Bater, revidar, ignorar: pra tudo tem hora

Este ano este blogue completa 10 anos, somados os outros endereços por que passou antes de se instalar neste em definitivo, o que torna mais correto dizer que em abril próximo eu completo 10 anos blogando.

10 anos movidos por pura vontade e necessidade de dizer. Uma década sem um centavo de patrocínio público ou privado. Tempo de aprendizado, de cabeçadas, de arrependimentos, de textos ruins, mas também de evolução. Quase um terço da vida dedicados a indicar aos poucos mas fiéis leitores livros, discos e filmes de que gostei. Mas também de meter o bedelho onde não sou chamado. 10 anos entre agradar e desagradar, que nem Jesus Cristo foi unanimidade, não é, Nelson Rodrigues?

Mais que tudo, em abril próximo – se eu não desistir até lá – completo 10 anos de resistência e independência, num Maranhão em que quase tudo parece depender de apadrinhamentos políticos, cooptações, benesses, panelinhas e que tais.

São 10 anos dedicando meu tempo livre, ou roubando-o do trabalho ou da esposa, para fazer algo em que acredito. Não digo isso para jactar-me, mas não abro mão de minhas convicções e ideais.

Neste tempo, ganhei leitores, amigos e inimigos, ainda bem que não em igual proporção. Estive envolvido em debates importantes e necessários, mas em muita polêmica desnecessária e desgastante, sobretudo nas chamadas redes “sociais”. Coisa que não vale a pena.

Amadureci. Hoje prefiro canalizar esforços e energias mais concentradamente. Quem me conhece sabe que continuo sem fugir de uma boa briga. Mas ela tem que valer a pena. Gratuita ou não, não vou revidar uma agressão só pra demonstrar valentia. Assim sigo meu caminho.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

10 comentários em “Bater, revidar, ignorar: pra tudo tem hora”

  1. Parabéns Zema. Sou uma dessas leitoras que conquistaste!
    Em uma terra em que dois segmentos importantes para a vanguarda do pensamento, jornalistas e artistas, vivem de pires na mão, temos que louvar perfis como o seu.
    Em tempo, ainda temos que nos reunir para aprofundar diálogos, parcerias, contratos ou sei lá… Ora pelo Casa dArte, com atraso na inauguração; ora pelo Instituto Maranhão Sustentavel.
    Saudações e parabéns!

  2. Zema,
    mais uma dentre as poucas, mas fiéis-leitoras, deste blogue te parabenizo pela resistência, por este cantoblogue de resistência. Foi por meio deste espaço que fortalecemos nossa parceria cultural, musical, jornalística, de engajamento. Uma década buscando o fortalecimento das “coisas que acreditamos” parafraseando nosso guru, Joãozinho Ribeiro. Sim, é de se lamentar essa cavalgada solitária no sentido de manter atual este lugar na blogosfera; mas, uma independência mantida a duras penas libertadora e reconfortadora também. E aí quantas vezes acompanhamos teus post´s pensando: “caramba, era exatamente isso que gostaria de dizer!”. E aí, nem nós nos sentimos tão sós e esquisitos nessa terra de apadrinhamentos e quetais. Grande abraço, meu amigo, irmão, assessor. Tamo junto. Lena Machado

  3. Irmão de luta e parceiro musical,

    Por tantos caminhos que passaste, tenho testemunhado que o caminho inevitável para a morte tem te feito bem.
    Do muito que escreveste de denso, e, vá lá, nem sempre imparcial, mas sempre especial, compõe uma leitura histórica quanto contemporânea do mundo ao teu redor.
    Os que têm o privilégio de ler, congratulações, aos demais, só uma recomendação: o contraponto de Zema dá molho ao nosso cotidiano e nos atira ao real sem tédio.
    Sucesso e que venham outros dez (depois a gente avalia forma, conteúdo e jeito de continuar)!

  4. Caríssimo Zema,

    Coisa chata essa coisa de “não ter ou roubar o tempo” para o que deve importar na vida. Aprendo contigo a cada “post”. Gracias pela existência deste canto. Por sua boa influência abri o meu blogue outro dia, já com 2 anos e poucos (hoje, um tanto descuidado – coisas dos tempos: reais e virtuais). O que dizes aqui (e nas redes por onde te entrelaças e donde me amarrei também) serve a um digno farol a nos iluminar a todos. Vida longa ao criador e à criatura! Abraço.

  5. rita, querida, obrigado pelo carinho e leitura de sempre. sua companhia e multiplicação certamente completam o “salário” do blogueiro, as afetividades que nos fazem teimar em manter este espaço e seguir com ele. abraço forte!

  6. Zema, não sou cantor, não sou artista (se bem que gostaria de ter algum dote assim). Arte mesmo só aquela que mamãe dizia quando eu era criança: “deixa de fazer arte, menino!!”. Porém admiro demais a “verdadeira” cultura maranhense e acompanho sempre o teu trabalho. Você é pra mim um grande (se não o melhor) articulista cultural do Maranhão. Teu blogue é parada obrigatória sempre que queiro me inteirar do que tá acontecendo de cultura e no cotidiano por aqui. Aguardo ansioso por esses 10 anos e estarei presente com certeza, seja numa comemoração com grande festa ou mesmo se for apenas num barzinho de esquina. Conte comigo. Abração e obrigado!

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s