Ceumar Solo encanta em seu reencontro com público brasiliense

[Sobre show que Ceumar apresentou ontem, em Brasília/DF, no Teatro da Caixa, pelo projeto Solo Música, da Caixa Cultural. Com agradecimentos e abraços ao casal amigo Glauco e Maira]

Em alguns momentos do show Ceumar dispensou o microfone

Ceumar subiu ao palco ontem (17) cantando à capela Oração do anjo (parceria dela com Mathilda Kóvak) e só foi amplificada pelo microfone da metade da música em diante. Já bastava para o êxtase da plateia do Teatro da Caixa, em Brasília/DF.

Comunhão é uma palavra que traduz a relação da cantora mineira radicada na Holanda com seu público. Ceumar não é cantora de multidões, embora lote teatros pelo país, quando passa por aqui. Ela confessou a saudade, assoou o nariz, ensinou o público a bater palmas (para acompanhá-la no coco Gírias do Norte, de Jacinto Silva e Onildo Almeida, que gravou em seu disco de estreia) e anunciou para agosto o lançamento de seu novo disco. “Já está quase pronto, mas não quero a concorrência da Fifa”, disse sorrindo.

O repertório do show de ontem passeou por músicas de todos os seus discos: O seu olhar (Arnaldo Antunes/ Paulo Tatit), Avesso (Ceumar/ Alice Ruiz), Outra era (Fagner/ Zeca Baleiro), Maravia (Dilu Mello/ Jairo José), Gira de meninos (Ceumar/ Sérgio Pererê), São Genésio (Gero Camilo/ Tata Fernandes), Pecadinhos (Zeca Baleiro), Boi de Haxixe (Zeca Baleiro), Achou! (Dante Ozzetti/ Luiz Tatit), Maldito costume (Sinhô), Óia pro céu (José Fernandes/ Luiz Gonzaga), Parede meia (Kléber Albuquerque), Maracatubarão (Ceumar), Rãzinha blues (Lony Rosa) e Onde qué (Sérgio Pererê), entre muitas outras em quase duas horas de um belo espetáculo.

Ao compositor piauiense Climério, que estava na plateia, ela dedicou sua interpretação de Flora, parceria dele com Ednardo e Dominguinhos. “É uma música linda, que eu já cantei há algum tempo. Nunca gravei. Está chegando a hora”, prometeu. À Dindinha (Zeca Baleiro), faixa que batizou seu primeiro disco, emendou a morna Sodade de Cesária Évora: “foi a música que inspirou Zeca a fazer Dindinha“, revelou, “tenho feito essa junção nos shows”.

Eram só ela e seu violão. Às vezes apenas ela, sua voz. E precisávamos de mais?

Um breve encontro com Carrapa do Cavaquinho

A trabalho em Brasília/DF dei de cara com um rosto familiar. A memória funcionou ligeiro e eu gritei, ainda de dentro do carro, “Carrapa!”. Suponho que assustei o senhor que dedilhava um cavaquinho dentro de um Uno Mille, num estacionamento, enquanto Fernando manobrava o carro em que estávamos. Meti a mão na maçaneta e avisei-o que continuasse a manobra, pois eu precisava falar com o músico. Desci antes dele terminar e encarei o sol quente e vento frio da capital federal enquanto me apresentava a Carrapa do Cavaquinho (ao instrumento que lhe dá sobrenome no vídeo que abre este post), músico brasiliense infelizmente ainda pouco conhecido fora dali. Pouco conhecido para alguns muitos; para mim, uma lenda viva.

Ao ouvir meu nome, ele disse não ser estranho, sabe-se lá se por gentileza ou qualquer outro motivo. O fato é que tenho seu em casa, um disco solo autografado, além de um do Liga-Tripa, ouçam o que lhes digo, o melhor grupo surgido em Brasília que já ouvi. Este disco, dividido com o Choro Livre, grupo de choro, como o nome entrega, está autografado a mim pelos membros do Liga-Tripa, de quem também tenho cópia do vinil Informal Ao Vivo, gravado por eles em 1988 em algum teatro da cidade.

Nunca tinha estado com nenhum deles: os autógrafos me foram conseguidos por amigos comuns, Glauco Barreto, também músico, de extremo bom gosto, talvez em articulação com o jornalista-músico Nelson Oliveira, a poeta Noélia Ribeiro e quiçá alguns outros.

Conversei uns poucos minutos com Carrapa do Cavaquinho e ao ser indagado por ele, “você tá no facebook?”, respondi passando todos os meus contatos. “Um dia chegando em São Luís te procuro”, prometeu.

Perguntei se o Liga-Tripa ainda tocava no Café da Rua Oito, onde eu sabia, há alguns anos, que eles se apresentavam mensalmente, se na primeira ou última quinta-feira do mês já não lembro. Ele disse que o café já nem existe mais.

Os três discos acima citados, difíceis de encontrar, recomendo procura e audição aos poucos mas fieis leitores deste blogue. Torço para que o Liga-Tripa volte a gravar, certamente têm coisas novas para mostrar, mas preferi não perguntar isso a Carrapa.

Despedi-me com outro aperto de mão e ainda pude ouvir umas notas do cavaquinho que ele empunhava, gastando o tempo da espera por alguém, o que também fazíamos eu e Fernando, ali, por perto de meio-dia. Do carro em que estava, ainda vi Carrapa guardar no quebra-sol o papel em que lhe dei anotados meus contatos, o blogueiro desleixado nunca carrega cartões de visita ou máquina fotográfica.

Jô e Pedrosa, a quem esperávamos, chegaram. Estacionado imediatamente atrás do de Carrapa, o carro conduzido por Fernando andou e eu ainda acenei para ele num último cumprimento, rumo ao almoço.