A volta do que não foi

[“Tucanos” propagam por aí que “se as teles ainda fossem estatais, não existiria o velox, nem celulares pequenininhos etc.”; não acredito nisso. Bom, depois de 24h sem lentox, estamos de volta. Depois de mais de uma semana “fora” do DM (aí nada a ver com o velox), estamos de volta também. Abaixo, o Diário Cultural de hoje]

“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro nessa vida”. Repesco aqui, de memória, a frase de Vinícius de Moraes, que de poetinha nada tinha: era um poetão, poetaço, um grandessíssimo poeta. É só pra ilustrar meu retorno ao espaço, depois de alguns tropeços, desencontros, feriado, enfim: cá estamos nós, sãos e salvos, esperando o mesmo dos leitores.

Lançamento

Hoje, às 17h, no Auditório do Sindicato dos Bancários (Rua do Sol, 413, Centro), será lançado o livro “Crianças e Adolescentes com Deficiência – Direitos e Indicadores de Inclusão”, fruto de uma pesquisa realizada entre 1999 e 2003 pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). A publicação aborda a situação de crianças e adolescentes com deficiência e o atendimento especializado nas políticas de saúde e educação, além da situação de suas famílias e do perfil dos gestores das políticas públicas e suas formas de organização. Maiores informações: (98) 3214-1073 e/ou 3214-1088, com Renato Pedrosa ou Alexandrina Abreu.

Entrevistas

Quando escrevi sobre o livro “Dez Conversas – Diálogos com Poetas Contemporâneos” (Gutemberg/Autêntica Editores, 2004), de Fabrício Marques, citei Joca Reiners Terron (link ao lado), que citava Augusto Monterroso, que defendia(m) a entrevista como único gênero literário inventado na modernidade. Particularmente, adoro entrevistas. Ler no formato perguntas e respostas é algo, para mim, sempre agradável. Ou quase sempre: há entrevistados que não têm o que dizer; e entrevistadores que não sabem o que perguntar. Agradabilíssimas de ler – ainda não terminei os volumes – são as entrevistas de “As 30 melhores entrevistas de Playboy” (Editora Abril, 2005) e “3 Antonios e 1 Jobim” (Editora Relume Dumará). No primeiro, gentes boas como Gabriel García Márquez, a Turma do Pasquim (leia-se Ivan Lessa, Ziraldo e Jaguar), Henfil, John Lennon, Fidel Castro e Tim Maia, entre outros; entrevistas feitas entre agosto de 1975 e agosto de 2005, quando a revista masculina completou trinta anos. No outro volume, conversas – uma delas com os quatro, simultaneamente – com Antonios: Callado, Cândido, Houaiss e Carlos Jobim. Retratos da inteligência brasileira. Imperdíveis. E não-amareláveis.

CantaCut

Nenhum maranhense está entre os doze finalistas do CantaCut, o festival da nova música brasileira, promovido pela Central Única dos Trabalhadores. Para ouvir as músicas e votar, acesse: http://www.cut.org.br

Som do Mará

Depois de êxitos colhidos nas já tradicionais apresentações na Concha Acústica da Lagoa da Jansen, chegou a hora do Som do Mará cair na estrada. O grupo percorrerá 24 cidades do interior do Maranhão, através de projeto incentivado pelo Ministério da Cultura, com patrocínio da Petrobrás. Ainda em abril, as cidades de Codó (dia 21), Caxias (22) e Timon (23) receberão Beto Pereira, Celso Reis, Daffé, Gerude, Josias Sobrinho, Marco Duailibe, Ronald Pinheiro e Tutuca. Mais detalhes, por aqui, em breve.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s