Ser Bolívia é preciso!

Em foto roubada do blogue Futebol Maranhense, a formação do Sampaio de 74. Em pé: Benazi, Moraes, Gilson, Lourival, Raimundo e Santos. Agachados: Buião, Djalma Campos, Dionísio, Sérgio Lopes e Airton
Em foto roubada do blogue Futebol Maranhense Antigo, a formação do Sampaio de 1974. Em pé: Benazi, Moraes, Gilson, Lourival, Raimundo e Santos. Agachados: Buião, Djalma Campos, Dionísio, Sérgio Lopes e Airton

Roubo de Xico Sá o título que ele deu, na Folha de S. Paulo, à coluna que comemorava o título do Vasco da Gama na Copa do Brasil em 2011. Troco o nome do heroico português pelo apelido do Sampaio Correa, que logo mais entra em campo, no Albertão, em Teresina/PI, para enfrentar a equipe carioca pela série B do Campeonato Brasileiro.

As equipes enfrentaram-se seis vezes, com quatro vitórias do Vasco, uma do Sampaio e um empate. Já disse, há algum tempo, no éter das redes sociais, que mais importante que o hexa brasileiro na Copa do Mundo é o título brasileiro do Sampaio na série B deste 2014.

Ao que o boliviano roxo e torcedor realista (pode?) Susalvino Viana, meu tio, advertiu-me: devemos torcer pela permanência do tricolor na série B. Para não cair. O Sampaio tem time para isso. Para ser campeão ou subir, não. O mesmo Susalvino havia me dito que seria praticamente impossível o Sampaio passar pelo Palmeiras na Copa do Brasil, do que discordei e a história mais uma vez revelou-me um péssimo comentarista/analista do ludopédio.

Se com prudência ou roxura cabe aos poucos mas fiéis leitores, amigos torcedores e amigos secadores – gracias, again, Xico Sá –, decidir: o importante é empurrar a Bolívia querida à recuperação.

Mas logo um cruzmaltino escrever isso?, decerto alguns me perguntarão. A explicação é simples: quem tem mais chances de voltar à série A (o verbo cabe a ambos os times, já que o Sampaio já figurou na elite do futebol nacional, como veremos adiante)? Certamente o time de São Januário. O que torna cada ponto para a Bolívia querida ainda mais importante e valorizado.

A julgar pelas estatísticas, cruzmaltinos e bolivianos devem sair satisfeitos com uma vitória dos visitantes – o mando de campo é da equipe carioca, punida por aquela briga de torcidas em jogo contra o Atlético/PR –, hoje, em terras piauienses: a única vitória do Sampaio contra o Vasco se deu justamente em 1974, quando a equipe liderada por Roberto Dinamite sagrou-se campeã brasileira pela primeira vez.

Bolívia Querida na TV Brasil, hoje

TV Brasil revive hoje onda tricolor que tsunamiou a Ilha

 

O Sampaio Correia fechou 2013 com o vice-campeonato da terceira divisão, garantindo acesso à série B em 2014, em uma campanha vitoriosa.

A TV Brasil (canal 2 da tevê aberta) exibe hoje, às 13h (horário local), o Especial Bolívia Querida, em que lembrará momentos marcantes da trajetória do time neste ano que se encerra, além dos títulos de 1972 (série B), 1997 (C) e 2012 (D). O maranhense Sampaio Correia é o único time brasileiro campeão em três divisões do futebol nacional.

O programa, de uma hora, tem apresentação e direção executiva do querido Nicolau Leitão e direção de Luiz Arthur Figueiredo e contará com as presenças de ídolos que fizeram parte da história dessas conquistas: Neguinho, zagueiro e capitão em 1972, Toninho, zagueiro em 1997, e o goleiro Rodrigo Ramos, que fechou a meta em 2012 e 2013.

“Ficamos felizes em produzir um programa que valoriza uma história tão interessante, como a do Sampaio, único time brasileiro campeão em três divisões. Além disso, por reconhecer a importância de uma bela campanha, ainda que não tenha sido coroada com o título, como a deste ano”, comenta o apresentador.

O apresentador Nicolau Leitão com os ídolos bolivianos

Meu personagem da semana: Fluminense

“Não se diga, porém, que faltou alegria à nossa franciscana vitória de domingo. E pelo contrário: houve alegria até demais. Quando acabou o jogo, a torcida invadiu o campo. Vi garotos, de lábio trêmulo e olho rútilo, apalpando um Pinheiro, ou um Waldo, como se um ou outro fosse um César conquistador. Era a vitória que nos subia à cabeça e nos transfigurava. Dir-se-ia uma euforia de campeonato do mundo. E já que um feito tão humilde nos parecia tão deslumbrante, eu me convenci, de vez, que o Fluminense era, de fato, o coitadinho do ano”.

*

Nelson Rodrigues em crônica de 11 de outubro de 1958 (o título é o que roubo ao post). Está no calhamaço O berro impresso nas manchetes (Agir, 2007).

Copio o trecho final da crônica, que falando de outra coisa, começa assim: “Um amigo meu, “pó-de-arroz” doente, faz o exagero melancólico”. Abaixo, um amigo meu, “pó-de-arroz” doente, num exagero captado até pelas câmeras da Rede Globo:

Rogério Tomaz Jr. conta os títulos brasileiros de seu tricolor carioca

A ele, que engraçadamente ilustra o post, e a outros ilustricolores, Cinthia Urbano, Gisele Brasil, João Pedro Borges, Luís Antônio Câmara Pedrosa e Márcio Jerry, dedicamos o Nelson Rodrigues acima, com os parabéns pelo título, nada melancólico, nada coitadinho. Fred explica!

Sampaio/MA 4 x 0 Comercial/PI

No Nhozinho Santos, pela série D do Campeonato Brasileiro, Sampaio Correia repete o placar da final da Eurocopa, em que a Espanha bateu a Itália por 4 x 0. Time maranhense sonha com vaga na série C.

Este blogue homenageia a torcida boliviana com a foto de um brincante do Boi da Fé em Deus, captada no dia de São Pedro (29), no Canto da Cultura, Praia Grande.

Que os santos do mês de junho abençoem o Sampaio ao longo de sua caminhada!

Este post é dedicado a meu tio Susalvino Viana e toda sua família boliviana que foi ao Gigante da Vila Passos conferir de perto a goleada.

 

O anticorintianismo

XICO SÁ

Amigo torcedor, amigo secador, nunca se amou e se odiou tanto o Corinthians como nesta semana. Jamais o anticorintianismo, nem mesmo nas participações do time na Libertadores da América, foi tão extremado.

Tudo conspira contra o time do Parque São Jorge. Vi gente que não se interessa por futebol desde a Copa de 1950 tramando pelos botecos contra o Corinthians. Nunca a colônia portuguesa foi tão gigante e vascaína em todo país.

Mesmo sabendo que as condições históricas e objetivas estão dadas: o título do Nacional dificilmente escapará dos proletários da zona leste de São Paulo. A cidade está partida, e o anticorintianismo faz do corintiano mais fundamentalista.

O palmeirense pede a bola da honradez, estufa o peito e roga: se depender do Palestra os “gambás” conhecerão o mais dantesco dos infernos no próximo domingo.

Toda essa turma do contra faz o corintiano buscar mais passionalidade pelo time, cota de paixão roxa que julgava ser impossível. O corintiano foi buscar no miocárdio batimentos a mais para enfrentar a decisão de domingo. Acima do bem e do mal no seu poleiro metafísico, meu estimado corvo Edgar graceja: “Que vença, e não só nesta semana, o azarão completo”.Não é o caso agora. Não há zebras em jogo, advirto o lazarento. “Que triunfe, então, o inesperado”, diz o bicho, covarde e sem palpite.

Secador de nascença, gestado em um castelo mal-assombrado do amigo Roger Corman, o corvo não tem jeito. É mais um a incorporar o espírito do anticorintianismo que reina em SP agora.

A corrente do agouro está formada. Nunca vi tanto vascaíno desde a chegada das caravelas do heroico português.

A missão do secador, todavia, não é moleza. Além do Gigante da Colina ter que afogar o Flamengo, seu mais temível adversário, o Corinthians tem que perder o arrojo, sua marca no certame, no derradeiro confronto do ano.

A vida de um corintiano sempre esteve mais para o mata-mata, um desafio diário, um dragão por dia sob a espada de Jorge. Este foi o espírito alvinegro na mais punk jornada dos pontos corridos.

Resta agora ao amigo mosqueteiro amaciar o coração para o domingo, mandando uma do Cartola para afastar o agouro do anticorintianismo: “E com raiva para os céus/ Os braços levantei/ Blasfemei/ Hoje todos são contra mim”. Sim, deve haver o perdão, como reza o mesmo samba.

[Vascaíno, reproduzo acá o texto do grande Xico Sá no caderno de esportes da Folha de S. Paulo de hoje. Acesso ao original mediante senha para assinantes]