O sublime em família

Pós você e eu. Capa. Reprodução
Pós você e eu. Capa. Reprodução

 

Música é música. Sem classificações, amarras ou limites. Prova inconteste disso é este Pós você e eu [Circus, 2016], de Lívia e Arthur Nestrovski, filha e pai, voz e violão.

Americana de Iowa, Lívia é uma grande cantora brasileira, com o talento posto à prova em discos, como por exemplo, o ótimo De nada mais a algo além [2013], antecessor de Pós você e eu, dividido com ninguém menos que Arrigo Barnabé e Luiz Tatit.

Este novo trabalho atesta as competências e qualidades de Lívia como intérprete e de Arthur – diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) – como instrumentista, compositor e versionista.

Das 11 faixas de um repertório rico e diverso, ele é autor da faixa título, Um milhão, Matusalém (as três em parceria com Luiz Tatit) e Canção de não dormir (parceria com o poeta Eucanaã Ferraz) e assina as versões Serenata (Ständchen, de Franz Schubert e Ludwig Rellstab), Adeus, amor (I’m through with love, de Fud Livingston, Matty Malneck e Gus Kahn), Pra que chorar (Ich grolle nicht, de Robert Schumann e Heinrich Heine) e Vejo você (I only have eyes for you, de Harry Warren e Al Dubin).

Pai e filha se expõem munidos apenas de voz e violão, o que torna as exigências – deles mesmos e dos ouvintes – ainda maiores. Em disco denso, entre popular e erudito, passeiam ainda por Arrigo Barnabé (Londrina), Ary Barroso (Folha morta), Tom Jobim e Dolores Duran (Por causa de você), Jaime Florence e Augusto Mesquita (Molambo), estas ligadas pelo tema instrumental Body and soul (Johnny Green, Edward Heyman, Robert Sour e Frank Eyton).

Serenata abre com trecho não creditado de A saudade mata a gente (João de Barro e Antônio Almeida) e Pra que chorar traz, também sem créditos, incidental instrumental de Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro).

Comovente, Pós você e eu é sublime do começo ao fim, para além da música: antes ou depois de botar o disco para rodar, o ouvinte já começa a se emocionar pelo texto de Sofia Nestrovski, filhirmã da dupla. “O que eu aprendi com este disco, e que pra mim não é pouco, é que eu não preciso de silêncio. Eu, assim como vocês, assim como todo mundo – vamos abrir a festa –, preciso, sempre, de música”, finaliza.

Ouça Serenata (Ständchen, de Franz Schubert e Ludwig Rellstab, versão de Arthur Nestrovski):

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s