Saraus de choro em praças públicas de São Luís vão virar programas na TV UFMA

Em entrevista a Homem de vícios antigos o professor Silvano Bezerra, diretor da emissora universitária, comenta a parceria firmada com a produção do projeto RicoChoro ComVida na Praça

Desde a inauguração da TV UFMA, em outubro passado, o canal vem sendo conduzido pelo professor doutor Silvano Bezerra. Um enorme desafio, sobretudo em virtude do atual momento político por que passa o Brasil.

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2005), Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (1998), professor do Curso de Comunicação Social e do Programa de Pós-graduação em Cultura e Sociedade (Mestrado – PGCULT) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), o diretor da TV UFMA é otimista em relação ao futuro da emissora universitária.

Em entrevista a Homem de vícios antigos, Silvano Bezerra destaca a qualidade tecnológica da emissora recém inaugurada, que pode ser assistida no canal 54 (TV aberta) ou 16 (TVN). O professor comenta ainda a programação da emissora e a parceria firmada com o projeto RicoChoro ComVida na Praça, que transformará em programas de televisão os nove saraus produzidos por Ricarte Almeida Santos, que têm início no próximo sábado (20 de agosto).

O professor Silvano Bezerra, diretor da TV UFMA. Foto: Rosana Barros
O professor Silvano Bezerra, diretor da TV UFMA. Foto: Rosana Barros

A TV UFMA tem demonstrado preocupação em valorizar a cultura do Maranhão. Você acredita que é este o caminho a ser perseguido por uma emissora universitária?
As TVs universitárias federais têm, mais que qualquer outra emissora, a preocupação de fazer com que as manifestações culturais e os valores artísticos locais estejam em suas grades de programação. As TVs das instituições federais de ensino têm muito clara a responsabilidade de se traçar um caminho diferente daquele que a TV aberta no Brasil faz, que tem sido o de ressaltar e valorizar a vida e as práticas da região Sudeste, fechando os olhos para a riqueza cultural e artística presente não só no Maranhão, mas nas demais regiões deste imenso país. Desde que surgiu a ideia de criar a TV UFMA, uma convicção se impôs: a de firmar-se como emissora diferente das demais, porque, mais que qualquer outra, ela carrega o DNA da UFMA, e por isso está comprometida, na raiz, com o saber, com a consciência crítica e com a cidadania. Razão pela qual mantemo-nos vigilantes em relação à qualidade daquilo que somos capazes de gerar em nosso espaço de produção televisiva. E qualidade significa, também e acima de tudo, que é nossa obrigação, manter vivos os vínculos com as coisas de nossa terra e de nossa gente. Gosto sempre de dizer que a TV UFMA acabou de vir ao mundo, e dentro de um espaço muito complicado para a produção televisiva como é a realidade das instituições federais. Mas sabemos também que, mesmo com as dificuldades do atual momento político e econômico do país, podemos estabelecer programação de excelente nível educativo e cultural.

No que a TV UFMA está pensando em relação aos nove saraus do Projeto RicoChoro ComVida na Praça?
Cada um dos saraus da programação do Projeto RicoChoro ComVida na Praça será transformado em programa de TV, com a finalidade de ser exibido no primeiro semestre de 2017. No total, serão nove programas. Gostaríamos de exibi-los antes, mas ainda temos algumas limitações de profissionais dentro da TV, por motivos óbvios de contenção orçamentária decorrente da crise que o país enfrenta. Além disso, vamos enviar esses programas para outras emissoras universitárias, que integram a ABTU (Associação Brasileira de Televisões Universitárias) e as TVs vinculadas à Associação da ANDIFES [Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior], e também disponibilizá-los em rede, em formato HD cheio, para a Televisión America Latina (TAL), nossa parceira na troca de conteúdos para a América Latina. Vamos, também, fazer a cobertura dos saraus, que será exibida em nossas páginas nas redes sociais.

Como foi estabelecer essa parceria, que afinal de contas, acaba sendo interna, tendo em vista que Ricarte Almeida Santos, produtor de RicoChoro ComVida na Praça, apresenta um dos mais longevos programas da Rádio Universidade FM, o Chorinhos e chorões?
Porque habitamos o mesmo espaço institucional, é bem mais fácil reconhecer as competências, as qualidades e o tipo de compromisso que os colegas que militam na área têm com a vida mediática. Conheço o trabalho de Ricarte Almeida Santos há algum tempo, e sempre destaquei, onde fui chamado a fazê-lo, o excelente trabalho que realiza na FM Universidade. Ao bom trabalho de apresentador, Ricarte ajunta o de pesquisador qualificado, o que empresta maior qualidade ao que faz como homem de comunicação. Assim que fui procurado por ele e equipe para que nos integrássemos ao Projeto RicoChoro ComVida na Praça, vi a grandeza e a qualidade da iniciativa, e, de pronto, aderimos à ideia de levar excelentes músicos e grande repertório às praças públicas de nossa cidade. Esta é uma iniciativa pioneira que merece não só o nosso apoio, como nossos aplausos.

Qual a estrutura atual da TV UFMA?
A TV UFMA foi pensada para ser uma emissora de porte médio, e isso foge ao comum das TVs universitárias, que em geral são pequenas e bem modestas em termos de recursos técnicos. Montamos uma TV digital como poucas no universo tanto das universitárias quanto das particulares. A TV UFMA tem um parque tecnológico muito bem montado, e com recursos que lhe dão excelente autonomia. Somos a única TV universitária brasileira que conta com Media Asset Manegement, recurso que só se encontra em cabeças de rede. Contamos com dois grandes estúdios, um dos quais hospeda o jornalismo da emissora, que está em fase de organização e testes; temos duas salas de corte; 18 salas de trabalho, 10 ilhas de edição, recursos para gravação de áudio profissional, grua, travelling entre outros mais. Na parte de transmissão, contamos com dois transmissores, um gerador de energia, no-break de alta capacidade e uma torre de 110 metros. E estamos nos preparando pra enfrentar o desafio da TV UFMA em Imperatriz. Inclusive já temos o canal para a localidade. Falta-nos, porém, contratar mais profissionais para atender às necessidades de produção, o que ainda é um obstáculo, por razões já referidas.

Comente um pouco da programação da TV UFMA.
A TV UFMA, como disse, acabou de nascer, mas vem produzindo programas em ritmo crescente. Hoje, conseguimos exibir cerca de cinco a seis reportagens diárias, e acham-se em exibição alguns outros, e outros encontram-se em fase de produção, como: Perfil, programa de entrevistas; Tempo Rei (interprograma); o EntreLetras, que fala de livros e produção bibliográfica; Portugal sem fronteiras, que expõe reportagens produzidas em Portugal; Bem na foto, programa que dá dicas do fazer fotográfico; 100 anos do samba (programa documental); 50 anos da UFMA; Duplo sentido (programa sobre semelhanças da língua hispânica com o português); Orquestras do Nordeste  e mais outros que estão em curso. Iniciamos, também, as transmissões do sinal da TV Cultura, a nossa cabeça de rede.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s