Sim, eu compro livros pela capa

PREFÁCIO

Desconhecido, como se fosse um dos seus próprios personagens, Lucas Baldez voltou ao Beco das Minas para reviver as histórias de Fofi, Sabiá, e Mário Jumenta. Chegou a jogar no Graça Aranha Esporte Clube, mas somente depois de pendurar as chuteiras descobriu a sua nova vocação: a literatura. E depois de ganhar o Prêmio Graça Aranha, no Concuro Literário Cidade de São Luís, em 1980 com o conto “O Torcedor”, resolveu juntar seus contos, novos e velhos, e publicar este volume. O seu maior mérito, entretanto, foi ter penetrado no perigoso caminho da literatura com a disposição de quem já sabia pisar os espinhos da Fonte do Bispo, da Quinta do Barão, e do Apicum (onde já pernoitava o velho Erasmo Dias), mas, na verdade apenas começou a vislumbrar a sua trajetória.

Dostoiévski nos diz que “as pessoas vulgares são, em todos os momentos, a chave e o ponto essencial na corrente de assuntos humanos”, e assim são os personagens de Lucas Baldez. Note-se que aqui a palavra “vulgar” não é um termo pejorativo, pois serve para designar o homem comum, o homem simples e anônimo. E é utilizando a linguagem popular que Lucas Baldez consegue driblar as regras da Gramática em favor de uma melhor comunicação com o leitor. Por este motivo, “A Outra Face da Ilha” torna-se um livro agradável, e mais facilmente coloca em questão a problemática social do nosso povo, valorizando cada personagem em seu próprio tempo e espaço. Personagens que lutam para sobreviver nesta ilha universal onde os ditadores bebem o sangue de suas vítimas.

Cesar Teixeira

*

Cesar Teixeira escreveu o prefácio de A outra face da ilha (1981) e fez sua capa e ilustrações, bem como a capa de O estranho caso do inditoso Francisco Sotero (1989), do mesmo autor, imagens que abrem-ilustram este post. Os livros, que ainda não li, encontrei-os ontem, à cata de outros, no sebo Papiros do Egito (Rua Sete de Setembro, 150, Centro, (98) 3231-0910).

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM). Coautor de "Chorografia do Maranhão (Pitomba!, 2018). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s