CULTURA DO ATRASO

Na falta de coisa melhor para fazer, secretário apresenta propostas esdrúxulas e difama artistas antagonistas.

Temos mais ou menos dez dias daqui até junho, quando acontecem em São Luís (e em todo o Maranhão e Brasil) os festejos juninos. A não publicação de um edital para a seleção de artistas e manifestações culturais que irão ocupar palcos na capital e interior nos mostra qual será – está sendo – a condução da política cultural do Maranhão, com a volta de Roseana Sarney ao poder e de Bulcão à Secretaria de Estado da Cultura.

O secretário deu declarações pavorosas, recentemente, ao blogueiro Daniel Matos (imirante). Leio e releio – com bastante atraso – e não acredito no que vejo. Penso que declarações como as do “gestor” já não pudessem existir em pleno século XXI. “Em minha gestão o Tutuca não ganhará nada, está fora. A briga com o Ronald (Pinheiro, compositor) mostrou o quanto ele estava engajado politicamente com o grupo que faz oposição ao nosso”, afirmou, com o personalismo e autoritarismo característicos dos que servem à família Sarney.

Como é que é? Quer dizer que para participar de programações culturais artistas devem estar engajados, ou mesmo alinhados, politicamente com o grupo que ora ocupa o poder? Queremos artistas ou políticos? “A música que ele faz é de qualidade duvidosa”, afirma à frente. Fosse verdade, nada que um edital público não resolvesse. Aliás, editais públicos garantiram, na gestão anterior, a participação de artistas e manifestações culturais alinhadas ao grupo Sarney em programações culturais – não só o São João. Este “revanchismo” barato beira a imbecilidade.

Mais infelizes – e idiotas – ainda foram as declarações de Bulcão sobre Cesar Teixeira. Transcrevemos a íntegra do tópico para, em seguida, comentá-lo. Eis o que afirmou Bulcão: “Considero infeliz a postura do Cesar [transcrevemos o nome corretamente, sem o acento] Teixeira (compositor) no período que antecedeu a cassação do ex-governador. Ele chegou a transformar sua música ‘Oração Latina’ em uma espécie de hino no acampamento batizado de ‘Balaiada’. Se o Cesar tem visão política antagônica ao atual governo, deveria, ao menos, se abster, pois em vários momentos já precisou de ajuda do grupo que costuma atacar. Ou será que ele não lembra da época em que foi amparado por Roseana Sarney, no Rio de Janeiro, quando enfrentava grave problema de saúde, na década de 70?”.

Abobrinha ao molho de contradições. Como é que é? Quem for contra o grupo deles que se cale? É isso mesmo? Eis aí outro aspecto do tosco pensamento do “gestor”: Cesar não transformou sua música em hino de nada: desde que composta, em 1985, quando venceu o Festival Viva Maranhão de Música Popular, Oração Latina embala momentos importantes da história do Estado, sobretudo os que envolvem as lutas dos trabalhadores, o que é quase sinônimo de “anti-sarneysmo”.

Sabedor de que em 2009 não poderei me divertir nas festividades de São João ao som de Cesar Teixeira, liguei para o, em minha modesta opinião, “maior compositor vivo do Maranhão”. Ele também havia acabado de ler sobre o assunto e afirmou: “Isso é uma mentira deslavada de um capacho da oligarquia Sarney. Isso nunca aconteceu. Estive no final de 73 no Rio, passei mais ou menos um mês lá e quando o dinheiro acabou, voltei. Não tive ajuda de ninguém, nunca estive doente no Rio, ela não me ajudou coisa nenhuma. Fiquei surpreso com a declaração, não sei de onde ele tirou essa ideia. Desafio Bulcão, Roseana ou qualquer um a provar isso”.

A entrevista de Bulcão traduz o grau de autoritarismo, preconceito, discriminação e atraso a que foi relegada a política cultural do Estado, devolvida a um servidor fiel da família Sarney, não por acaso reincidente no cargo. A re-transformação de Oração Latina em hino tem duas traduções simultâneas: que Cesar Teixeira é homem/cidadão/artista/jornalista coerente e não foge à luta por um Maranhão/Brasil/mundo melhor (e/ou contra Sarney); e que o povo enxerga em Cesar esse ícone compromissado com as causas populares, seja pela via da/o arte/jornalismo e/ou das atitudes pessoais.

A verborragia viperina de Bulcão comparece ao blogue de Daniel Matos sob o título-disfarce Bulcão: “São Luís precisa de uma biblioteca moderna; ‘Benedito Leite’ deve virar museu” [18/maio/2009], onde o mesmo também afirma sua vontade de modernizar a tradicional biblioteca pública estadual retirando-a da Praça do Pahtheon, ideia que me soa absurda. Por que não continuar o trabalho iniciado na gestão anterior, que, não tivesse sido interrompido, zeraria o número de municípios sem biblioteca pública no Estado?

A gestão cultural estadual caminha para (a)trás(o) quando torna a enxergar o Maranhão como se este fosse apenas São Luís. Na falta do que fazer pela implementação de políticas públicas culturais efetivas – sobretudo no interior do Estado –, algo a que têm ojeriza, resta-lhes difamar antagonistas, de forma irresponsável e leviana.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

8 comentários em “CULTURA DO ATRASO”

  1. zema,
    o teu texto está marcado pela indignação, caracteristica fundamental daqueles que não concebem viver com injustiça e autoritarismo, como é a marca das oligarquias e de seus servos, toda a declaração do atual secretario mostar bem a importancia da política defendida por joãozinho Ribeiro “o Maranhão só terá uma nova politica cultural, quando tiver uma nova cultura política” é essa planta que esse grupo quer matar, mas a semente foi plantada, quanto ao significado de Oração Latina pra todos nós, defensores e defensoras de direitos humanos, quero expressar que nós lhe proclamos nosso hino, sim, não vamos perder tempo e tinta em explicar, eles são incapazes de compreender, esse simbolismo não lhes pertence e não tem dinheiro, nem cargo que pague, a subserviência não é nossa marca.
    “Com as bandeiras na rua ninguém pode nos calar”

  2. pois é, jô: “com as bandeiras na rua ninguém pode nos calar” e já que “ninguém vai ser torturado com vontade de lutar”, estaremos atentos e vigilantes a cada deslize de bulcão e outros desse desgoverno. obrigado! abraço!

  3. Concordo com você em quase tudo. Mas, também concordo em duas coisas com o secretário: São Luís precisa de mais bibliotecas e, de preferência, que sejam fora do eixo do centro da cidade. Ponto dois: a música de Tututa é muito ruim!

  4. Muito boa a matéria Zema!Já tinha lido a entrevista do secretário e também me indignei com suas declarações. Quantos passos atrás vamos nos submeter novamente?
    Abraço

  5. celijon, concordo que são luís precisa de mais bibliotecas, o que não significa tirar a benedito leite de onde está ou transformá-la no que quer que seja.

    wagner, é o que me pergunto. se chico science dizia “um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar”, podemos dizer que “um passo atrás e também não”, isto é, estamos indo rumo ao pior, infelizmente.

    abraços!

  6. Zema, sabia dessa discussão, mas só agora li esse teu texto. A declaração do Bulcão é, no mínimo, infeliz. Mas expressa o pensamento e a prática dessa turma. Esse sujeito merecia ser processado. Fiz um texto a respeito lá no Conexão. Abrs!

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s