Patrimônios culturais em debate

Um pertinente debate sobre patrimônio cultural material e imaterial foi travado hoje (9) pela manhã, na mesa redonda que abriu os trabalhos do VII Encontro Nacional do Ministério Público na Defesa do Patrimônio Cultural, na sede do Centro Cultural do Ministério Público do Maranhão (Rua Oswaldo Cruz, 1396, Centro). O evento é promovido pela Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa), presidida pelo promotor Fernando Barreto.

O evento é ousado por ir de encontro ao desmonte promovido pelo governo de Jair Bolsonaro, cujos pouco mais de quatro meses são marcados pela destruição de qualquer patrimônio nacional: as instituições, a Educação, a Segurança Pública, o Meio Ambiente – gerando reação de todos os ex-ministros da pasta –, a Cultura (incluindo seu Ministério) e um longo etc. Um debate necessário e urgente.

Conceitos amplos de patrimônio foram trazidos como exemplo pelas promotoras Ana Maria Moreira Marchesan (MP/RS) e Eliane Cristina Pinto Moreira (MP/PA), que dividiram a mesa com Márcio Thadeu Silva Marques (diretor da Escola Superior do MP/MA), que mediou-a, e Ademar Danilo, diretor do Museu do Reggae do Maranhão.

As promotoras deram exemplos significativos, entre brasileiros e estrangeiros, da conjugação de preservação do patrimônio histórico com habitação, de participação popular na definição de bens tombados e de culturas, inicialmente marginalizadas, posteriormente reconhecidas por instituições oficiais. Marchesan revelou ainda o aprendizado e a emoção em ter visitado o Museu do Reggae e outros museus em sua rápida passagem pela ilha.

A fala de Ademar pontuou o que ele chamou de vitória do reggae, outro exemplo de cultura inicialmente marginalizada, ao longo dos anos incorporada como traço da identidade cultural brasileira, sobretudo maranhense, agora reconhecida oficialmente pelo poder público estadual, com a instalação do Museu (o primeiro dedicado ao gênero fora da Jamaica e o primeiro público no mundo), e pela Unesco, que em novembro passado reconheceu o reggae como patrimônio cultural imaterial.

Cabe destacar, aliás, que a instalação do Museu do Reggae e do Centro Cultural do Ministério Público colocam o Maranhão na contramão do Brasil: enquanto uns sucateiam, desmontam e privatizam, o Maranhão reforma, inaugura e mantém, apesar de todas as dificuldades enfrentadas.

O VII Encontro Nacional do Ministério Público na Defesa do Patrimônio Cultural prossegue ao longo de todo o dia de hoje. A programação do evento tem transmissão ao vivo no canal da Escola Superior do Ministério Público do Maranhão no youtube.

(Re)veja a mesa:

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s