As aventuras do Criolina

 [Textinho nosso no Vias de Fato de julho, ora nas bancas]

Duo maranhense teve Cine Tropical considerado melhor álbum na 22ª. edição do Prêmio da Música Brasileira

ZEMA RIBEIRO

Nem mesmo eles acreditavam, conforme confessou um Alê Muniz já de troféu na mão num programa de tevê local. Um casal do Maranhão papar prêmio assim, deixando Reginaldo Rossi e Roupa Nova para trás? Este repórter mesmo chegou a publicar um texto pessimista na internet, antes do resultado. Parecia impossível. Mas não era.

O Criolina (foto) voltou com o título de “melhor álbum” na bagagem, na 22ª. edição do Prêmio da Música Brasileira. Incautos invejosos faziam beicinho e afirmavam categoricamente nunca ter ouvido falar nesse prêmio. Ou diziam que se tratava de um premiozinho inventado pela Vale em mais uma de suas iniciativas de “responsabilidade social” e “compromisso com a cultura” e coisa e tal.

Não, meu caros, trata-se do mesmo outrora chamado Prêmio Sharp de Música ou ainda Prêmio Tim de Música, muda o nome conforme mudam os patrocinadores. Outros maranhenses já o ganharam em outras edições – e mesmo nesta, com Alcione levando a estatueta de melhor cantora de samba – e ainda me parece injusto o Criolina ter perdido o outro troféu a que concorria: melhor dupla, vencido por Zezé di Camargo e Luciano, tendo ainda Victor e Léo na concorrência.

Cine Tropical, a obra laureada, é um disco bonito. Musical e plasticamente. Realizado com apoio do Projeto Pixinguinha, da Funarte/MinC, aprovado em edital público. Cada faixa, um filme cujas imagens nossas mentes inventam (e reinventam), “cinema auditivo”, como já havia cravado Wado, alagoano nascido em Santa Catarina, ao batizar disco seu nos anos zero zero. Cada faixa um gênero e uma sinopse.

Como o “documentário” São Luís-Havana – que já havia saído vitoriosa como melhor música no Prêmio Universidade FM do ano passado, parceria de Alê Muniz, Luciana Simões e Celso Borges, com o poeta participando da faixa. A sinopse: “Traça um paralelo entre São Luís e Havana, a relação física e cultural entre as duas cidades. Investiga o fato de uma suposta rádio do Caribe ter invadido a frequência do litoral do Maranhão há 30 anos”, uma das lendas – reais ou fictícias – que tentam explicar o fato da capital maranhense ter se tornado a Jamaica Brasileira.

Um pedaço da letra, já bem conhecida de vocês do rádio: “São Luís-Havana, Chiquita Bacana, lá na bodeguita/ Tiquira catuaba, yo te quiero catita/ melodia cubana se vê/ nos becos e nas veredas, malecón e las quebradas/ nas matracas e tambores, nos lelês e suas cores”.

Outra sinopse anunciou o show recém-apresentado dentro do projeto Quinta Esticada, na Let it Beer (antiga Boate Flamingo): “um homem, uma mulher e uma guitarra numa aventura eletrizante em busca do Prêmio da Música Brasileira”, berrava a arte distribuída por e-mail ao fã-clube.

O “casal mais charmoso da música brasileira” provou ser possível fazer música de qualidade mesclando elementos do que se convencionou chamar world music e das culturas populares do Maranhão, hibridizando as coisas, de fato, em vez de construir pequenos monstros para encalhe nos laboratórios de criação e produção.

O Criolina é nosso tardio reprocessamento de tropicália e manguebeat, sem nenhum demérito temporal.

Grande parte de Cine Tropical foi gravada em São Luís, onde “o melhor acontecimento da música do Maranhão nos últimos 20 anos”, nas palavras de Zeca Baleiro, escolheu para morar, contrariando a “ditadura” do eixo Rio-São Paulo.

Como sua música, com um pé no Maranhão outro no mundo, o Criolina está em turnê pelo país. Passarão por Fortaleza, Crato, Salvador, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Haja “ronco do motor do Maverick”, tanta estrada a percorrer. Ainda bem que “nós capota mas não breca” (subtítulo de Nó ni pingo d’água): “Nós tá na boca do povo/ diz que nós é osso duro/ nós aguenta chumbo grosso/ olha nós aí de novo”.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

7 comentários em “As aventuras do Criolina”

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s