Terra de Ford, terra de ninguém

Divulgação

 

Voraz leitor de Tex Willer desde a infância, é em algo comum nas histórias do ranger que penso imediatamente ao ver Fordlândia [Brasil, 2008, 49 min.], documentário de Marinho Andrade e Daniel Augusto.

Nas HQs presenciamos constantemente o surgimento e abandono de vilarejos, principalmente ao redor da exploração de ouro e da instalação de ferrovias. O filme conta a história de uma cidade construída por Henry Ford na década de 30 do século passado, em pleno Pará, palco de outro Eldorado de triste memória.

Para tanto, a dupla de cineastas faz vir dos Estados Unidos Charles Townsend, nascido em Fordlandia, filho de um funcionário da Ford. O filme acompanha esse reencontro – a cena em que ele cumprimenta América, sua babá, com tapas no ombro e um abraço, é comovente para personagens (que vão às lágrimas) e espectadores. Fordlândia ainda tem uns poucos moradores, mas é o espírito de cidade fantasma que lhe habita.

A estratégia de Ford, que gastou alguns milhões de dólares na empreitada, era ter seu próprio seringal, para suprir a necessidade crescente de sua produção – no Brasil o ciclo da borracha já havia se encerrado, mas o empresário americano, dono da então maior indústria do planeta, acreditou que era possível revivê-lo artificialmente. Deu-se mal: uma praga dizimou os milhões de seringueiras, antecipando a derrocada. Famílias foram embora abandonando casas, móveis e talheres.

Fordlândia dá muito pano pra manga. A partir dele é possível pensar temas caros para a nossa sociedade, inclusive levando em conta a égide golpista, tendo em vista o incentivo ao desmatamento amazônico garantido pelo governo ilegítimo. Enriquecido por depoimentos do sempre combativo jornalista Lúcio Flávio Pinto, temas como urbanismo, planejamento urbano, capitalismo, migrações, trabalho e cultura – reparem num insólito bumba meu boi – passeiam pela geografia paraense, onde um dia se tentou produzir látex em modo fordista.

Bons documentários, como este de Marinho e Andrade, não se fazem em série. Este torna-se único ao abordar tema inusitado sob perspectiva idem.

Serviço

Fordlândia será exibido amanhã (22), às 18h, no auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (Uema, Rua da Estrela, Praia Grande), com entrada franca. Após a sessão haverá debate com o diretor Marinho Andrade, com mediação do professor Frederico Lago Burnett.

 

Veja o trailer:

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s