Carregue seu ídolo no peito

Meu talentosíssimo amigo-irmão Bruno Galvão, mais conhecido nas rodas de samba como Bruno Nagô, iniciou uma série de camisas pintadas à mão: caricaturas de grandes artistas e personalidades outras. Se uma imagem vale mais que mil palavras, saquem o talento do moço:

O gênio Cartola no traço do gênio Bruno Galvão

 As camisas não são feitas em série: o artista pinta uma a uma, o que as torna peças únicas. Não sei ainda o preço, mas deve ficar em torno de R$ 35,00. Encomendas no bruno.nago@yahoo.com.br. Eu, que tenho na sala de casa um Cartola pintado por ele (depois pendurarei acá uma foto da reprodução da capa de Verde que te quero rosa) e em breve andarei com este Cartola aí no peito (como padrinho da iniciativa a primeira tinha que ser minha, né?), já encomendei-lhe um Leminski.

Em breve Bruno Galvão montará um blogue para expor sua produção, que não se restringe a camisas e telas. Ele também desenha, grafita e aceita convites para trampos na área, oficinas e quetais. Tão esperando o quê pra escrever pro hombre?

Vamos amar

Há uns dias caí num programa da TV Brasil que exibiu o clipe abaixo (que eu não conhecia, confesso). Sempre gostei dessa música, Façamos (Vamos amar), versão do genial Carlos Rennó para música de Cole Porter, magistralmente gravada por Elza Soares e Chico Buarque em Do cóccix até o pescoço, excelente disco da diva.

O apresentador do programa falava algo acerca da “safadeza” da letra e comentava como caíram bem as ilustrações de mestre Angeli para o videoclipe. Concordo. Tirem suas próprias conclusões:

Existem tragédias maiores que a derrota em copas do mundo e olimpíadas

A Relatoria do Direito Humano à Cidade da Plataforma Dhesca Brasil visitou o Rio de Janeiro em maio passado para investigar os impactos que já causam aos cariocas os dois maiores eventos esportivos de que o Brasil já teve notícia: a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o primeiro sediado em diversas cidades brasileiras, incluindo a capital carioca, cidade-sede do segundo.

Abaixo, quatro vídeos elaborados pela Missão da citada Relatoria nas comunidades de Restinga, Favela do Metrô, Morro da Providência e Vila Recreio 2. Para assistir, se indignar e lembrar quando formos comemorar cada gol brasileiro na primeira competição, cada medalha na segunda. Qual o preço de cada vitória? A derrota de milhares de famílias desde agora? Para quem não tiver paciência de abrir vídeo por vídeo, um playlist com os quatro aqui.

O Santos é o novo campeão

Não à toa um verso do hino do Santos batiza este post. Não sou santista, mas isso não me impediu de vibrar e torcer pelo alvinegro da Vila Belmiro na noite de ontem, quando o time brasileiro derrotou os uruguaios do Peñarol por 2×1, conquistando seu terceiro título na Libertadores da América, o 15º. título brasileiro no certame, desde sua existência, iniciada em 1960 – o negro dourado do Uruguai, aliás, seu maior vencedor. Triste, triste foi a pancadaria que sobrou, comportamento típico do Peñarol, típico de quem não sabe perder. O Santos foi superior na bola, dentro das quatro linhas, e fora delas, ao esquivar-se, na medida do possível – verás que um filho teu não foge à luta – do cenário grotesco de incivilidade generalizada, da parte deles, que serviu apenas para enfeiar o espetáculo que teve direito até mesmo a Pelé correr pelo gramado puxando o técnico Muricy Ramalho pelo braço.

Torci pelo Santos não por ser “o Brasil na Libertadores”. Bobagem! Sorte a nossa: não era o Galvão narrando ou teríamos ouvido essa frase sabe-se lá quantas vezes. Há times pelos quais você não torceria mesmo que ele pusesse o uniforme da seleção e fosse disputar a Copa do Mundo. Torcer pelo Santos é ler poesia escrita com os pés e com a cabeça – e, por que não dizer, com o coração.

Neymar e Ganso, membros da Academia Brasileira de Passes de Letra

Ver Ganso, Neymar, Elano, Arouca e cia. jogando, é ter de volta o prazer do futebol-arte, há tanto tempo esquecido em nome do futebol de resultados – joga-se feio, mas faz-se gol, é o que importa para os burocratas do ludopédio. O Santos mostra que as coisas podem caminhar juntas, que uma não anula a outra, que uma não é oposição a outra.

Depois de um 0x0 na casa do adversário, uma vitória em casa para selar bonito um feito que levou 48 anos para se repetir – o último título santista no torneio sul-americano foi em 1963, quando o Santos sagrou-se bicampeão, algo até então inédito na recém-inaugurada Libertadores, com Pelé ainda jogando.

Não que não dê saudades o Santos de Pelé que nem vi jogar – saudades de um tempo que não vivi e não vi mais que flashes em programas como o Gol – O Grande Momento do Futebol e breves coletâneas montadas em programas outros de esporte. Mas os gritos de gol e de campeão desentalados das gargantas dos santistas espalhados pelo mundo – muitos torcendo pelo Peixe justo por terem visto ou sabido de Pelé jogando – hoje nos permitem falar, em vez de no Santos do Rei do Futebol, no Santos de Neymar, no Santos de Ganso, no Santos de cada um que levou o time ao merecido posto de melhor time das Américas – azar das que não participam da Libertadores.

Torcedores mais otimistas previam, exibindo em faixas ontem no Pacaembu, o tetracampeonato já ano que vem. Eu, que não sou torcedor do Santos, repito, já previa o título do campeonato brasileiro, coroando o Santos definitivamente como a grande equipe brasileira em 2011 – lembremos que este ano o time já foi campeão paulista –, apesar dos tropeços do time no início da disputa nacional, frutos da prioridade dada à Libertadores.

Pena não poder manter o chute: o anúncio da saída de Neymar e a não pouco provável de Ganso parecem ser o início de um desmonte do escrete. O futebol-arte pode voltar a perder este status na Vila Belmiro. Uma pena não só para torcedores do Santos.

Resta-nos torcer pelo núcleo santista que vai à Argentina para a Copa América. Os garotos trocam agora o preto-e-branco pelo amarelo da seleção canarinha. Que venham uruguaios, argentinos, venezuelanos, colombianos, chilenos, peruanos ou quaisquer hermanos e quem mais ousar tirar nossos pés da bola e nossas mãos da taça.

A violência e a impunidade, a culpa e o cinismo

EDITORIAL
DO VIAS DE FATO

Um show de cinismo! Foi isso que alguns maranhenses assistiram, no último dia de 13 de junho, por volta das 19 horas, quando o jornal da TV Mirante (ligada à rede Globo) informou que, naquele dia, “vândalos entraram na sede regional da Comissão Pastoral da Terra (CPT), reviraram e quebraram tudo”. A matéria reconheceu o fato de haver membros da coordenação local da CPT ameaçados, mas, deixou no ar a possibilidade de ter sido um assalto. Uma rápida fala do Padre Clemir também foi veiculada. E ponto final.

A matéria confundiu muito mais do que explicou. Ela serviu, principalmente, para os donos da emissora (grupo Sarney) tentar passar para a opinião pública que não têm nenhuma relação com os tais “vândalos”, quando, na verdade, estes são os eternos capangas de latifundiários, protegidos pelo mesmo grupo Sarney, os cínicos donos da mesma TV Mirante.

Estamos falando de um fato dramático. No ano de 2011, em pleno século XXI, a sede da Comissão Pastoral da Terra (CPT), no Maranhão, localizada no centro da capital, em São Luís, foi invadida durante a madrugada do dia 13 de junho. E esta invasão é resultado do clima de violência e de total impunidade vivido num Estado onde a oligarquia/máfia de José Sarney, o presidente do Senado Federal, continua mandando – e promovendo desmandos – no INCRA, no Tribunal de Justiça e no Governo do Estado.

A notícia realmente importante é que a CPT, ao lado de lavradores quilombolas ameaçados de morte, esteve participando da coordenação de um acampamento feito na Praça Pedro II, em frente à sede do Tribunal de Justiça e do Palácio dos Leões, indo em seguida para a sede do INCRA, no bairro do Anil. O acampamento durou entre os dias 1º e 10 de junho e denunciou a violência e a impunidade, colocando o governo Roseana e o grupo Sarney entre os principais responsáveis por este problema do Maranhão.

O que não pode ser escondido é o fato de dois padres da CPT e 19 lavradores ameaçados, terem feito greve de fome, durante o acampamento do INCRA, para chamar a atenção para o problema da impunidade e da violência no Maranhão. A greve foi suspensa junto com o acampamento no dia 10 de junho e, nas primeiras horas do dia 13, a sede da CPT foi invadida.

É fundamental registrar – junto com a notícia da invasão da sede da Pastoral – que estes lavradores e os dois padres só suspenderam a greve e desocuparam a sede do INCRA, quando uma Ministra de Estado assumiu o compromisso de vir ao Maranhão para ouvi-los. E neste caso, tem que ser dito que, apesar do governo Dilma andar de braços dados com a máfia maranhense, apenas uma autoridade federal poderia resolver o impasse.

Para os acampados, os representantes do Governo Roseana não valem um Cibazol. Prova disso é que quatro secretários de estado assinaram um documento endereçado a eles e a proposta foi recebida com indgnação, considerada ridícula, com ninguém levando a sério o documento assinado por Conceição Andrade (Secretária de Desenvolvimento Agrário), Claudett de Jesus Ribeiro (Secretária de Igualdade Racial), Luiza de Fátima Amorim Oliveira (Secretária de Direitos Humanos) e Aluízio Guimarães Mendes Filho (Secretário de Segurança).

A oligarquia/máfia tem o poder para segurar e manipular processos em diferentes tribunais, indicar ministro de Estado e eleger seus apadrinhados na base do abuso de poder político e econômico. Porém, vem de longe o fato de todo este poder ser colocado contra a população do Maranhão, especialmente, contra os mais pobres, caso de trabalhadores rurais (lavradores), ameaçados há décadas pelo avanço do latifúndio, da grilagem de terras e da violência no campo. As organizações populares pagam um preço alto por ficar ao lado das vítimas dessa estrutura de poder.

Hoje, a grande imprensa, controlada pela oligarquia-máfia, só fala em desenvolvimento e em grandes projetos. Sobre a violência no campo e seus verdadeiros responsáveis, o assunto é tratado, por esse mesmo sistema de comunicação, como se o problema fosse na lua.

Nos últimos anos, após a volta de Roseana ao governo, aumentou no Maranhão o número de assassinatos no campo. O Poder Executivo (com o auxílio de figurinhas carimbadas do Judiciário) acoberta os mandantes desses crimes. Os casos ocorridos recentemente em Açailândia e São Vicente Férrer (noticiados em edições anteriores deste jornal) são escandalosos e estão aí para provar o que estamos afirmando.

O Maranhão sobrevive sob o manto da impunidade. O poder institucional do Estado está a serviço do crime organizado. No caso da terra, as instituições defendem os interesses dos grandes grileiros. Com isso, o latifúndio se esparrama e o clima de barbárie se instala em várias regiões. Isso já foi dito outras vezes neste jornal. E será repetido, sempre que for necessário.

Em 2009, tocaram fogo em uma associação de lavradores quilombolas da Baixada e o governo de Roseana não apurou as responsabilidades. Em 2010, mataram o presidente dessa mesma associação (Flaviano Pinto Neto) e, até hoje, os mandantes estão soltos. Outra liderança da comunidade do Charco, conhecido como Manoel do Charco, vive sob a proteção da Força Nacional. E agora, em 2011, a residência do vice-presidente da mesma associação, Almirandir Pereira, foi alvejada com três tiros. Por último, invadiram a sede da Comissão Pastoral da Terra, localizada em plena Rua do Sol, no centro de São Luís.

E a TV Mirante diz que a Policia vai investigar. É mesmo? E Roseana? Quer que investigue? E Sarney? E João Alberto? Estão todos preocupadíssimos com o caso de “vandalismo”? É o cúmulo do cinismo!

O caso da CPT merecia (no mínimo!!!) uma entrevista com o secretário de segurança do Estado. Quanto à secretaria de Direitos Humanos essa não adiantaria ouvir, afinal, ela efetivamente não existe, só servindo para distribuir umas “medalhas” no final do ano.

Encerramos lembrando que, em julho de 1969, José Sarney assinou a Lei de Terras do Maranhão e abriu as portas do estado para os grandes grileiros, tumultuando o processo de regularização fundiária e provocando êxodo rural e violência no campo. Em 2011, a oligarquia-máfia criada por ele (com Roseana no papel de porta estandarte) fala em desenvolvimento e de grandes projetos, mas, na verdade, permite que os ladrões de terras (travestidos de empresários e pecuaristas) atuem como se estivessem no século XIX.

Mas, havia uma vantagem naquele tempo. Pois, no século XIX, os coronéis, chefes dos pistoleiros, não tinham uma emissora de TV para confundir a opinião pública e acobertar, cinicamente, os verdadeiros culpados pela violência e pela impunidade.

O ron-ron do gatinho

Pagu

O gato é uma maquininha
que a natureza inventou;
tem pêlo, bigode, unhas
e dentro tem um motor.

Mas um motor diferente
desses que tem nos bonecos
porque o motor do gato
não é um motor elétrico.

É um motor afetivo
que bate em seu coração
por isso ele faz ron-ron
para mostrar gratidão.

No passado se dizia
que esse ron-ron tão doce
era causa de alergia
pra quem sofria de tosse.

Tudo bobagem, despeito,
calúnias contra o bichinho:
esse ron-ron em seu peito
não é doença – é carinho.

O poeta Ferreira Gullar em Um gato chamado Gatinho (Ed. Salamandra, 2000). Sincera homenagem deste blogue à Pagu, nossa gatinha linda que ilustra este post.

Pagu caça um besouro

&

Hoje é aniversário de meu irmão Netto e do amigo Bruno, a quem dedicamos também o post. Muitos anos de vida, cabras bons!

Música e ponto.

Já conhecia e gostava bastante de DonaZica quando ouvi o primeiro disco solo de Andreia Dias, lançado depois dos dois trabalhos da banda em que ela dividia os vocais com Iara Rennó e Anelis Assumpção. Boas letras em melodias idem, opinião que mantive quando tempos depois a moça botou o segundo filho na rua. Parece haver três donazicas agora, com os muito interessantes trabalhos solo de suas três cantoras, embora isso pareça diminuir muito a questão, e não é o que se quer aqui.

A notícia dada por Alê Muniz por msn me entusiasmou: Andreia Dias faria um show em São Luís. Data, horário, local, preço do ingresso, o homem Criolina passou-me todos os detalhes e o blogueiro tentou logo cavar uma entrevista com a cantora paulista, por e-mail.

Ela só me responderia após o show, enxuto – “não deu tempo de ensaiar”, ela me justificaria depois, no bate papo do facebook –, em que cantou apenas três músicas de sua lavra (Asas, O fio da comunicação e Seu retrato), reverenciando grandes mestres: Sérgio Sampaio (Que loucura!), Roberto e Erasmo (Mesmo que seja eu), Cláudio Zoli (À francesa, sucesso de Marina Lima), Benito de Paula (Do jeito que a vida quer) e Zeca Pagodinho (Maneiras, composição de Silvio da Silva).

Andreia Dias iniciou a turnê Fora do Eixo por Belém, no mesmo esquema de São Luís, seu segundo palco na jornada: ao todo serão dez cidades brasileiras, ela viajando sozinha, se aliando a uma produção local e tocando acompanhada por uma banda idem. Ao palco do Novo Armazém na última quarta-feira (15), subiram com ela Edinho Bastos (guitarra), George Gomes (bateria) e João Paulo (contrabaixo). “Com uma banda dessas fica até fácil”, brincou a certa altura.

Os DJs Pedro Sobrinho e Natty Dread foram os pães da noite-sanduíche, cujo recheio contou ainda, além de Andreia Dias, com o casal Criolina Alê Muniz e Luciana Simões, indicados ao 22º. Prêmio da Música Brasileira, na categoria Canção popular, sobre o que falaremos em hora oportuna. Confira a seguir a entrevista que a cantora paulista concedeu com exclusividade, sem pudores nem papas na língua, a este modesto blogue.

Sem papas na língua, ela não poupa ninguém. Sobre a "nova" geração: "tem muita gente mala e bunda mole que acha que 'tá abafando, muita masturbação musical e lixo muito mais pesado sendo consumido"

ENTREVISTA: ANDREIA DIAS
POR ZEMA RIBEIRO

Zema Ribeiro – Em fevereiro você reverenciou Sérgio Sampaio no projeto Bendito é o maldito entre as mulheres. Sérgio é um de teus ídolos? Quais as tuas principais influências?
Andreia Dias – Acabei conhecendo mais o Sérgio através do convite pra esse show [a série homenageou ainda Jards Macalé, interpretado por Camila Costa com participação do mesmo, Tom Zé por Anna Ratto, com participação de Anelis Assumpção, e Jorge Mautner, que participou do show das Chicas]. Virei entusiasta e desde então tenho que cantar umas músicas dele, elas já fazem parte do meu ser. Me identifico muito com a obra dele. Minhas principais influências vêm do gospel, rock e do samba. Depois passei a assimilar outras linhas, mas essas três são as principais vertentes da minha obra. O gospel ainda de forma bem sutil, nota-se em Astro ReiO Fio [da comunicação, música já gravada pela DonaZica, retomada por ela em Vol. 2] etc.  Um dia pretendo gravar um disco de metal do senhor.

Em que momento você “decidiu” ser artista? Quando descobri que não gostava de estudar nem trabalhar. Com 16 anos.

A relação com as ex-colegas da DonaZica parece ser boa, pelas participações delas em teu disco de estreia. A banda acabou ou continua acontecendo em paralelo à tua carreira solo? DonaZica acabou, mas continuamos amigas e participando das fuleiragens umas das outras.

Em recente entrevista ao caderno Ilustrada, da Folha de S. Paulo, o cantor, compositor e pensador Rômulo Fróes, disse que “essa é uma geração das mais brilhantes da história da música brasileira”. Como você, que faz parte dessa geração, analisa a afirmação? Eu acho essa afirmação muito pretensiosa, quase arrogante.  Nem sei mesmo se ele falou isso por que também não confio muito nos jornalistas, Nada pessoal, só acho que alguns filhos de Marat [o jornalista francês Jean-Paul Marat, 1743-1793] distorcem  muitas vezes o que dizemos. Se ele disse mesmo, do meu ponto de vista está equivocado. Todas as gerações têm o seu brilho e o seu encantamento, seu peso e sua influência nos costumes e na sociedade como um todo. Nenhuma é mais ou menos que a outra. A nossa tem grande potencial, tem artistas interessantes, mas também tem muita gente mala e bunda mole que acha que ‘tá abafando, muita masturbação musical e lixo muito mais pesado sendo consumido. Falta muita distorção e sangue nos olhos pra muita gente. Acho que essa geração deixa muito a desejar em vários aspectos.

Essa geração, que não dá satisfação, por exemplo, a grandes gravadoras, tem, em tese, mais liberdade para construir sua obra. No entanto, em tempos em que todo mundo é repórter de si mesmo em twitter, orkut, facebook, myspace e toda a internet, “conquistar espaço” parece bem mais difícil. Os discos já não têm mais as vendagens de outrora. Como você enxerga este atual momento da música popular brasileira? Acho que esse é um grande momento pra se saber quem é quem de verdade. A mentira não cabe mais. Tá todo mundo exposto com a cara pra bater. Todo mundo tem potencial artístico e não cabe mais o modelo do artista glamourizado imposto pela  grande mídia. A ditadura do super artista, o ser superior e iluminado está ruindo a cada dia. Ninguém mais deixa de cantar ou tocar sax por que não vai fazer sucesso e precisa trabalhar no escritório pra pagar as contas. Todo mundo pode fazer, as armas estão aí;  partindo deste princípio saberemos quem sobreviveu daqui há uns dez, vinte anos. Daí saberemos se essa geração foi brilhante mesmo.

Música popular brasileira, um conceito, aliás, cada vez mais contestável. Como você define a música que faz? Música, só. Eu faço música. Antes eu gostava de dizer ‘musica popular contemporânea da América latina’. Mas também já acho isso uma punheta. Música e ponto.

Por que batizar os discos simplesmente de Vol. 1 e Vol. 2? Por que fazem parte de uma trilogia ainda em construção.

Você que tem asas e precisa abri-las, para citar a letra de Asas, que abre teu disco de estreia, em que projetos está envolvida atualmente, incluindo próximos discos? Estou em uma circulação por 10 cidades do Brasil através do coletivo Fora do Eixo. A ideia é percorrer 10 pontos em dois meses de viagem. Estou sozinha na estrada e em cada cidade que chego tem uma banda pra me acompanhar. Comecei por Belém onde já gravamos duas faixas inéditas e um videoclipe em parceria com músicos de lá. Minha segunda cidade está sendo São Luís e já comecei uma faixa com o casal Criolina. A ideia é acabar com um disco e um documentário da expedição, que batizei de tatuducerto.

Qual o segredo para tratar dos amores e das inevitáveis rimas para eles, as dores, sem meramente cair no brega, quer coisa mais brega que o amor? Quanto há de autobiográfico e de ficção em tuas letras? O segredo é viajar e se amar acima de tudo. Minha obra é bastante autobiográfica, na música exorcizo meus sentimentos e minhas dores, como também minhas alegrias.

O que você achou do show desta quarta-feira (15) no Novo Armazém? E o que tem achado da cidade? São Luís estava no roteiro desde o começo. Eu, antes de ir pra Belém, já tinha batido uma bola com a Lu [a cantora Luciana Simões], daí então surgiu o convite. Embora aqui não tenha um ponto Fora do Eixo definido, o Criolina atua como representante e através deles foi criada toda a rede de produção e interação com os músicos. Fiquei muito satisfeita com o show e a ideia é voltar em breve e fazer mais shows. Tô amando essa cidade, as pessoas são muito calorosas e a comida muito boa, vou conhecendo aos poucos.

Volto um pouco à questão dos grandes avanços tecnológicos, não só em relação à música: como você enxerga, por exemplo, a questão dos downloads? A seu ver, downloads gratuitos atrapalham ou ajudam as vendas? Acho que deve atrapalhar por que incomoda muita gente. Eu acho massa!! Vamos baixar o universo! Pau no cu das grandes instituições que dependem de vendas, de juros e lucros!! Malditos escravocratas!!!! Tá tudo aí, é só querer pegar. O mundo é nosso e ninguém pode impedir mais a tecnologia. Eles vão tentar, mas a casa deles ‘tá caindo e enquanto isso vamos downloadeando!!

Em dois vídeos,

três bons motivos pr’aqueles que ainda não decidiram ir ao show de Andreia Dias, logo mais no Novo Armazém (Rua da Estrela, 401, Praia Grande): Asas, Bode e O fio da comunicação, três músicas dela, as duas primeiras no primeiro vídeo, esta última também já gravada pela Donazica, ótima banda de que faz parte, ao lado das também talentosíssimas Anelis Assumpção (que acaba de lançar disco solo) e Iara Rennó.

Anotem aí o serviço: Show de Andreia Dias, hoje (15), às 21h. Participação especial: Criolina. Discotecagem: Pedro Sobrinho e Natty Dread (não sei se antes, pra criar o clima, ou depois, enquanto pedimos as saideiras). Exposições fotográficas: PanorAMO São Luís, de Ghustavo Távora, e Vibrações, de Marcos Gatinho, além de uma de artes plásticas de Alex Soares. Os ingressos custam apenas R$ 15,00. A apresentação integra o projeto Fora do eixo, com que a cantora está percorrendo o país. A produção local é do Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões). Andreia Dias será acompanhada pelos músicos Edinho Bastos (guitarra), George Gomes (bateria) e João Paulo (contrabaixo).

Paço do Lumiar: Todos os Santos em conflito

O vídeo tem alguns problemas de edição, mas vale a pena ver pela coragem de quem luta e resiste, buscando seus direitos, tendo que enfrentar tudo e todos, os “poderosos”, a “inteligência” da polícia. E acreditem, poucos mas fieis leitores: isso é mais comum do que supõe nossa vã filosofia. Que existam mais Paulões por aí!

A palavra voando nos CCBNBs

“Leve um boi e um homem a um matadouro. Aquele que berrar mais é o homem, mesmo que seja o boi”.

O autor da frase acima, o piauiense Torquato Neto, é um dos letristas revisitados pelo poeta Celso Borges no espetáculo A palavra voando, em que divide o palco com o músico, compositor e DJ Beto Ehongue, vocalista e letrista das bandas Negoka’apor e Canelas Preta (sic).

Além do jornalista de Geleia Geral, Borges e Ehongue revisitam nomes como Caetano Veloso, Capinam, Chico Buarque, Alceu Valença, Raul Seixas, Ronaldo Bastos, Josias Sobrinho, Vitor Ramil e Gilberto Gil, entre outros. 20 letras de música compõem o show, onde as letras ficam entre o lido e o cantado por Borges, renovadas por loops criados por Ehongue, autor da trilha nervosa de Reverso, premiado curta de Francisco Colombo.

As releituras vão além da discussão “letra de música é poesia?”: Celso Borges privilegia o discurso poético, seja qual for o suporte, seus livros, livros-discos, shows, vídeos, rádio, internet etc.

A palavra voando terá três apresentações, uma em cada Centro Cultural Banco do Nordeste, conforme arte abaixo. De graça!

Quilombolas decidem acabar greve de fome

Garantia da vinda da ministras (sic) de Direitos Humanos e da Igualdade Racial a (sic) São Luís, além do encaminhamento de alguns itens da pauta de reindivicações (sic), levou ao fim do acampamento e do protesto realizados na sede do Incra, situado no bairro do Anil

Da Redação

O anúncio da visita das ministras de Direitos Humanos e da Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial, além de representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário, à São Luís suspendeu, ao menos até o próximo dia 22 de junho o Acampamento Negro Flaviano e a greve de fome a que se submeteram 18 lideranças e simpatizantes.

Na data acontecerá uma audiência na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, na capital maranhense, para tratar da pauta de reivindicações dos manifestantes. O anúncio da visita foi feito pela própria ministra de Direitos Humanos Maria do Rosário, por telefone – colocado em modo viva voz e ao microfone o compromisso foi assumido perante a plenária que lotava o auditório do Incra. Ela estava no vizinho Pará tratando de questões relativas ao assassinato de lideranças camponesas naquele estado.

Maria do Rosário também se prontificou a negociar com o Governo do Maranhão para que fossem assegurados o retorno dos quilombolas às suas comunidades, bem como a garantia de vida e segurança dos mesmos. Lideranças entenderam que a suspensão do acampamento não é uma derrota. “A ministra coloca o Maranhão na pauta e nos pede um prazo. Veremos que providências serão tomadas até e na audiência do dia 22. Não é o que queremos, mas dependendo dos resultados, o acampamento e as greves de fome serão retomadas”, afirmaram.

No último sábado dia 11, em reunião coordenada pelo vice-governador, Washington Luiz Oliveira, e com presença de secretários estaduais e de lideranças das comunidades do quilombo do Charco, de São Vicente Férrer, foram apresentados e discutidos os próximos pontos da pauta acertada e que ajudou a pôr fim à greve de fome dos quilombolas. Estiveram presentes as secretárias de estado de Direitos Humanos, Luiza Oliveira; de Desenvolvimento Agrário, Conceição Andrade; de Igualdade Racial, Claudett Ribeiro; e o delegado-geral de Polícia Civil, Nordman Ribeiro, representando o secretário de Segurança, Aluisio Mendes. Também participaram, a convite do vice-governador, os representantes da Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (Aconeruq), Reinaldo Sales Avelar, e Maria José Palhano.

Chupa! – O Imparcial, Urbano, p. 2, hoje. O trecho em itálico é o texto que este blogueiro publicou no site da SMDH e no blogue do Tribunal Popular do Judiciário, sábado (11): um “com informações da assessoria” não cairia mal. Apenas o título  e o sutiã foram modificados, além de acrescido um quarto parágrafo, fazendo com que o jornal entre em contradição: uma coisa é acabar, outra coisa é ser suspenso (temporariamente). Torço para que o acampamento tenha, de fato, acabado; mas disso só se saberá dia 22: jornalismo deve informar, não torcer, nem distorcer.

Doc de Murilo Santos tem pré-lançamento em Alcântara, hoje

A alcunha de “divino artista”, usada por Murilo Santos para definir Antonio de Coló, protagonista de seu mais novo documentário, cabe também a ele. O cineasta e professor universitário tem no amor com que realiza suas coisas o segredo de seu sucesso.

E entendam sucesso aqui, caros leitores, num sentido mais amplo, esqueçam o mundinho podre das celebridades: Murilo Santos ainda consegue fazer supermercado em paz, sem ter que parar a cada passo ou dois para dar autógrafos e não é retuitado ad infinitum a cada bobagem que diz no tuiter – onde nem sei se ele tem conta.

O sucesso de Murilo Santos reside em chegar onde ninguém chega, em mostrar o que ninguém mostra, na dignidade e prazer com que faz isso. Há coisas que só estão na memória desse craque do documentário brasileiro – como muitos outros em outras artes, infelizmente ainda pouco conhecido lá fora, apenas por ter nascido e escolhido viver no Maranhão.

Ou nas memórias, que ele tem muitas: a sua própria, que ele exercita em longos e prazerosos papos por telefone ou quando nos encontramos pessoalmente – ou quando me responde um e-mail quilométrico onde resgata grande parte da história do cinema no Maranhão –, ou seus muitos HDs, onde ele armazena um sem número de filmagens e fotografias que ele realizou e sabe que um dia usará.

Murilo documenta o Maranhão há pelo menos 40 anos, quando participou da fundação do Laboratório de Expressões Artísticas, o Laborarte, de onde se desligaria depois. Semana corrida, poucos mas fieis leitores, vocês devem ter acompanhado o trabalho deste blogueiro na cobertura do Acampamento Negro Flaviano, talvez nem dê tempo de vocês pegarem a lancha para Alcântara, ‘tá em cima da hora, sei: mas lá, hoje (11), às 21h, na Igreja do Carmo (após a missa), acontece o pré-lançamento de Divino Artista: Antonio de Coló, novo doc de Santos (cujo release que recebi por e-mail colo logo abaixo da peça de divulgação), selecionado em edital da Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão na gestão Jackson Lago/Joãozinho Ribeiro.

Este, aliás, é outro segredo do sucesso de Murilo: o devolver aos retratados seus retratos. Parece simples, parece básico, mas há documentaristas e fotógrafos incapazes deste gesto, ao mesmo tempo tão pequeno (para quem retrata) e tão grande (para quem é retratado). Viva Murilo Santos!

Divino Artista – Antônio de Coló | Documentário de Murilo Santos | 30 minutos
Apoio:  SECMA (Edital de Apoio à Formação, Produção e Circulação Cultural/2008)

Antônio do Livramento Boaes Tavares, o Antônio de Coló, faz altares e centros de mesa da Festa do Divino Espírito Santo em Alcântara. Também prepara as salas das cerimônias nas casas de festa. Sua preferência pelo estilo que denomina genericamente de “barroco”, faz sua obra espelhar símbolos, ícones da cultura e visualidade de seu habitat, a histórica cidade de Alcântara no Maranhão.

Antônio é também mestre-sala da Festa do Divino Espírito Santo, ou seja, aquele que conduz as diferentes etapas do ritual. Antônio é um dos filhos de Seu Coló, que foi artesão e mestre-sala da Festa do Divino até o final da vida.

O documentário mostra um pouco do universo de nosso personagem: sua história de vida e seu talento nas artes visuais. Narra uma faceta da festa do Divino Espírito Santo sob o ponto de vista de um mestre-sala, trazendo uma nova abordagem acerca do tema.

Ser Vasco é preciso

Este blogue dedica o texto alheio abaixo aos ilustres amigos e parentes vascaínos Bruno Galvão, Emílio Azevedo, Heider Nogueira, Maria Clara, Rafaela Nunes (estes três, a família da boneca Vascuda), Ricarte Almeida Santos e Susalvino Tadeu.

AMIGO TORCEDOR, amigo secador, a caravela saiu do escudo, do peito do vascaíno, e até agora singra ruas e mares, que festa merecida, depois do triunfo do mais nacional dos campeonatos.

O mais nacional e o menos elitista, o torneio da gente diferenciada, como diriam em Higienópolis. Nenhum time mais que o Vasco da Gama, o nome do heroico português, merecia o título nessa hora.

Nessa grave hora, amigo, em que o futebol, assim como na sua chegada à nossa pátria, embranquece de novo, caminha para uma elitização medonha, com ingressos ao alcance de poucos. Navegar é preciso, ser Vasco agora é mais preciso ainda.

O Vasco, o primeiro clube a aceitar negros, mulatos e brancos pobres na sua equipe, quando o esporte ainda era exclusividade dos barões, ganha a Copa do Brasil, essa espécie de Coluna Prestes ludopédica, que abarca o sertão e o cais. Que o título vire símbolo. Só o time da Colina pode desbravar de novo uma campanha, na contramão da história, por um futiba de massa, que não caia no conto elitista de sequestrar a geral dos estádios. Só o Vasco, prezado Dinamite, pode sair na frente.

O Flamengo e o Corinthians, também de origens proletárias, só pensam em luxo e riqueza. Quem sabe uma aliança com o Internacional, outro pioneiro no embate de classes. Quem sabe o Santa lá no Recife, com seu bravo lumpesinato, também abrace a causa.

O mundo gira e a lusitana roda, a história carecia de um Vasco forte exatamente agora. O Vasco de Almir Pernambuquinho e de Juninho Pernambucano. O Vasco dos patrícios, da padaria e de todas as adegas, do trabalho e da bagaceira, do português que sai da piada para entrar na história, reescrevendo, com a Bic que escorre atrás da orelha, um novo Lusíadas.

Cesse toda a obviedade que a resenha esportiva canta. Sem essa de achar que Copa do Brasil vale pela vaga na Libertadores. Tudo bem, dá acesso, o futuro a Deus e a dom Sebastião pertencem. O que vale, porém, é a mais nacional das pelejas, não esse Sonolentão-2011 apenas com 20 clubes da elite.

Agora, rumo ao Santos Dumont, vejo uma imagem inesquecível, a multidão vascaína arrastando o ônibus do clube como se fosse uma caravela gigante, uma arca de Noé que desliza no seco como se no oceano dos grandes conquistadores.

“Não sou eu quem me navega, quem me navega é o mar.” Eis a trilha sonora, do vascaíno Paulinho da Viola, ecoando sobre a velha Guanabara.

O impagável XICO SÁ, melhor texto sobre futebol e entre os melhores sobre qualquer assunto, no caderno de esportes da Folha de S. Paulo de hoje (link para assinantes Folha/UOL).

Acampados decretam greve de fome

18 lideranças quilombolas e simpatizantes iniciaram greve de fome na manhã de hoje (9) no Acampamento Negro Flaviano.

De costas para a plenária e de frente para as autoridades e lideranças que compunham a mesa de trabalhos, 18 lideranças quilombolas revezavam-se entre o sentar e o deitar, tendo decretado greve de fome na manhã de hoje (9). O gesto extremo foi o meio de chamar a atenção dos governos para os graves problemas enfrentados por diversas áreas em conflito no Maranhão.

Com a presença fixa de cerca de cem quilombolas de 40 comunidades, o Acampamento Negro Flaviano, que ora ocupa as instalações do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária no Maranhão, teve início no último dia 1º. de junho, quando realizou diversas atividades e manifestações pacíficas em frente às sedes do judiciário e executivo estadual, ambos na Praça D. Pedro II, no centro da capital maranhense.

“Estivemos lá, na porta do Palácio [dos Leões], na porta do Tribunal de Justiça, mas precisamos vir e ficar aqui por dez dias”, contabilizou um dos manifestantes ao fazer uso da palavra nesta tarde. Representantes das secretarias estaduais de Direitos Humanos, Igualdade Racial e Justiça e Administração Penitenciária estiveram no auditório do Incra, fazendo promessas sem data para cumpri-las, após a passagem de representantes da Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial da Presidência da República no dia anterior (8). Há inclusive a de que seja publicado um decreto para orientar os procedimentos a serem tomados pelo Iterma para a regularização fundiária – previsto com base sabe-se lá em quê para ser assinado em 15 de julho.

“Estão sendo feitas diversas promessas, mas que estrutura se criará para isso? Com que recursos? Como garantir o registro de boletins de ocorrência em delegacias onde não há delegados? Quem sofre ameaça no interior não virá à capital fazer denúncias. A ouvidoria agrária está criada desde 2009, mas nunca saiu do papel. Se será de fato criada, que estrutura e recursos terá? As coisas não acontecem, apesar do repasse de recursos do governo federal. Promessas acontecem agora a partir da pressão. O governo parece querer apenas se justificar perante a imprensa e ao governo federal. O governo estadual tem responsabilidades a cumprir”, questionava Pe. Inaldo Serejo, coordenador da Comissão Pastoral da Terra no Maranhão.

O Maranhão tem 59 quilombolas ameaçados de morte nas cerca de 170 áreas em conflito no estado, de acordo com dados do caderno Conflitos no Campo 2010, publicação da CPT/MA. O estado ocupa o primeiro lugar em mais esta trágica estatística.

Lideranças do acampamento afirmaram que “não sairão daqui de mãos abanando”. A ministra dos Direitos Humanos Maria do Rosário deve vir à São Luís para uma rodada de negociações – ela encontra-se no Pará, onde se reunirá com representantes da CPT no estado para tratar dos recentes assassinatos de lideranças camponesas.

O estabelecimento de prazos urgentes para a inclusão dos ameaçados de morte no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, a realização de audiências públicas para discutir as áreas quilombolas em conflito no estado, o estabelecimento de grupo de trabalho para propor os procedimentos de titulação das áreas quilombolas e a instalação de escritório da Fundação Cultural Palmares em São Luís estão entre as diversas reivindicações dos acampados.

Entre as lideranças em greve de fome estão o Pe. Clemir Batista, da CPT de Pinheiro/MA, e Almirandir Costa, do quilombo Charco, em São Vicente de Férrer, palco do brutal e covarde assassinato de Flaviano Pinto Neto, que batiza o acampamento, em outubro do ano passado. Indagado se notava alguma evolução nas negociações ao longo dos dias, o segundo não hesitou em afirmar que tudo não passava de “enrolação do governo”.

 [Materinha escrita na condição de assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão e Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, já publicada anteriormente no site da segunda e no blogue do Tribunal Popular do Judiciário; antes, a SMDH já havia publicado também uma nota de apoio ao Acampamento Negro Flaviano]

Que venha o futebol de verdade!

Quem me acompanha deste ou de blogues anteriores, sabe que futebol não é lá minha praia. Devo ter jogado umas duas partidas na vida e vi o esporte pela tevê umas tantas vezes – até hoje vejo, embora com menos frequência, principalmente de 1998 para cá, quando a seleção brasileira vergonhosamente perdeu o campeonato mundial para a França, vocês lembram.

O fato é que em minha modestíssima opinião – de quem se mete onde não é chamado – o futebol virou um grande espetáculo publicitário, milionário. E só. E o jornalismo esportivo ao mesmo tempo fábrica e incineradora de ídolos, às vezes falsos. A máquina que move o futebol como um todo me incomoda, chego a ser a favor de teto salarial para os profissionais da bola. É um grande jogo onde poucos ganham milhões e muitos perdem sono, trabalho (a ressaca na manhã seguinte, os ônibus lotados para voltar do estádio para casa) e dinheiro (ingressos, camisas oficiais dos clubes), sustentando o circo todo – que eu quero é ver pegar fogo.

Não sou daqueles que torcem apenas na Copa do Mundo. Ou que torcem contra por ser o futebol o ópio do povo – sabemos que de fato é, como o são novelas e BBBs. Futebol, para mim, é poesia, como já disseram Paulo Leminski e Marcelo Montenegro. “Como querer que um gol tenha razão de ser, além da explosão de alegria da torcida?”, já indagou o primeiro; do segundo, basta ler qualquer texto seu sobre o assunto. Quem lembra do Canal 100 também entende(rá) essa relação – poesia e futebol jogando no mesmo time, basta ler Nelson Rodrigues ou Xico Sá.

Mas deixemos o blá blá blá de lado: quão patética a despedida de Ronaldo. Num Pacaembu lotado, pouco mais de 15 minutos ontem, contra a Romênia – o Brasil venceu por 1×0, com um gol de Fred, no primeiro tempo, antes da entrada do “fenômeno”, combinada para e acontecida aos 30 minutos do primeiro tempo. Como disse, futebol não é minha praia. Então permitam-me uma pergunta, talvez descontextualizada ou já respondida: por que Ronaldo não se despediu contra a Holanda, seleção mais forte que a Romênia, contra a qual o Brasil apenas empatou em 0x0, dias antes?

Galvão Bueno e cia., para maldição dos que, como eu, viram o jogo pela tevê aberta, emocionaram-se mais com o pouco mais de quarto de hora que Ronaldo passou em campo – e depois com sua abobalhada volta olímpica – que com o próprio gol da seleção brasileira.

Não me entendam mal, meus caros: é inegável a contribuição que Ronaldo Nazário de Lima deu ao futebol brasileiro, ao futebol mundial. É um dos maiores jogadores em todos os tempos, é o maior artilheiro da história das copas do mundo. Mas a festa de ontem era dispensável. Ele podia ter dormido sem essa – nós também. Ao vê-lo junto aos filhos num quadradinho com gramado e traves, um campinho de brinquedo, digamos – não ficou no banco de reservas – impossível não lembrar do saudoso Bussunda, que tanto e tão bem o imitou no Casseta & Planeta.

"Bussúndico", Ronaldo despediu-se "oficialmente" ontem dos gramados

Mas o pior já passou. Que venha o futebol de verdade, hoje à noite, com Coritiba e Vasco decidindo a Copa do Brasil. É quando uns dirão, definitivamente, que futebol não é a minha praia: vai, Vascão!