, 4) de Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, vulgo Dr. Sócrates (1954-2011) – avesso a computadores em fim de semana, salvo raras exceções, não fui atrás de ler uma linha sobre o assunto e escrever isto aqui é a primeira coisa que faço nesta manhã de segunda-feira, após o Corinthians ter conquistado seu quinto título nacional (também ontem, 4).

Um jogador cerebral. Um dos fundadores, em plena ditadura brasileira, da Democracia Corintiana, que levou também para dentro das quatro linhas a luta pela redemocratização do país. Em campo ou fora dele, Sócrates nunca deixou de pensar.

Participou de duas copas do mundo, em 1982 e 86, sem ter vencido nenhuma. Azar das copas! Sócrates era a tradução humana da frase-pergunta que abre Catatau, o romance-ideia de Paulo Leminski: “que flecha é aquela no calcanhar daquilo?” Quem o viu jogar ou viu videotapes – dá um google aí no youtube agora! – sabe do que estou falando.

Colunista da CartaCapital, comentarista da TV Cultura, apresentador do Canal Brasil, o paraense era do tempo em que o esporte bretão e a mídia não fabricavam ídolos milionários da noite para o dia. Talvez por isso – ou não – ele tenha se dividido entre o futebol e a medicina. E depois ocupado os meios de comunicação de forma crítica – no último canal, nem sei se seu programa chegou a ir ao ar, gestado já em meio às complicações de saúde que o matariam ontem (4).

Em meio à geral, em geral acrítica, de torcedores, jogadores, dirigentes, cartolas e outros, Sócrates era voz dissidente, que despejava críticas e elogios a quem os merecesse, sendo ácido ou doce, conforme a necessidade. Não erraram seus pais quando batizaram-no com nome de filósofo.

Uma grande perda para o futebol e a inteligência nacionais, num dos raros casos em que essas duas categorias conseguem se conciliar. Descanse em paz, Doutor Sócrates! E que seu exemplo – necessário – possa ser seguido por mais gente por aqui.

Em sua memória e homenagem deixo a sinfonia de pardais abaixo, que ouvi e fotografei hoje pela manhã, antes de sair de casa.

P.S.: atualizo o post às 13h23min para recomendar, sobre o assunto, a subida do doutor, três belos textos: dois de Ronaldo Bressane e um de Xico Sá.

P.S.2: e às 8h55min do dia 6, este de Marcelo Montenegro.

Uruguaios na roda de choro

Ricarte Almeida Santos apresenta, neste domingo, em seu Chorinhos & Chorões, a música do La Chorona, grupo uruguaio que se dedica ao choro. O blogue entrevistou Gonzalo Perera, violonista do quarteto.

Eles são uruguaios. Mas tocam como brasileiros. E nem de longe isso é desmerecer os hermanos, a analogia só é possível por tratar-se do mais brasileiro de todos os gêneros musicais: o choro. Outra analogia, cabível ou não, seria dizer de meninos que tocam como gente grande: os músicos do La Chorona têm entre 32 e 37 anos, são, pois, gente grande, e tocam como tal.

Gonzalo Perera (violão), Martin Perez (sax soprano), Nacho Delgado (pandeiro) e Santiago Silvera (bandolim e cavaquinho) formam o grupo de Montevidéu que passeia com desenvoltura por composições de nomes de lá e cá.

Deste lado da fronteira, grandes mestres da música brasileira, o choro em especial: André Victor Correia, Donga, Jacob do Bandolim, Lina Pesce, Nelson Cavaquinho, Noel Rosa, Pixinguinha, Waldir Azevedo e Zequinha de Abreu, espalhados nos dois discos que o grupo gravou até aqui: Instrumental (2005) e Chorando al sur (2010), ambos gravados de forma independente, este último quase todo dedicado à turma de Pindorama – das oito faixas, apenas La Rita é assinada por Santiago Silvera.

História – O “embaixador” do choro no Maranhão, Ricarte Almeida Santos, recebeu os dois discos do La Chorona de presente do amigo César Choairy, que topou com o grupo tocando em uma praça em Florianópolis/SC, conforme a história que conta aqui, anunciando seu programa de amanhã (27), o Chorinhos e Chorões, às 9h, na Rádio Universidade FM (106,9MHz).

Por e-mail, este blogue conversou com Gonzalo Perera, que carinhosamente agradeceu a divulgação do disco por estas plagas – as perguntas foram enviadas em português, as respostas vieram num misto de português e espanhol e aqui publicadas em português, numa quase-tradução de Zema Ribeiro.

ENTREVISTA: GONZALO PERERA, DO LA CHORONA

Zema Ribeiro – Desde quando o La Chorona está na ativa?
Gonzalo Perera – O La Chorona começou no ano 2003, com Santiago Silvera, atual cavaquinho e bandolim do grupo. Depois disso, mudou várias vezes de integrantes até hoje.

Como descobriram a música brasileira, sobretudo o choro? A música brasileira é muito difundida e o povo uruguaio gosta muito. O contato com o choro vem da pesquisa. Em busca de outros ritmos e estilos apareceu o choro, primeiro num disco de vinil de Altamiro Carrilho, depois apareceram Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, Pixinguinha… e aí não largamos mais!

Onde está sediado hoje o La Chorona? Desde o ano passado estamos radicados em Florianópolis.

Vocês sonham dividir o palco com algum músico brasileiro? Os músicos com que gostaríamos de dividir o palco são muitos… todos, eu acho. Hamilton de Holanda, por dizer algum. O [grupo] Choro das Três (não só porque são lindas, mas porque tocam muito), o Trio Madeira Brasil…

Que músicos uruguaios você recomendaria aos brasileiros conhecer? Alfredo Zitarrosa e o Quarteto Zitarrosa, que são os músicos que o acompanhavam. Jorginho Gularte, que faz candombé. Jaime Roos, Hugo Fatorusso, Trio Ibarburu, todos com estilos diferentes entre si.

Na sua opinião, qual o maior músico brasileiro? É muito difícil dizer qual é o maior músico brasileiro. Inclusive acho injusto com muitos outros. Mas a título pessoal, dentro do choro, acho o Jacob do Bandolim um gigante. Chico Buarque, outro estilo, outro gigante.