Poesia no meio do expediente

Filarmônica para fones de ouvido. Capa. Reprodução

 

Jornalista de reconhecida elegância no texto, com atuação no mercado publicitário, Félix Alberto Lima, firmado também no universo da poesia, lança hoje (25), às 19h, em noite de autógrafos na Livraria da Associação Maranhense de Escritores Independentes (Amei), no São Luís Shopping, o livro Filarmônica para fones de ouvido [7Letras, 2018, 113 p.; R$ 38].

Seu livro anterior, O que me importa agora tanto [7Letras, 2015], trazia ecos de Paulo Leminski, sobretudo os poemas mais curtos e bem humorados, uma das marcas do curitibano – que também atuou no mercado publicitário.

Os universos se misturam, carregados de referências, na obra que Félix Alberto Lima constrói, em constante evolução. Estão lá Bob Dylan, o balé Bolshoi, Led Zeppelin, The Police e a Movelaria Guanabara. O próprio Leminski comparece, com sua Dor elegante, transmutado em Backup: “sofrer/ será teu próximo post”.

O livro é organizado em 10 sessões, mas o autor não é um burocrata da poesia. Poemas essencialmente urbanos, versam sobre temas atuais. Oratório se insufla contra a homofobia: “ora/ tanto faz/ se a moça é rapaz”, finaliza.

Obituário, dedicado ao poeta Nauro Machado, começa: “desapareceu ontem/ das ruas do centro/ na cidade velha/ o poeta prateado/ com seu machado e lenha”, para arrematar lembrando o “cuspo azul tiquira” de seus dias embriagados.

Félix Alberto Lima sabe brincar/jogar (não à toa ambos os verbos têm a mesma tradução em inglês, o play com que se escreve playground) com as palavras, e em Cantiga de roda arma “a ciranda do poema”.

Tudo é combustível/conteúdo para sua poesia: “essa canção que toca no rádio agora”, o “primeiro bilhete deixado no guardanapo” (em Tudo era quimera), “aquele senhor/ na fila do banco” (Um gole de cinzano), “aquele mar ali/ que lança a cidade” (Mágoas de mar) e “uma névoa rara de saudade/ com cheiro de manga e solidão/ que vem de dentro das ladainhas” (A sombra das carpideiras).

No poema-título, Félix Alberto Lima rememora e celebra a tradição dos poetas-funcionários públicos a exercer o ofício da poesia em meio ao expediente na repartição, entre o prazer e o ganha-pão, a poesia como uma necessidade vital que não tem hora para acontecer.

*

Leia o poema-título:

FILARMÔNICA PARA FONES DE OUVIDO

no meio do expediente escrevo cartas
para desconhecidos que moram distante

componho meu primeiro rock inglês
e quase pinto um american gothic a guache

no meio do expediente ponho os fones
de ouvido e embarco na filarmônica de viena

carimbo ofícios na terça e ouço a voz de yoko
por entre as árvores no inverno do central park

entro e saio da comissão interna de prevenção
de acidentes de trabalho sem que ninguém me veja

leio as horas na estampa de um blusão de couro
e ainda não anoiteceu no sertão de nova iorque

é no meio do expediente que tiro férias
para não lembrar que moro longe das cartas

sou um desconhecido sincero de alma cigana
que vez por outra ronda o infinito da repartição

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM). Coautor de "Chorografia do Maranhão (Pitomba!, 2018). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s