Vieira inédito e festejado

Fim de festa: Lena Machado e Edilson Gusmão, juntos, interpretam Banho cheiroso. Foto: Zema Ribeiro
Fim de festa: Lena Machado e Edilson Gusmão, juntos, interpretam Banho cheiroso. Foto: Zema Ribeiro

 

Desde o último 9 de maio começaram as celebrações em torno do centenário do compositor Antonio Vieira (9/5/1920-7/4/2009) – a ser completado em 9 de maio de 2020.

Capitaneada por Helena, sobrinha do artista, e pelas produtoras culturais Tatiana Ramos e Márcia Carvalho, uma temporada de shows tem percorrido diversos espaços da cidade, escalando sempre um par de artistas para explorar majoritariamente o repertório inédito deixado pelo compositor.

A estreia aconteceu no Bar Latino (Praia Grande), com Inácio Pinheiro e Tássia Campos; no mês seguinte, Alexandra Nicolas e Josias Sobrinho comandaram a festa, na Feirinha São Luís (Praça Benedito Leite, Centro).

A banda que acompanha as duplas é sempre a mesma: ​Arlindo Carvalho (percussão, foi companheiro de Vieira no Regional Urubu Malandro e integrou, com ele, a primeira formação do Regional Tira-Teima, na década de 1970), Rui Mário (sanfona e teclado), Thiago Fernandes (violão sete cordas), Danilo Santos (flauta e saxofone), Sadi Ericeira (cavaquinho), Ronald Nascimento (bateria) e Davi Oliveira (contrabaixo).

Ontem (9) foi a vez de Edilson Gusmão e Lena Machado, que se apresentaram no Anfiteatro Beto Bittencourt (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande). Revezando-se no palco, cada qual cantou meia dúzia de canções.

Edilson Gusmão abriu o show com Mulata bonita, primeira composição de Vieira, escrita quando ele tinha 16 anos. Destacou-se em seu repertório a interpretação do choro inédito Aquele rapaz, que versa sobre um homem que, abandonado pela mulher, entrega-se ao álcool. Mas as lentes de Vieira nunca são moralistas, pedindo-nos que não julguemos o personagem.

A crítica social que sempre marcou o trabalho do mestre – “era chamado de mestre por que era um mestre”, alertou o elegante Augusto Pellegrini, outro mestre, de cerimônias, da noite – compareceu ao repertório de Lena Machado em Zé do lixo, atentando para a pouca atenção dispensada pela sociedade aos garis.

Em sua interpretação para A pedra rolou, a cantora incorporou os graves e o bailado de Célia Maria, referência em interpretação e quando o assunto é a obra de Vieira, sempre reverenciado por ela.

No bis, o dueto dos artistas em Banho cheiroso, na base do improviso, parecendo antecipar a necessidade de um descarrego que exigiria o dia de ressaca, com os falecimentos de Paulo Henrique Amorim e Chico de Oliveira. Sinais de Vieira.

Em breve os áudios das apresentações serão disponibilizados em plataformas de streaming.

Uma banda é um mundo inteiro

O saxofonista Ney Platt sola em “Dengoso” (Manoel Alves e Marcelo Jardim). Foto: Zema Ribeiro

 

Quando o maestro Jean Gonçalves comenta o fato de que as rádios só tocam música comercial é que nos damos conta do quão escondidos estão verdadeiros tesouros musicais, oriundos de outras práticas, caso dos repertórios das bandas sinfônicas que ora circulam o país pelo projeto Sesc Sonora Brasil – em São Luís, até amanhã (27), sempre às 17h, no Anfiteatro Beto Bittencourt (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande), com entrada franca.

A Sociedade Musical União Josefense, oriunda do município de São José, na região da grande Florianópolis, em Santa Catarina, completará em novembro próximo 142 anos de atividades – o que volta a nos dar dimensão dessa invisibilidade: se pensarmos na banda mais antiga em atividade no Brasil, por exemplo, certamente nos virá à cabeça um grupo de rock ou samba.

O regente e seus 11 músicos apresentaram um concerto didático, passeando por diversas fases da trajetória das bandas de música no Brasil, formações que dialogam diretamente com as fileiras militares – o exército brasileiro é uma grande escola – e religiosas – qualquer pessoa, sobretudo os de mais idade, lembrará de uma banda tocando em procissões e festejos. Como o próprio Jean Gonçalves lembrou que havia visto duas cortando as ruas de São Luís desde que chegou à ilha, no dia anterior.

Em ordem alfabética, Artur José Fernandes (trombone), Braion Jhonny Zabel (clarinete), Cristiano Canabarro Forte (percussão), Gabriel dos Santos Guimarães (bombardino), Jean Carlos da Silva Rodrigues (trompete), Jean Leiria (percussão), João Geraldo Salvador Filho (tuba), João Paulo Trierwaller (trompete), Ney Platt (saxofone alto), Rui Gilvano da Silva (clarinete) e Vinícius Inácio Nery (flauta e flautim), sob regência de Jean Gonçalves, apresentaram peças como Jubileu, composta por Anacleto de Medeiros em homenagem aos 50 anos do Corpo de Bombeiros fluminense, tendo sido um dos primeiros dobrados registrados em disco no país, no início do século passado.

Fé cristã, de Osmildo Delvan, escancarou as relações destas “formações e repertórios” – tema da segunda parte do biênio 2017/2018 do circuito Sonora Brasil, que ano passado proporcionou a circulação de quatro grupos de coco – com a religiosidade e, consequentemente, sua relação com as comunidades, com procissões percorrendo ruas de localidades diversas, unindo o sacro (a missa, por exemplo) e o profano (os bailes, quermesses).

Royal Cinema é uma peça escrita pelo maestro potiguar Tonheca Dantas por encomenda do proprietário do cinema homônimo, que queria um tema para abrir as sessões. Com Cabaçal, maracatu e baião, João Victor Barroso conquistou o segundo lugar no Prêmio Alberto Nepomuceno de música para formação de bandas, do estado do Ceará. A composição é de 2016, a atestar a renovação de grupos e formações e a necessidade de valorização, já que, ao longo dos anos, muitas bandas têm deixado de existir, devido a dificuldades de manutenção.

Um projeto de circulação guarda também encontros inusitados: foi assim com a participação especial do trombonista Feitosa Jr., que já integrou o grupo quando serviu o exército em Santa Catarina. Ele participou da execução de Pelotão cívico 14 BC, de autoria do maestro Jean Gonçalves.

Com uma plateia formada majoritariamente por músicos, a apresentação ao por do sol transformou-se numa grande roda, reunindo os membros da Sociedade Musical União Josefense e alunos do projeto Sesc Musicar, que vem revelando talentos ao longo dos últimos anos em São Luís, entre outros instrumentistas que prestigiavam a apresentação, na meia lua da pequena ágora. “Vamos tocar Dois corações (Pedro Salgado), que é uma música que todo músico de banda conhece, agradecendo a presença do maestro Rogério Francisco, da Corporação Musical Cemadipe [que se apresenta hoje, 26], que veio nos prestigiar, e já pedindo desculpas por dar um pequeno spoiler de sua apresentação, já que essa música está no repertório deles”, anunciou Jean Gonçalves.

“Dois corações” a unir músicos da plateia aos do palco, encerrando a apresentação. Foto: Zema Ribeiro

O estandarte verdadeiro de Lena Machado

Nos últimos releases que escrevi para a cantora Lena Machado uma coisa era comum: a falsa ideia de um eterno retorno. Os textos de divulgação sempre falavam na “volta” da artista. Um professor amigo apontou a falha, de que sinceramente nunca tinha me tocado, e aquilo ficou me martelando a cuca.

Lena Machado não é uma artista da noite – e aqui não há demérito a quem o seja, nem falsa hierarquização entre artistas da noite e do disco, ou qualquer outra classificação possível. Tenho tido, ao longo dos últimos 10 anos, o prazer de compartilhar as dores e delícias de cada passo de sua carreira: as feituras de Canção de vida (2006) e Samba de minha aldeia (2009) até as ideias – ainda sigilosas – para o terceiro disco, a ser lançado ano que vem, quando comemorará 10 anos de carreira, passando pelos minuciosos preparativos para cada aparição sua.

É que ela não faz qualquer coisa de qualquer jeito em qualquer lugar. A moça é refinada. Além dos entraves econômicos e burocráticos, é preciso clima – e não falo aqui apenas do risco de chuva para uma apresentação em palco aberto. É preciso uma mística, algo como um sinal, as bênçãos de Clara Nunes, Clementina de Jesus e Elizeth Cardoso, suas ancestrais.

A última vez em que anunciei a “volta” de Lena Machado foi por ocasião de Divino Espírito Samba, em janeiro passado, um caprichado espetáculo, a começar pelo título, produzido pela Negro Axé. A cantora caprichou na seleção de repertório e do time que a acompanha – Andrezinho (percussão), Fofo (bateria), João Eudes (violão sete cordas), João Paulo (percussão), Lee Fan (flauta), Rafael Bruno (contrabaixo), Rui Mário (sanfona), Wanderson Silva (percussão) e Wendell Cosme (bandolim, cavaquinho, direção musical e arranjos), além das participações de Luzian Filho (Feijoada Completa) e Patativa.

A artista canalizou o apoio da Fundação Municipal de Cultura para realizar o espetáculo de graça, no Anfiteatro Beto Bittencourt, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande. É uma opção de artista engajada para além da formação de plateia. É essa uma das sérias preocupações que a movem ao se decidir por fazer um show: é impossível cantar qualquer coisa de qualquer jeito em qualquer lugar, repito. Em Divino Espírito Samba a artista estava em casa – o palco – em perfeita comunhão com a família – a plateia.

Engajada, Lena Machado dedicou o primeiro disco a repertório identificado com as lutas de movimentos sociais do Maranhão. Canção de vida, sua estreia, celebrou os 50 anos de atuação da Cáritas, onde trabalha, no estado. Samba de minha aldeia, sucessor da estreia, tem repertório inteiramente dedicado ao samba e choro de autores maranhenses. Em Divino Espírito Samba, apontando caminhos para o que poderá vir a ser o terceiro disco, ela prova que autores como Antonio Vieira, Cesar Teixeira e Cristóvão Alô Brasil, entre outros nossos, nada devem a gigantes como Chico Buarque, Ismael Silva e Paulo César Pinheiro, entre outros.

A B. A. Produções, do cinegrafista Elson Paiva, outra parceria que acompanha a cantora já há algum tempo, filmou o espetáculo. O resultado é um dvd-promo, não lançado comercialmente, com a íntegra do repertório. Algumas faixas podem ser conferidas no youtube. O blogue antecipa, em primeira mão, Samba e amor (Chico Buarque), A força que vem da raiz (Roque Ferreira), Se você jurar (Ismael Silva/ Francisco Alves/ Newton Bastos)/ Das cinzas à paixão (Cesar Teixeira), Juracy (Antonio Almeida/ Cyro de Sousa)/ Cocada (Antonio Vieira)/ Araçagy (Cristóvão Alô Brasil) e Do jeito que a vida quer (Benito di Paula)/ Esperanças perdidas (Délcio Carvalho).

Os vídeos aliviarão a espera do fã clube. O blogue espera anunciar outra “volta” em breve.

Reverenciando grandes mestres do gênero, Divino Espírito Samba marca volta de Lena Machado aos palcos

[release]

Show gratuito acontece na Praia Grande e terá participações de Patativa, Zé Pivó e Luzian Filho

Foto: Rivanio Almeida Santos
Foto: Rivanio Almeida Santos

 

No melhor espírito “eu quero é botar meu bloco na rua”, a cantora Lena Machado volta aos palcos com o show Divino Espírito Samba. A apresentação, gratuita, acontece no Anfiteatro Beto Bittencourt (Ágora do Centro de Criatividade Odylo Costa, filho), na Praia Grande, no próximo dia 15 de janeiro (quinta-feira), às 20h. A produção é da Negro Axé.

Recentemente Lena Machado participou do show de lançamento de Ninguém é melhor do que eu, disco de estreia da compositora Patativa, do réveillon, como convidada do grupo Afrôs, e da posse do governador Flávio Dino, mas há algum tempo o fã clube vinha reclamando um show completamente seu.

“O show é uma espécie de antologia com o melhor do samba brasileiro, o que inclui autores locais, que não devemos nada a ninguém”, exalta a cantora, que volta aos palcos em grande estilo. Nenhum dos 18 sambas do repertório já foi gravado por Lena nos dois discos que lançou: Canção de vida (2006) e Samba de minha aldeia (2009). Com Quem roubou minha aquarela?, de Cesar Teixeira, ela participou da Exposamba, concurso voltado ao gênero em nível nacional. “O repertório não deixa de ser também uma espécie de teste para o que estamos pensando para o próximo disco”, revela, ainda sem previsão de lançamento.

Além de Cesar Teixeira, fornecem obras primas para sua privilegiada voz Antonio Vieira, Batatinha, Benito di Paula, Bruno Batista, Candeia, Chico Buarque, Ismael Silva, Luzian Filho, Paletó, Patativa, Paulo César Pinheiro, Roge Fernandes e Roque Ferreira.

A cantora contará ainda com as participações especiais de Patativa (em cujo disco fez vocais e de quem gravou Colher de chá em seu segundo trabalho), Luzian Filho (do grupo Feijoada Completa) e Zé Pivó (compositor da Turma de Mangueira, escola de samba do bairro do João Paulo, e do bloco carnavalesco madredivino Fuzileiros da Fuzarca).

“Para mim é uma honra, eu, aprendiz, dividir o palco com estes mestres. É beber na fonte de nosso samba genuíno, legítimo, autêntico”, derrete-se a artista. Sobre o nome do show ela conta: “é impossível negar o samba como uma das autênticas expressões de nossa cultura popular, essa nossa batida diferente. O nome une dois aspectos de nossa tradição, e dessa fusão de duas tradições surge algo moderno, daí Divino Espírito Samba”. Além de tudo, soa bem. Como um bom samba.

Lena Machado será acompanhada por Andrezinho (percussão), Fofo (bateria), João Eudes (violão sete cordas), João Paulo Seixas (percussão), Lee Fan (flauta), Rafael Bruno (contrabaixo), Rui Mário (sanfona), Wanderson Silva (percussão) e Wendell Cosme (bandolim, cavaquinho e direção musical). Uma constelação de craques para ninguém botar defeito.

Serviço

O quê: show Divino Espírito Samba.
Quem: a cantora Lena Machado, com participações especiais de Patativa, Zé Pivó e Luzian Filho.
Quando: dia 15 de janeiro (quinta-feira), às 20h.
Onde: Anfiteatro Beto Bittencourt (Ágora do Centro de Criatividade Odylo Costa, filho), Praia Grande.
Quanto: grátis.
Maiores informações: (98) 981920200 e 981220009.