A TUA CABE?

Tudo é extremamente real em Nossa vida não cabe num Opala, filme brasileiro que obteve relativo sucesso no cenário alternativo, ano passado. Talvez o excesso de álcool incomode certos puristas. É bom que saibam que existem pessoas assim, de verdade.

Essa realidade nua e crua é o que há de melhor no filme: a história de irmãos ladrões de carros que precisam continuar no ofício para honrar uma dívida do pai falecido com um mafioso de desmanches, saga de tragédia e chantagem geração após geração, maldição (?). As vidas dos ladrões, “coisas” pelas quais, às vezes, não damos o mínimo valor.

O filme, no entanto, não tenta nos passar lições de moral, ao menos não no sentido formal, “moral da história” ao pé da página. Mas chega a incomodar – e este é um bom sentimento para durar além das letras subindo ao final.

Adaptação da peça Nossa vida não vale um Chevrolet, de sua autoria, o dramaturgo Mário Bortolotto não gostou do resultado final, segundo depoimentos em seu blogue, o Atire no Dramaturgo. Bortolotto, aliás, aparece tranqüilo, bebendo num boteco, numa das cenas.

Leonardo Medeiros (Lavoura Arcaica) é Monk, o filho mais velho que deseja honrar Oswaldão, o pai falecido. Medeiros se sai bem como protagonista: é, a contragosto, exemplo para Slide (Gabriel Pinheiro), que também por conta da dívida do pai vai lutar boxe – ofício abandonado por Monk: “Eu queria mesmo era ser ladrão”, o irmão mais novo confessa a admiração pelo mais velho.

O elenco conta ainda com nomes como Jonas Bloch, Milhem Cortaz (Tropa de Elite), Maria Manoella (Crime delicado), Maria Luiza Mendonça, Paulo César Pereio, o pugilista Maguila e Dercy Gonçalves – sua última aparição no cinema, recheada de palavrões.


[Dercy disparando palavrões em sua última aparição no cinema. Foto: divulgação]

Reinaldo Pinheiro saiu-se muito bem em sua estreia como diretor. Por trás, uma trilha sonora impecável, a cargo do Maestro Amalfi e Mário Bortolotto. Somada à bem trabalhada fotografia, cria um clima diferente do que é comumente visto no cinema nacional.

Eu recomendo: Nossa vida não cabe num Opala está em cartaz no Cine Praia Grande (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande), com sessões às 16h, 18h30min e 20h30min. Os ingressos custam R$ 4,00 e R$ 2,00 (para estudantes com carteira e pessoas com mais de 60 anos; para todos, aos domingos).

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM). Coautor de "Chorografia do Maranhão (Pitomba!, 2018). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s