Insight Photo recebe trabalhos até 15 de agosto

Contemplada em edital da Funarte, primeira revista maranhense de artes visuais será publicada em setembro

Dinho Araujo/ Risco Coletivo. Divulgação
Dinho Araujo/ Risco Coletivo. Divulgação

 

Um dos significados de insight, gringa palavra já absorvida por nosso português, é “revelação repentina”. É o estalo, aquela lampadazinha que acende sobre a cabeça de quem tem uma ideia, como nos desenhos animados. “Eureca”, exclamaria Arquimedes.

Daí que uma turma da pesada está armando uma revista chamada Insight Photo, com previsão de lançamento para setembro do corrente, aberta ao recebimento de trabalhos até 15 de agosto.

Contemplada pelo XII Prêmio Marc Ferrez de Fotografia (Funarte, 2013), a revista terá distribuição gratuita em versões impressa e on-line.

“A revista abre um espaço para que tanto fotógrafos consagrados quanto aqueles em formação possam mostrar seu trabalho, além de estimular no público o debate, a visão e a reflexão sobre o campo da fotografia”, afirma Carolina Libério, professora da UFMA e uma das curadoras da revista, em time que tem também o consagrado Márcio Vasconcelos.

A revista é maranhense, mas recebe trabalhos de fotógrafos de qualquer lugar do país, nas categorias artigos e trabalhos fotográficos. O regulamento completo pode ser acessado no site da revista.

Arte tem cemitério como cenário

Wilka Sales no túmulo mais antigo do Cemitério do Gavião. “Tem mais nem data, o tempo apagou”

A exposição Ex-Vivos – Série 2 também integra a programação da 8ª. Aldeia Sesc Guajajara de Artes. O título traduz a relação entre o expressionismo alemão e os ex-votos – diversos objetos doados a divindades como forma de agradecimento por um pedido.

O número do título dá a ideia de que uma primeira série já foi exposta: está inscrita no IV Salão de Artes de São Luís, ainda não realizado este ano. “Como eu já tinha apresentado o projeto lá, coloquei esse do Sesc como sendo o segundo mesmo”, conta Wilka Sales ao blogue, justificando a inversão da ordem.

São oito fotografias, realizadas por Bigorna Trompete e Nara Oliveira, que eternizam a performance de Wilka, que utiliza o corpo como canal d/e comunicação e assina ainda direção, produção e concepção fotográfica. A locação escolhida foi o Cemitério do Gavião, na Madre Deus.

“Percebi a conexão entre elementos visuais e artísticos que pesquisei, daí relacionar os mortos, os ex-votos e o expressionismo alemão neste trabalho”, explica a autora de Ex-vivos. Ela transgrede e provoca: um corpo vivo feminino no cemitério soou mal aos olhos de uma senhora: “Como é que você tira fotos desse jeito em cima de nossos entes queridos, minha filha?”, perguntou-lhe, indignada com um top less da moça entre as lápides.

“É a leitura dela, eu não fiquei chateada, pelo contrário: adorei a reação”, revela. A estudante de artes plásticas da UFMA, envolvida em interessantes produções culturais por São Luís, está ciente de que não agradará a todos. “Acredito que alguns vão se identificar com o trabalho. Outros não. Mas um ponto fundamental é, por exemplo, perceber as particularidades artísticas e históricas do Cemitério do Gavião, com a consequente valorização desse espaço urbano, em geral visitado apenas em dias de finados ou quando alguém morre”, aponta.

Ex-vivos – Série 2 fica em cartaz de amanhã (29) até domingo (3/11), no Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho (Rua do Giz, 221, Praia Grande). O horário de visitação é das 9h às 17h.

Meus 20 melhores amigos no Papoético

A exibição do curta-metragem Meus 20 melhores amigos, hoje (28), às 19h, no Restaurante Cantinho da Estrela (Rua do Giz, 175, Praia Grande), marca o retorno do Papoético, após brevíssima interrupção em suas atividades entre o deixar o Chico Discos, seu antigo palco, e encontrar um novo.

O filme tem produção e roteiro feito por estudantes da disciplina Vídeo Experimental do curso de Artes Visuais do IFMA. Entre os atores, Lauande Aires, Cris Campos e Letícia Lima. A direção é de Ramúsyo Brasil, montagem de Carolina Libério e fotografia de Beto Piu e Edu Cordeiro. A trilha sonora original, 4 reais, de Sérgio Capirango, será interpretada ao vivo hoje, por Glenda Raphaela e Raposão dos Teclados, como anuncia o cartaz que abre o post.

Meus 20 melhores amigos é uma realização do Núcleo de Pesquisa e Produção de Imagem e Mídia Dois (NUPPI) do IFMA. Após a exibição haverá debate-papo com os envolvidos em sua feitura.