Pedra que rola não cria limo

[Íntegra da matéria publicada ontem no jornal O Imparcial]

A cena reggae do Maranhão em diálogo com três especialistas no assunto: Joaquim Zion, Neto Myller e Otávio Rodrigues. Os três concordam: o reggae aqui é único no mundo

A partir da década de 1970 o reggae popularizou-se no Maranhão, configurando-se importante fenômeno de massas, apesar da indústria, da crítica e da língua jogarem contra. Algumas possibilidades são apontadas, mas ninguém sabe ao certo como um ritmo estrangeiro, cantado em língua idem, quase nunca entendido pelos que, na origem, lotavam os salões, ganhou a preferência local da rapaziada que buscava diversão barata, sobretudo nos fins de semana.

No recém-relançado Da terra das primaveras à ilha do amor: reggae, lazer e identidade cultural [Edufma, 1995; Pitomba, 2016], Carlos Benedito Rodrigues da Silva, mais conhecido pelas alcunhas de Professor Carlão ou Carlão Rastafari, conta histórias que beiram o anedótico, embora frutos de pesquisa séria. Por exemplo, colecionadores que compravam todos os exemplares de um único disco ou mesmo um artista que, em visita à Jamaica, riscou todos os seus discos tendo em vista garantir a exclusividade de um dono de radiola nos salões da ilha.

Muitas lendas envolvem a expansão do fenômeno reggae no Maranhão, o que levou a capital, São Luís, a receber o epíteto de Jamaica brasileira, para alegria da massa regueira e desgosto daqueles cujo farol ainda mira(-se no exemplo de) Athenas.

Indagado se concorda com a alcunha, o jornalista, produtor e DJ Ademar Danilo não teme soar imodesto: “eu que botei este apelido”. Mais uma lenda ou não, o hoje apresentador do África Brasil Caribe, na Rádio Difusora, é um nome fundamental para a popularização do reggae por aqui nos últimos 30 anos.

O DJ Neto Myller. Foto: divulgação
O DJ Neto Myller. Foto: divulgação

Entre as principais mudanças na cena no período, o DJ Neto Myller, residente do Chamamaré (Ponta d’Areia), onde se apresenta aos domingos, destaca: “o público em geral há 30 anos para o que é hoje e também os locais onde são feitas as festas de reggae: ficou mais elite [risos]”, afirma, referindo-se a certo embranquecimento e aburguesamento dos ambientes onde se toca reggae.

Otávio Rodrigues, o Doctor Reggae. Foto: divulgação
Otávio Rodrigues, o Doctor Reggae. Foto: divulgação

O jornalista, pesquisador e DJ Otávio Rodrigues, não à toa conhecido como Doctor Reggae, foi o primeiro a levar o reggae às ondas do rádio no Brasil, tendo produzido e apresentado na Excelsior FM, entre 1982 e 83, o Roots, Rock, Reggae, com direção geral de Maurício Kubrusly. Morando em São Paulo, ele continua de olho na cena do Maranhão, “não como antes”, reconhece, referindo-se ao período em que morou aqui, quando produziu e apresentou programas como Rádio Reggae (Mirante FM) e Bumba Beat (Mirante e Universidade FM).

Mesmo de longe, ele também aponta mudanças. “Vou tentar desenhar uma das linhas possíveis, me apoiando na tecnologia/comunicação: 1) tape-deck, anos 1970, quando se torna possível copiar o disco do meu amigo e eu mesmo fazer uma festa; 2) rádio, anos 1980, programas bons, que divulgavam as músicas e, alguns, até a cultura por trás delas; 3) DJ de frente, anos 1990, porque implicou no desenvolvimento deles como comunicadores; e 4) computador caseiro, programas de edição, anos 2000, porque permitiu aos maranhenses produzir as músicas localmente”, enumera.

O DJ Joaquim Zion. Foto: divulgação
O DJ Joaquim Zion. Foto: divulgação

Joaquim Zion, DJ residente do Porto da Gabi, onde se apresenta há quase quatro anos, na Sexta do Vinil, destaca o fortalecimento da cena roots reggae na capital maranhense. “Um movimento contrário às grandes radiolas que tocam quase que exclusivamente reggae eletrônico, o surgimento de muitos bares de roots reggae e o aparecimento de centenas de DJs, homens e mulheres, fortalecendo assim a cena do reggae na ilha”, aponta.

O reggae também ganhou a academia. Diversos estudos têm se dedicado ao gênero jamaicano, o que acaba por contribuir para a superação de preconceitos. Livros como Onde o reggae é a lei [Edufma/Pitomba, 2013], de Karla Freire, e O reggae no Caribe brasileiro [Edufma/Pitomba, 2014], de Ramusyo Brasil – além do já citado Da terra das primaveras à ilha do amor –, deram importante contribuição para a compreensão do fenômeno – ou ao menos de parte dele.

“Bons, muito bons esse livros! Têm pegada acadêmica, portanto são seriíssimos, no sentido de pesquisa bem feita, ideias comparadas, refletidas, bem organizadas. Essas obras jamais matam a cobra sem mostrar o pau (e a pedra, no caso). Devo ao Carlão e sua obra pioneira e prima boa parte do que aprendi sobre o reggae e a cultura maranhense – eu e todo mundo”, elogia Otávio Rodrigues.

Obras que certamente contribuíram para a diminuição do preconceito contra o reggae e os regueiros. “O preconceito ainda existe, mas diminuiu bastante”, avalia Neto Myller. Joaquim Zion aprofunda a questão. “O preconceito com o reggae acho que nunca vai acabar, aqui principalmente. O Brasil é um país profundamente racista, e a imensa maioria que frequenta o reggae, principalmente aqui na nossa ilha, é de negros e negras. Historicamente a polícia sempre viu esses agrupamentos de pessoas ouvindo reggae com preconceito. É claro que já melhorou bastante, mas ainda somos perseguidos”, aponta.

Para Otávio Rodrigues o preconceito não foi superado. “Apoiada no comércio de cervejas, alimentada por rixa entre torcidas de radiolas, exposta à falta de segurança, entre outros aspectos, a cena maranhense acaba associada ao que há de pior, a despeito de ser uma conquista – e um legado. Também percebo preconceito interno, que separa a “turma do vinil” da “turma da radiola”, um fenômeno que, paradoxalmente também une. Precisa é fortalecer esse último verbo”, conclama.

Uma coisa não é lenda nem ufanismo: o reggae praticado por aqui é único no mundo. “Aqui no Maranhão desenvolvemos um jeito diferente na forma de dançar e também no estilo das músicas que tocam no salão. Aqui gostamos de um estilo que chamamos de reggae roots, pra dançar agarradinho; os jamaicanos chamam essa batida de one drop, que foi o estilo que marcou e marca a nossa ilha”, afirma Joaquim Zion. A particularidade do “dançar agarradinho” também é apontada por Neto Myller.

Otávio Rodrigues arremata: “é original e único, no Brasil e no mundo, especialmente quando falamos daquele feito por produtores e artistas emergentes locais (eventualmente jamaicanos da antiga entre eles) com o propósito primordial de tocar em radiolas. Eu chamo de breggae, elogiosamente, por perceber aí traços do outro gênero dançante no que diz respeito a sua difusão entre as massas, o apelo romântico, a simplicidade nos arranjos, entre outros aspectos importantes. Tomando-se a variedade da música jamaicana, observa-se que foi exatamente um tipo de reggae mais rural, por vezes até rústico, natural entre artistas que vinham do interior do país em busca de oportunidades na capital, que mais colaborou na formação estética do gosto maranhense ao longo dos anos 1980 e 1990. Não admira que os meninos das periferias de São Luís, tão logo colocaram as mãos nas ferramentas certas, tenham desenvolvido um reggae diferente de qualquer outro, ainda que buscando fazer igual. Essa percepção da originalidade do reggae maranhense – o breggae – não é unicamente minha. Meus amigos gringos, grandes conhecedores do assunto, confirmam (e ficam de cara): não tem igual no mundo!”.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

2 comentários em “Pedra que rola não cria limo”

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s