Diários Culturais. Feliz 2006!

E começou 2006! Sem internet em casa e desempregado, o blogueiro vai se virando. Qualquer coisa, batam o fio (por qualquer meio). Abaixo os dois primeiros Diários Culturais do ano.

Um 2006 cheio de poesia para todos!

Ainda de ressaca do reveillon, o colunista arrisca um breve texto sobre o resultado da categoria “poesia” do Concurso Literário e Artístico Cidade de São Luís; e arrisca (-se) ainda a deixar um poema desejoso de um feliz 2006 a todos os leitores do Diário da Manhã.

São Luís, Terra de poetas – ruins (incluindo este colunista)

Com bastante atraso, saiu finalmente o resultado do XXIX Concurso Literário e Artístico Cidade de São Luís. Os nomes dos vencedores foram divulgados na última quarta-feira, 28/12. Na categoria “poesia”, o resultado causou revolta. E não digo que causou espanto por que algumas pessoas já o conheciam: não houve vencedor e/ou menção honrosa. Diário Cultural não acredita que entre trinta e quatro participantes (esse foi o número de trabalhos inscritos para a categoria), não houvesse um trabalho com mérito e nível para a premiação. Entre os concorrentes estavam Bruno Barata, Pataugaza (já escrevemos sobre seus blogues – repletos de boa poesia – por aqui), Dyl Pires (também blogueiro, já venceu uma das edições anteriores do concurso) e este missivista, apenas para citar alguns.

A comissão julgadora da categoria era formada por Sebastião Moreira Duarte, Laura Amélia Damous e Francisco Ribeiro Silva Jr. Com todo respeito aos intelectuais: será que esperavam encontrar Nauros Machados e Josés Chagas inscritos? O concurso não é para revelar novos talentos?

A todos, um feliz 2006! Deixo, por ora, um poema cometido tempos atrás, já conhecido de alguns amigos. É meu “clichê” desejoso de que esses “instantes de paz” encham todo o ano que se inicia.

Instante de paz

Quero libertar-me
de todas as garras
ficando preso
apenas ao teu amor.

Quero todas as noites
todas as farras
saindo ileso
quero nada de dor.

Quero dar-te flores
nelas, perfumes e cores,
melaço que adoce
o nosso amargor.

Quero que o mundo
pare por um  segundo
sendo para todo o sempre
esse instante de paz.


De Uns Tempos Pra Cá: perfeita trilha de amor perfeito

Com o sexto disco de carreira – “De Uns Tempos Pra Cá” – o paraibano Chico César estréia na Biscoito Fino. O resultado é um belo trabalho, sob todos os aspectos: musical, gráfico, emocional e outros tantos que o leitor/ouvinte queira/consiga descobrir.

De uns tempos pra cá. Capa. Reprodução

Em 1994, Chico César era tido como uma promessa da “nova eme-pê-bê”; de forma arrojada, estreou com disco ao vivo (“Aos Vivos”, Velas, 1994) que tinha as ilustres participações de Lenine (que apesar da estréia em 1983, em disco que dividiu com Lula Queiroga, era tido ainda como uma promessa, também) e Lanny Gordin, uma espécie de “deus” da guitarra, famosíssimo por sua esquizofrenia e participações em antológicos discos de Gal Costa e Caetano Veloso à época da Tropicália. “À primeira vista” foi logo regravada por Daniela Mercury e chegou às telas globais em trilha sonora de novela; “Mama África” virou hit de rádio e essas músicas são, até hoje, das mais pedidas em shows do compositor.

O ano é 2005, o disco, o sexto. É hora de uma, digamos assim, reestréia. O paraibano de Catolé do Rocha entra para o cast da gravadora Biscoito Fino e manda para as lojas um fino biscoito cujas pérolas são recheadas pelos instrumentos do Quinteto da Paraíba (Yerko Tabilo, violino; Ronedilk Dantas, violino; Samuel Espinoza, viola; Nelson Videla, violoncelo; e Xisto Medeiros, baixo acústico) – com quem Chico César já havia gravado quando de sua participação no disco “Brasilerança” (Kuarup, 2001), de Xangai. A faixa lá registrada, “Utopia”, repete-se, belamente aqui, sem a presença do baiano.

“De Uns Tempos Pra Cá” (R$ 29,90, em média) é, a propósito, um título acertado. Os ouvintes podem arriscar-se a dizer, e acertar, que “de uns tempos pra cá”, a obra de Chico César vem tomando novos elementos, ganhando unidade, sem que isso signifique tornar-se chata ou repetitiva.

Com competência e propriedade, Chico recria obras alheias: aqui aparecem “Cálice” (Gilberto Gil e Chico Buarque) e “A nível de” (João Bosco e Aldir Blanc), além de “Outono aqui”, versão dele para “Autumn leaves” (Joseph Kosma, Jacques Prevert e Johnny Mercer).

Uma forma de ouvirmos “De Uns Tempos Pra Cá” é como um roteiro. Há peças “cinematográficas” como “Por causa de um ingresso do festival matou roqueira de 15 anos”, onde aparece a conterrânea Elba Ramalho e “Pra cinema”, faixa que abre o disco. No encarte – com belo tratamento gráfico, como é de praxe em lançamentos da BF – a cada faixa, uma nota, como alguém que rabisca as bordas de um livro que lê. Ou que escreve, como é o caso, aqui.

Trilha sonora para namoro? Perfeito. Perfeita trilha sonora de amor perfeito. A faixa-título, “Alcaçuz” e “Por que você não vem morar comigo?” são rasgadas declarações de amor rasgado – redundâncias intencionais.

Autor: zema ribeiro

homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s